Grampo de Jucá está nas mãos do STF, com Teori Zavascki

Conversa do senador licenciado Romero Jucá admite “esquema de [corrupção de] Aécio” e Temer como solução para “estancar” Lava Jato. Depoimento de Lula também está com o ministro Zavascki
 
Jornal GGN – Em conversa interceptada por investigadores da Lava Jato, o então senador e atual ministro do Planejamento Romero Jucá (PMDB-RR) defendeu a mudança de governo “para estancar a sangria” das investigações, afirmou que “Michel é a solução” e admitiu que “viveu” o esquema de corrupção do senador tucano Aécio Neves. O GGN não obteve o acesso à interceptação telefônica, mas apurou que na última quinta-feira (19), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, recebeu em seu gabinete os quatro últimos volumes do processo, que incluem o grampo de Romero Jucá e o depoimento do ex-presidente Lula ao MPF.
 
De acordo com a Folha de S. Paulo, único diário que obteve o áudio, Jucá conversou com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, e revelou o cenário que atinge todos os partidos em esquemas de corrupção na Lava Jato. “Todo mundo [está] na bandeja para ser comido”, assim descreveu o senador licenciado.
 
A preocupação inicial do diálogo partiu de Sérgio Machado, que foi do PSDB antes de se filiar ao partido de Jucá e de Temer. “O primeiro a ser comido vai ser o Aécio [Neves]. O Aécio não tem condição, a gente sabe disso, porra. Quem que não sabe?”, questionou. “Quem não conhece o esquema do Aécio?”, frisou Machado. “É,  gente viveu tudo”, confirmou Jucá.
 
O ex-presidente da Transpetro seguiu com a narrativa: “o que que a gente fez junto, Romero, naquela eleição, para eleger os deputados, para ele [Aécio] ser presidente da Câmara?”. O senador tucano foi presidente da Câmara dos Deputados entre 2001 e 2002.
 
Para Jucá, um governo de Michel Temer seria a solução para a “situação grave” da Lava Jato, da qual “querem pegar todo mundo”, acabando “com a classe política para ressurgir, construir uma nova casta pura”.
 
Na conversa, o senador licenciado ainda criticou a posição de Renan Calheiros, que era contra o governo do atual interino. “Só Renan que está contra essa porra. Porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo Cunha. Gente, esquece o Eduardo Cunha. O Eduardo Cunha está morto, porra”, destacou Jucá.
 
“Porra, o Michel, é uma solução que a gente pode, antes de resolver, negociar como é que vai ser. Michel, vem cá, é isso e isso, isso, vai ser assim, as reformas são essas”, disse o atual ministro do Planejamento, mostrando a influência que teria sobre o governo Temer.
 
Durante a conversa que foi gravada de forma oculta, para as investigações da Lava Jato nas mãos da Procuradoria-Geral da República, Machado e Romero Jucá mostraram receio de as investigações caírem nas mãos do juiz da Vara Federal de Curitiba, Sergio Moro. Para evitar isso, o atual ministro apontou como saída uma interferência política.
 
“Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra. Tem que mudar o governo para estancar essa sangria”, disse Jucá, completando: “Eu acho que a gente precisa articular uma ação política”, em referência ao afastamento de Dilma, que ocorreria semanas depois do diálogo.
 
As interceptações telefônicas envolvendo o senador licenciado ocorreram no âmbito do inquérito 3989, o processo “mãe” da Lava Jato que envolve políticos, com foro privilegiado, e o único não arquivado que ainda irrompe sobre Jucá. As acusações são de lavagem de dinheiro, ocultação de bens, crimes contra a administração, corrupção passiva, crimes contra a paz pública e formação de quadrilha.
 
Nesse processo, estão 39 investigados, com destaque para nomes de peso do PMDB, incluindo  o presidente do Senado, Renan Calheiros. A pedido da Procuradoria-Geral da República, com base na delação do senador Delcídio do Amaral, o Supremo incluiu no mesmo inquérito menções ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, à presidente afastada Dilma Rousseff e ao interino Michel Temer, no último dia 20 de abril.
 
Até então, as investigações que envolviam os 39 acusados haviam gerado 12 volumes de peças do processo. O 13o volume do inquérito foi criado no dia 10 de setembro de 2015, já mirando no ex-presidente. O depoimento que Lula prestou aos investigadores da Lava Jato, no dia 4 de março deste ano, completou essa parte dos autos. 
 
Outros quatro volumes foram produzidos desde então pela PGR. Dentre eles, está a gravação da conversa entre Jucá e Machado. E o acompanhamento processual do inquérito 3989 indica que tanto o depoimento prestado por Lula, quanto o grampo de Jucá foram enviados ao gabinete do ministro relator, Teori Zavascki, no dia 19 de maio, última quinta-feira.
 
E apesar de as citações de Delcídio a Dilma, Lula e Temer integrarem a investigação-mãe da Lava Jato, seus nomes não foram incluídos como investigados. Já o de Jucá e caciques do PMDB seguem na mira dos investigadores. E ainda não há informações se o primeiro inquérito contra Aécio Neves (PSDB-MG), que foi arquivado no ano passado, será reaberto.
 
Acompanhe, abaixo, os volumes 12 e 13 do inquérito:
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

54 comentários

  1. Está faltando uma gravação

    Está faltando uma gravação comprovando o repasse de numerários para os politiqueiros que votaram contra Dilma ( e a democracia) naquele espetáculo deprimente do dia 17 de abril .

    Espero que algum dissidente da ditadura Michel Cunha de Marinhos repasse esta gravação .

    • Teori é um dos ministros que…

       

      Teori é um dos ministros que menos confiança inspira porque em questões cruciais envolvendo Aécio & cia passa a bola pra frente, quiçá Gilmar, Toffoli…

  2. O golpe paraguaio deu água

    MACHADO – Agora, ele acordou a militância do PT.
    JUCÁ – Sim.
    MACHADO – Aquele pessoal que resistiu acordou e vai dar merda.

    …….e deu…..

  3. Falta perguntar ao PGR:

    Falta perguntar ao PGR: Janot, agora é o golpe dentro do golpe? Sai temer, entra…Serra, Anastasia, Gilmar ou quem? Tem muita barata na bandeja do STF. O esgoto está insuportável. O cheiro, horrível, está chegando lá fora do Brasil.

  4. Quem vazou? Responder a esta

    Quem vazou? Responder a esta pergunta é fundamental para entender o que está por vir e quem vai se beneficiar.

    https://theintercept.com/2016/05/23/novo-abalo-politico-no-brasil-e-hora-da-midia-comecar-a-dizer-golpe/

    Novo Abalo Político no Brasil: é Hora da Mídia Começar a Dizer “Golpe”?

    May 23 2016, 12:50 p.m.

    (To read the English version of this article, click here.)

    O país acordou hoje com a notícia das secretas e chocantes conversas envolvendo um importante ministro do recém-instalado governo brasileiro, que acendem uma luz a respeito dos reais motivos e agentes do impeachment da presidente democraticamente eleita, Dilma Rousseff. As transcrições foram publicadas pelo maior jornal do país, a Folha de São Paulo, e revelam conversas privadas que aconteceram em março, apenas semanas antes da votação do impeachment na Câmara. Elas mostram explícita conspiração entre o novo Ministro do Planejamento, Romero Jucá, e o antigo executivo de petróleo Sergio Machado – ambos investigados pela Lava Jato – a medida em que concordam que remover Dilma é o único meio para acabar com a investigação sobre a corrupção. As conversas também tratam do importante papel desempenhado pelas mais poderosas instituições nacionais no impeachment de Dilma, incluindo líderes militares do país.

    As transcrições estão cheias de declarações fortemente incriminadoras sobre os reais objetivos do impeachment e quem está por trás dele. O ponto chave da conspiração é o que Jucá chama de “um pacto nacional” – envolvendo as instituições mais poderosas do Brasil – para empossar Michel Temer como presidente (apesar de seus múltiplos escândalos de corrupção) e terminar com as investigações uma vez que Dilma fosse removida. Segundo a Folha, Jucá diz que o Impeachment levaria ao “fim da pressão da imprensa e de outros setores pela continuidade das investigações da Lava Jato.”

    Não está claro quem é o responsável pela gravação e pelo vazamento da conversa de 75 minutos, mas a Folha reportou que elas estão atualmente nas mãos do Procurador Geral da República. Jucá é líder do PMDB, partido do presidente interino Michel Temer, e um de seus três homens de confiança. Novas revelações serão provavelmente divulgadas nos próximos dias, tornando mais claras as implicações e significados destas transcrições.

    As transcrições contêm duas revelações extraordinárias que podem levar toda a imprensa a considerar seriamente chamar o que aconteceu no pais de “golpe”: um termo que Dilma e seus apoiadores vem usando por meses. Quando discutia a conspiração para remover Dilma como um meio de finalizar a Lava Jato, Jucá disse que as forças armadas do Brasil apoiam a conspiração: “Estou conversando com os generais, comandantes militares. Está tudo tranquilo, os caras dizem que vão garantir.” Ele disse ainda que os militares “estão monitorando o MST,” o movimento rural de trabalhadores que apoia os esforços do PT pela reforma agrária e redução da desigualdade, e que liderou protestos contra o impeachment. 

    A segunda revelação – e talvez mais significante – é a declaração de Jucá de que assegurou o envolvimento de juízes na Suprema Corte do Brasil, a instituição apontada pelos defensores do impeachment como salvaguarda da credibilidade do processo e utilizada para negar a teoria do golpe. Jucá afirmou que “tem poucos caras [no STF]” a quem ele não tem acesso. O único ministro da Suprema Corte que ele alega não ter contato é Teori Zavascki, que foi apontado por Dilma e de quem – notavelmente – seria impossível obter apoio para barrar a investigação (a ironia do impeachment é que Dilma protegeu a investigação da Lava Jato da interferência daqueles que querem impedi-la). As transcrições também mostram ele dizendo que “a imprensa quer tirar ela,” e que “essa porra não vai parar nunca” – falando sobre as investigações – até que ela saia.

    As transcrições fornecem provas para quase todas as suspeitas e acusações expressas há tempos pelos oponentes do impeachment a respeito daqueles que conspiram para remover Dilma do poder. Durante meses, os apoiadores da democracia brasileira defenderam dois argumentos sobre a tentativa de remoção da presidente democraticamente eleita: (1) o propósito principal do impeachment de Dilma não era acabar com a corrupção ou punir os corruptos, mas justamente o oposto: proteger os verdadeiros corruptos dando-lhes poder com a saída de Dilma e, logo, permitindo que terminassem com as investigações da Lava Jato; (2) os defensores do impeachment (liderados pela oligarquia midiática nacional) não têm qualquer interesse em limpar o governo, mas tomar o poder que jamais conquistariam democraticamente, para então impor uma agenda de direita e a serviço das oligarquias, que a população brasileira não aceitaria.

    As duas primeiras semanas do recém-instalado governo de Temer mostram grandes evidências para ambos os argumentos. Ele nomeou vários ministros diretamente envolvidos em escândalos de corrupção. Um importante aliado que vai liderar a coalização de seu governo na Câmara dos Deputados – André Moura – é um dos políticos mais corruptos do país, alvo de múltiplas investigações criminais, não só por corrupção mas também por tentativa de homicídio. O próprio Temer está profundamente implicado em casos de corrupção (ele enfrenta a possibilidade de se tornar inelegível pelos próximos oitos anos), e está correndo para implementar uma série de mudanças de direita e orientadas para as oligarquias do país, que o Brasil jamais permitiria democraticamente, inclusive medidas, como detalhado pelo Guardian, para “suavizar a definição de escravidão, reverter a demarcação de terras indígenas, cortar programas de construção de casas populares e vender ativos estatais em aeroportos, serviços públicos e os correios”.

    Mas, ao contrário dos acontecimentos das últimas semanas, essas transcrições não são meras evidências. Elas são provas: provas de que as principais forças por trás da remoção da Presidente entenderam que removê-la era o único meio de se salvarem e de evitarem que sejam responsabilizados por sua própria corrupção; provas de que os militares brasileiros, as principais organizações de mídia, e sua Suprema Corte foram conspiradores ativos na remoção da presidente democraticamente eleita; provas de que os agentes do impeachment viam a presença de Dilma em Brasília como garantia de que as investigações da Lava Jato continuariam; provas de que nada daquilo tinha a ver com a preservação da democracia brasileira, mas com sua destruição.

    Por sua parte, Jucá admite que essas transcrições são autênticas mas insiste que foi tudo um mal-entendido e que seus comentários foram retirados do contexto, chamando isso “also banal.” “Aquela conversa não é um pacto sobre a Lava Jato. É um pacto sobre a economia […] É um pacto para se tirar o Brasil da crise,” disse ele em uma entrevista, nesta manhã, ao blogger de política do UOL Fernando Rodrigues. A explicação não é minimamente razoável à luz do que ele disse na gravação, bem como da explícita natureza conspirativa da conversa, na qual Jucá insiste numa série de encontros particulares, em detrimento de encontros em grupo, para evitar suspeitas. Líderes políticos já estão pedindo seu afastamento do governo.

    Desde a instalação de Temer como presidente, o Brasil tem visto intensos e crescentes protestos contra ele. A mídia brasileira – que vem tentando desesperadamente glorifica-lo – tem evitado a publicação de pesquisas por algumas semanas, mas os últimos dados mostrar que Temer tem apenas 2% de apoio e que 60% da população querem seu impeachment. A única pesquisa recentemente publicada mostrou que 66% dos brasileiros acreditam que os legisladores votaram pelo impeachment em benefício próprio – uma crença reforçada pelas transcrições – enquanto apenas 23% acreditam que foi em prol do país. Ontem, em São Paulo, a polícia colocou barricadas na rua onde fica a residência de Temer por conta de milhares de manifestantes que se dirigiam ao local; a polícia usou mangueiras e gás lacrimogêneo para dispersar os protestos. O anúncio do fechamento do Ministério da Cultura levou artistas e simpatizantes a ocupar secretarias de cultura em todo o país em protesto, o que forçou Temer a reverter a decisão.

    Photo: Andre Penner/AP

    Até agora, o The Intercept, como a maioria da mídia internacional, se absteve de usar a palavra “golpe” apesar de ter sido (como muitas outros meios de comunicação) profundamente crítico da remoção antidemocrática de Dilma. Estas transcrições compelem a um reexame desta decisão editorial, particularmente se não surgem evidências para pôr em questão a razoabilidade do significado das declarações de Jucá ou seu nível de conhecimento. Um golpe parece, soa e cheia exatamente como esta recém revelada conspiração: assegurando a cooperação dos militares e das instituições mais poderosas para remover uma presidente democraticamente eleita por motivos egoístas, corruptos e ilegais, para então impor uma agenda a serviço das oligarquias e rejeitada pela população.

    Se o impeachment de Dilma conitnua inevitável, como muitos acreditam, essas transcrições tornarão muito difícil a permanência de Temer. Pesquisas recentes mostrar que 62% dos brasileiros querem novas eleições para eleger seu presidente. Esta opção – a opção democrática – é a solução mais temida pelas elites do Brasil, porque elas estão apavoradas (com bons motivos) com a possibilidade de que Lula ou outro candidato que as desagrade (Marina Silva) possam ganhar. Mas essa é a questão: se, de fato, é a democracia que está sendo combatida e aniquilada no Brasil, é hora de começar a usar a linguagem apropriada para descrever isso. Estas transcrições tornam cada vez mais difícil para as organizações de mídia evitarem fazê-lo.

  5. O que o grampo mostra é o que

    O que o grampo mostra é o que vinhamos falando aqui no Nassif há muito tempo.

    Dilma caiu porque deixou as corporações soltas, mandarem no País, o que é um verdadeiro absurdo.

    Delcídio disse isso e agora Jucá diz a mesma coisa.

    E a turma ja vazou essa conversa para deixar o Governo Temer nas cordas e continuar ditando os rumos do País.

    De certo vamos todos viver de lava jato. E dai que há desemprego se empreiteiros e políticos estão presos ?

    O Govrno Temer tem que zelar pelo País, não pode ceder a estas chantagens, tem é que ir para cima dessa turma, Senão fará como Dilma fez e não vai resistir.

    As esquerdas, mais uma vez estão totalmente equivocadas. Defender esse pessoal, não vai levar a lugar nenhum.

     

     

    • Dilma não caiu.

      Estão há muito conspirando para que ela caia. Sabe porque? Porque  digna e correta , não se deixou chantagear por todos esses corruptos. Os brasileiros que quiserem conhecer os conspiradores do golpe, que a princípio criminosamente inviabilizaram seu segundo mandato, é só checar os deputados e senadores que votaram a favor de seu impeachment. Sobraram poucos que podemos considerar honestos. E agora o que será de Temer? Quem manobrava era o Jucá. E agora, José?  E nesse momento em que a conspiração foi escancarada, perguntamos à Ministra Rosa:  Convenceu-se que é GOLPE?

      Por isso não me canso de elogiar a criatura honrada chamada DILMA!  Fiquemos com a sinceridade das crianças!

      [video:https://youtu.be/i6dUT4yXXQo%5D

       

       

  6. Desce Governo Interino!

    Em qualquer lugar do mundo esta gravação é suficiente para o processo armado de impeachment da Presidenta ser anulado.

    A confissão, com detalhes, está presente na conversa gravada. Todos os elementos que definem que o que houve foi um golpe para brecar as investigações de corrupção, com todas as letras.

    E mais, elas colocam o papel de cada instituição que, em desvio de função, participam do golpe urdido, incluindo o STF. Isto é, a Corte, que deveria ser a instância máxima moderadora da sociedade em busca de justiça é cúmplice.

    ANULAÇÃO DE TODO O PROCESSO, JÁ! 

    E poe tudo na cadeia, mas aí já é desdobramneto.

    Abraço

  7. Isso tem toda a cara de ter

    Isso tem toda a cara de ter sido arrumado pelo pessoal de José Serra. Jucá era um rival dentro do governo numa área que Serra desejava chefiar e o tal vazamento ocorre por conta da folha de SP que é quase que um órgão de imprensa oficial do serrismo. A ver.

  8. Caro Nassif
    Aí tem

    Caro Nassif

    Aí tem coisa.

    Como a folha, com sua folha corrida de golpista, iria liberar um audio com esse poder de fogo?

    Esse áudio denuncia tudo, desde o golpe, que interesses havia por trás dele,e que Dilma é demais de honesta para impedir qualquer investigação de corrupção.

    O golpísta Temer, não deve ter dado a parte acertad para a mídia.

    Isso é uma retaliação.

    Ou mais uma armadilha, a favor do golpe, com desmentidos e mais desmentidos depois.

    Saudações

     

  9. GGN, mas que dia!

    GGN, que dia mais inadequado para um funcionamento ruim, hein? Gente, deem um jeito, pelamor!

    Agora, a sério, sou obrigado a repetir o Nassif: e aí STF, como é que faz? E aí senhores ministros da Corte Maior, como é que fica? Cadê a indignação do Celso de Mello? Cadê as caras e bocas do Gilmar? Celso de Mello, prefere ser chamado de medroso ou de conspirador? E a Rosa Weber (parece a vovó do irmão do Jorel)? Será que convocará os vestais Romero Jucá, Michel Temer, Aécio Neves, Eduardo Cunha, e quem sabe alguns de seus colegas de STF para que expliquem porque o golpe é golpe? Ou prefere que a presidente legítima e eleita lhe dê uma aula do óbvio ululante?

    Voltando ao real, continuo a pensar nos motivos pelos quais o povo da Folha saiu com essa agora. Pode ser porque a omissão da grande mídia sobre o assunto já fosse insuportável, prestes a espocar para todo lado, e o periódico dos Frias achou por bem se antecipar; no entanto, tenho como mais plausível que o jornal serrista tenha buscado minar Romero e seu grupo, de modo a dar protagonismo ao sempre quase morto José Serra (claro, com a mão sempre presente do Serra, que estrategicamente se mandou do país). Se pensarmos nas últimas manifestações do Grande Irmão do Norte esta possibilidade se torna ao menos considerável.

    Um pouco fora do contexto, gostaria de fazer uma observação sobre uma expressão que vem sendo constantemente repetida em várias abordagens: falo do tal “presidencialismo de coalisão”. Não gosto do termo, acho-o mal colocado. No Brasil (e creio que em muitos outros países eleitoralmente democráticos) o que temos são “executivos de coalisão”. Este modelo de coalisão se repete em governos estaduais, distrital, e de muitos municípios. Não se trata de um modelo de presidencialismo (na verdade é mais o modelo de parlamentarismo, tão desejado pelo centrão). Nossos governos de coalisão não são causas de nada, são consequências de um sistema político (na sua essência apolítico) absolutamente falido, sistema no qual o executivo tem de premiar o legislativo (e talvez o judiciário) para que possa governar.

  10. Governo Paralelo Proposta Nº 4

    GOVERNO PARALELO

    Proposta Nº 4

     

     

    Quem avisa amigo é

     

     

    Edivaldo Dias de Oliveira

     

     

    Faço saber a todas as cidadãs e todos os cidadãos, do Brasil e do mundo.

     

    A todos os governos, organizações multilaterais e organizações não governamentais.

     

    A todas as empresas, nacionais e multinacionais bem como seus conselhos executivos e de acionistas.

     

    Também a todos os fundos de investimentos nacionais e estrangeiros, o que segue:

     

    Em função do golpe de que estamos sendo vítimas, não reconheceremos nenhuma aquisição de empresa pública brasileira ou parte dela, bem como qualquer tipo de concessão ou parceria com qualquer ente do governo espúrio e ilegítimo, por parte de quaisquer empresas nacionais ou estrangeiras e seus congêneres.

     

    Considero de suma importância semelhante aviso, pois cada empresa adquirida sob a gestão dos golpistas serão imediatamente retomada, sem qualquer indenização e nem mesmo a devolução dos valores investidos, assim que voltarmos ao comando do nosso país.

     

    Toda e qualquer transação financeira, realizada por bancos públicos brasileiros, notadamente com empresas e empresários do setor de comunicação durante esse interregno, será considerada sem valor, imputando às pessoas envolvidas em tais transações criminosas todas as penalidades possíveis. 

     

    Negócios feitos nessas condições não merecem tal designação. Não é negócio de compra e venda ou concessão. É confisco, roubo, pilhagem. E como tal será tratado por nós e por nosso povo, quem se envolve em tratativas dessa magnitude com golpistas só podem ser taxados de salteadores, saqueadores e receptadores e é como tal que serão tratados.

     

    Daí a importância de que cada governo, cada empresa, fundo de investimento, pensar seriamente e com serenidade, em cada centavo aplicado durante a permanência dessa quadrilha que se apossou do nosso governo.   

    Somente um governo legitimado pelo sufrágio universal possui a autoridade necessária para transacionar o patrimônio de seu povo, quando tais transações estiverem amparadas em seu programa de governo.

     

    Afirmo também, que todos os ministérios e secretarias, bem como diretorias de empresas públicas, estatais e autárquicas, destruídos pelos golpistas serão,  reconstruídos e seus antigos dirigentes reconduzidos, a priori, aos seus postos e pastas.

     

    Quero destacar, com muita propriedade, o Pré Sal, que a nosso ver, vem despertando a inveja e a cobiça de muitas pessoas, dos mais variados gêneros, física, jurídicas e governamentais:

     

    Se algum reparo mais profundo há para ser feito, é no sentido de destinar parte dos ganhos com essa nossa descoberta para as Forças Armadas, que em último caso, é responsável, a guardiã da nossa soberania e não nos parece razoável que as mesmas montem guarda enquanto nosso solo e mares são explorados por ganaciosos.

     

    Nada mais justo, pois, que as FFAAs, não fique a mercê de governos de ocasião. É preciso garantir-lhes não apenas um percentual sobre a exploração do petróleo e gaz, como de outros minérios, patrimônio inalienável do nosso povo.

     

    Esses percentuais devem ser suficientes para sua manutenção ou ficar muito próximo disso. Considero também de suma importância que as mesmas possuam poder de veto quando está em discussão a transferência de controle de qualquer bem, de qualquer natureza, que coloque em risco a soberania e a segurança nacional a ser definidas. 

     

    Como já foi amplamente divulgado por todas as mídias, meu governo está sendo  vítima de um golpe cujos autores, não custa repetir, partem de setores do Poder Judiciário, Legislativo, midiático e uma forte suspeita pairando sobre organizações privadas internacionais, sob o olhar silente de seus governos, interessadas na pilhagem do nosso patrimônio.

     

    Ao proceder a reformas profundas no programa de governo eleito em sufrágio universal, o Presidente golpista afronta de forma clara a constituição, que não prevê em nenhuma de suas páginas tal procedimento. Mais grave ainda, – como se pudesse haver algo mais grave – tripudia sobre a mais alta corte judicial do país e do Senado, como que sinalizando o apoio velado daquela ao golpe, ou forçando um fato consumado, para que Corte e Senado se sintam intimidadas e constrangidas a chancelar o esbulho.

     

    Nosso governo, sufragado por mais de cinqüenta e quatro milhões de votos, foi vítima da mais abjeta perseguição por parte dos golpistas. Desde o nosso primeiro dia de gestão, foi uma guerra cotidiana, sem trégua e sem quartel, capitaneada pela impressa.

     

    Tudo fizemos para buscar um meio de garantir a governabilidade, todas as concessões possíveis foram feitas por um pouco de paz. Mas nada disso lhes bastou, pois o que queriam na verdade era a nossa capitulação, mesmo que fosse a custa de um golpe institucional, como o que agora ocorre.

     

    Portanto, não se atrevam a exigir de nós, compromisso com a governabilidade golpista, não nos peçam moderação para o bem da estabilidade e segurança jurídica, para que o golpe se consolide, com isso não compactuamos. Nosso compromisso é com a nossa pátria e com o nosso povo; não compactuamos com golpistas.  

     

    Os golpistas não fazem a mínima idéia do tamanho da onça que cutucaram. E cutucaram não com vara curta, mas com gravetos.

     

     

     

     

    ASSINA DILMA!

    • Subscrevo embaixo

      Subscrevo embaixo!

      E mais: que esse comunicado de prioridade nacional seja convertido em post no Jornalggn e em Petição Pública para envio a [email protected] personalidades, autoridades, entes, entidades, instituições e organismos públicos e/ou privados, internos e externos  nele mencionados, para o fim de não virem a alegar ignorância.

  11. Os golpistas delatando o golpe!

    Os próprios golpistas começam a confirmar e delatar, mesmo que involuntariamente, é um golpe sórdido, sem defesa e com os interesses mais rasteiros possíveis!

  12. Coxinhas verde e amarelo na espera

    De que?

    Do JN edição especial até as 22:00 h, já que se tem mais um vazamento.

    Todos com o manto da CBF e com caçarolas na mão aguardando ansiosamente…

    Será que a GLOLPE vai sacanear os coitados..eles j[a até avisaram as mamâes que a novela vai atrasar…

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  13. A EXPLICAÇÃO DO GOLPE

    Acho que o Romero não deve sair sozinho, o governo todo deve pedir pra sair. Ficou clara a motivação do impeachment (GOLPE) da Dilma, mentira tem perna curta mesmo. Militares, Grande Mídia, STF e deputados corruptos envolvidos nesta trama sórdida.</p>

  14. Essa dos ministros (plural) do STF e militares

    Fez cair por terra que as instituções democráticas funcionam no Brasil!!!

    Pra quem vamos recorrer, quem vai julgar e prender o STF e os milicos envolvidos no golpe???

  15. O diálogo – pelo Valor Econômico

    SÉRGIO MACHADO – Mas viu, Romero, então eu acho a situação gravíssima.

    ROMERO JUCÁ – Eu ontem fui muito claro. […] Eu só acho o seguinte: com Dilma não dá, com a situação que está. Não
    adianta esse projeto de mandar o Lula para cá ser ministro, para tocar um gabinete, isso termina por jogar no chão a
    expectativa da economia. Porque se o Lula entrar, ele vai falar para a CUT, para o MST, é só quem ouve ele mais, quem dá algum crédito, o resto ninguém dá mais credito a ele para porra nenhuma. Concorda comigo? O Lula vai reunir ali com os setores empresariais?

    MACHADO – Agora, ele acordou a militância do PT.

    JUCÁ – Sim.

    MACHADO – Aquele pessoal que resistiu acordou e vai dar merda.

    JUCÁ – Eu acho que…

    MACHADO – Tem que ter um impeachment.

    JUCÁ – Tem que ter impeachment. Não tem saída.

    MACHADO – E quem segurar, segura.

    JUCÁ – Foi boa a conversa mas vamos ter outras pela frente.

    MACHADO – Acontece o seguinte, objetivamente falando, com o negócio que o Supremo fez [autorizou prisões logo após
    decisões de segunda instância], vai todo mundo delatar.

    JUCÁ – Exatamente, e vai sobrar muito. O Marcelo e a Odebrecht vão fazer.

    MACHADO – Odebrecht vai fazer.

    JUCÁ – Seletiva, mas vai fazer.

    MACHADO – Queiroz [Galvão] não sei se vai fazer ou não. A Camargo [Corrêa] vai fazer ou não. Eu estou muito
    preocupado porque eu acho que… O Janot [procurador-geral da República] está a fim de pegar vocês. E acha que eu sou o caminho. […]

    JUCÁ – Você tem que ver com seu advogado como é que a gente pode ajudar. […] Tem que ser política, advogado não
    encontra [inaudível]. Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra… Tem que mudar o governo pra poder
    estancar essa sangria. […]

    MACHADO – Rapaz, a solução mais fácil era botar o Michel [Temer].

    JUCÁ – Só o Renan [Calheiros] que está contra essa porra. ”Porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo
    Cunha”. Gente, esquece o Eduardo Cunha, o Eduardo Cunha está morto, porra.

    MACHADO – É um acordo, botar o Michel, num grande acordo nacional.

    JUCÁ – Com o Supremo, com tudo.

    MACHADO – Com tudo, aí parava tudo.

    JUCÁ – É. Delimitava onde está, pronto. […]

    MACHADO – O Renan [Calheiros] é totalmente ”voador”. Ele ainda não compreendeu que a saída dele é o Michel e o
    Eduardo. Na hora que cassar o Eduardo, que ele tem ódio, o próximo alvo, principal, é ele. Então quanto mais vida,
    sobrevida, tiver o Eduardo, melhor pra ele. Ele não compreendeu isso não.

    JUCÁ – Tem que ser um boi de piranha, pegar um cara, e a gente passar e resolver, chegar do outro lado da margem.

    MACHADO – A situação é grave. Porque, Romero, eles querem pegar todos os políticos. É que aquele documento que foi
    dado…

    JUCÁ – Acabar com a classe política para ressurgir, construir uma nova casta, pura, que não tem a ver com…

    MACHADO – Isso, e pegar todo mundo. E o PSDB, não sei se caiu a ficha já.

    JUCÁ – Caiu. Todos eles. Aloysio [Nunes, senador], [o hoje ministro José] Serra, Aécio [Neves, senador].

    MACHADO – Caiu a ficha. Tasso [Jereissati] também caiu?

    JUCÁ – Também. Todo mundo na bandeja para ser comido. […]

    MACHADO – O primeiro a ser comido vai ser o Aécio.

    JUCÁ – Todos, porra. E vão pegando e vão…

    MACHADO – [Sussurrando] O que que a gente fez junto, Romero, naquela eleição, para eleger os deputados, para ele ser
    presidente da Câmara? [Mudando de assunto] Amigo, eu preciso da sua inteligência.

    JUCÁ – Não, veja, eu estou à disposição, você sabe disso. Veja a hora que você quer falar.

    MACHADO – Porque se a gente não tiver saída… Porque não tem muito tempo.

    JUCÁ – Não, o tempo é emergencial.

    MACHADO – É emergencial, então preciso ter uma conversa emergencial com vocês.

    JUCÁ – Vá atrás. Eu acho que a gente não pode juntar todo mundo para conversar, viu? […] Eu acho que você deve
    procurar o [ex-senador do PMDB José] Sarney, deve falar com o Renan, depois que você falar com os dois, colhe as coisas todas, e aí vamos falar nós dois do que você achou e o que eles ponderaram pra gente conversar.

    MACHADO – Acha que não pode ter reunião a três?

     

    JUCÁ – Não pode. Isso de ficar juntando para combinar coisa que não tem nada a ver. Os caras já enxergam outra coisa
    que não é… Depois a gente conversa os três sem você.

     

    MACHADO – Eu acho o seguinte: se não houver uma solução a curto prazo, o nosso risco é grande. É aquilo que você diz,
    o Aécio não ganha porra nenhuma…

    JUCÁ – Não, esquece. Nenhum político desse tradicional ganha eleição, não.

    MACHADO – O Aécio, rapaz… O Aécio não tem condição, a gente sabe disso. Quem que não sabe? Quem não conhece o
    esquema do Aécio? Eu, que participei de campanha do PSDB…

    JUCÁ – É, a gente viveu tudo. [Em voz baixa] Conversei ontem com alguns ministros do Supremo. Os caras dizem ”ó, só
    tem condições de [inaudível] sem ela [Dilma]. Enquanto ela estiver ali, a imprensa, os caras querem tirar ela, essa porra
    não vai parar nunca”. Entendeu? Então… Estou conversando com os generais, comandantes militares. Está tudo tranquilo, os caras dizem que vão garantir. Estão monitorando o MST, não sei o quê, para não perturbar.

    MACHADO – Eu acho o seguinte, a saída [para Dilma] é ou licença ou renúncia. A licença é mais suave. O Michel forma
    um governo de união nacional, faz um grande acordo, protege o Lula, protege todo mundo. Esse país volta à calma,
    ninguém aguenta mais. Essa cagada desses procuradores de São Paulo ajudou muito. [referência possível ao pedido de prisão de Lula pelo Ministério Público de SP e à condução coercitiva ele para depor no caso da Lava-Jato]

    JUCÁ – Os caras fizeram para poder inviabilizar ele de ir para um ministério. Agora vira obstrução da Justiça, não está
    deixando o cara, entendeu? Foi um ato violento…

    MACHADO -…E burro […] Tem que ter uma paz, um…

    JUCÁ – Eu acho que tem que ter um pacto. […]

    MACHADO – Um caminho é buscar alguém que tem ligação com o Teori [Zavascki, relator da Lava-Jato], mas parece que
    não tem ninguém.

    JUCÁ – Não tem. É um cara fechado, foi ela [Dilma] que botou, um cara… Burocrata da… Ex-ministro do STJ [Superior
    Tribunal de Justiça].

    (Agência O Globo)

    http://www.valor.com.br/politica/4573901/leia-trechos-dos-dialogos-entre-romero-juca-e-sergio-machado#

    As minhas dúvidas, pois não consegui descobrir nas múltiplas reportagens:

    1. Quem gravou o diálogo?

    2, Por que gravou?

    3. Quem vazou?

    4. Por que vazou?

     

     

     

     

  16. Curioso para saber como vai
    Curioso para saber como vai ser a 1a. Reunião da CE do Impeachment – 2a fase – amanhã. O que será que o Cassio “procrastinação” Cunha Lima vai dizer – indignado – de tudo isso?

  17. Quais seriam os ministros do

    Quais seriam os ministros do stf citados?

    Foi dito “os caras”, não inclui as mulheres. Barroso me parece que não se enquadra pq fez críticas à famosa foto na comissão de impeachment da câmara com jucá e eduardo cunha, desgastando ambos. Fachin é neófito demais para participar desse tipo de conversa, ainda que tem gramar para, talvez no futuro, se sentir a vontade ou não de ter esse tipo de “encontro”, se é que seria o seu perfil, acho que não. Lewandovski e marco aurélio construíram uma cisão dentro do stf que culminou na sessão com o afastamento de cunha, quando, segundo alguns, os animos se exaltaram entre dois grupos de ministros. Há ainda a posição de lewandovski sobre a delimitação do objeto do impeachment, quando deixou margem para o exame de mérito, bem como a declaração de marco aurélio há alguns meses sinalizando ser um golpe (junto com sua decisão inicial de incluir michel temer no impeachment).

    Sobram gilmar mendes, toffoli, fux e celso de mello. Todos, ou pelo menos  dois, são suspeitos de terem cometido o crime de obstrução da justiça. Mas possivelmente essa semana ainda vão dar votos indignados com chamadas no jornal nacional.

     

  18. Estranho

    Tudo muito estranho. Acho que estão  rifaram o Jucá para buscar legitimidade numa eventual prisão do Lula. Gilmar +  Janot + PF + MPF + grande mídia = carniça, rancor, violência, preconceito. Com essa tigrada não dá pra cochilar.

  19. Limpando a área para só
    Limpando a área para só ficarem os Paulistas?

    “Olha, demos todas as oportunidades de composição – nossos irmãos do N e NE – para o novo governo, mas…”

  20. Falência Moral e Ética do Brasil

    Dois dias antes da votação do afastamento da dona Dilma pelo Senado coloquei aqui no Nassif que toda a armação era para os batedores de carteira do Congresso escaparem da prisão, cheguei até a instar o Sr. Nassif a se posicionar sobre o que dizia, agora interessante que ninguém aqui apoiou ou se manifestou a respeito, muito estranho mesmo.

    Vaza por todos os poros a falência moral e ética do Brasil e seus representantes.

    Não se analisou a motivação da ação do Presidênte da Câmara dos Deputados Federais, Waldir Maranhão, exigindo que lhe pagassem o pau para ele integrar ao script do processo de impedimento que está sendo urdido por ambas as partes, mas que se mostram velhacamente antagônicas. Farsa rocambolesca e circence.

    Só um ingênuo para pensar que num país onde 90% senão 110% dos envolvidos com o governo brasileiro estão enfiados até o pescoço em falcatruas penais e devem satisfações com a justiça não existe uma luta de vida e morte para escapar da punição e da cadeia, assim, mesmo a mídia e a net não falando, fica claro e evidente que o atual processo foi montado para que não desse em condenação a nenhum dos bandidos que assaltaram o povo e a nação, livrando-os de penas e punições.

    O Maranhão pegou o bonde andando e quis receber sua parte para manter a farsa do impeachment que irá absolver a todos, os articuladores não contavam com sua ousadia, e cá entre nós, se você quer vencer é preciso ser ousado, anulando a votação ele conseguiu o seu intento. Agora que já foi devidamente integrado e recompensado pode continuar na presidência.

    O roteiro do Golpe, que é útil para a pizza na esplanada, mas que sucumbe o Brasil nas trevas e liquida de vêz com o povo, esta sendo executado, como se vê, aos trancos e barrancos. Com surpresas de todos os lados, mas com um só intento, passar a conta de forma final e inexorável para o Brasil e sua população.

    O Nassif, dono do espaço colaborativo aqui, deve estar inteirado de alguns destes detalhes que estão sendo omitidos, mas que transparecem nestes momentos singulares, como a anulação de sessões pelo Maranhão e outros, mas colabora para o andamento da farsa. Os dois lados, tanto o governo da dona Dilma, como a oposição, vejam que existem condenados de todas as cores, remam para o mesmo objetivo. A democracia brasileira foi liquidada e enterrada, o que exigirá uma luta imensa para a sua retomada.

    Por outro lado, como a solução para os problemas reais do Brasil e sua população escapa ao alcance intelectual dos bandidos que estão fugindo da cadeia, ou seja, a formulação de política pública que entregue Rumo, Norte e Estrela para o Brasil, quando conseguirem o seu intento de absolvição, já terão destruído todas as condições anteriores de um desenvolvimento saudável e pacífico.

    O Brasil e seu povo não merecem isto, uma injustiça sem tamanho está sendo perpetrada contra nós, a vingança será maligna.

  21. O nassif,faz uma análise

    O nassif,faz uma análise sobre a tal”proteção do Lula” que Jucá fala.

    Minha tese é que ,monitoraram uma forte reação popular,caso ocorra a prisão de Lula.E eles já estavam contando com o Lula,para a tal pacificação,nacional.

     

  22. Coisas do STF…

    Nassif: o processo nas mãos do ministro Theori está bem guardado. Agora é só esperar que ele ou devolva à PGR para “novas averiguações” ou mande direto ao arquivo. O Jucá já antecipou o papo.

  23. Nas mãos de Teori?

    Então está em boas mãos.

    Tá tudo dominado. 

    A blindagem ao PSDB, principalmente ao boy do Leblon, um arquivo vivo, vai ficar mais pornográfica ainda.

    Temer não só vai ser blindado como também vai sumir das notas taquigráficas que registram as conversas do Homem Bom Jucá com o outro Homem Bom ex-tucano e ex-homem chave de Aécio Sergio Machado.

    Vão futucar todas as transcrições em busca de alguma citação de alguém do PT… de repente até o Delcício serve, pra fazer a matéria especial do Fantástico no domingo.

    A Globo, que desde a manhã de hoje, já começou a jogar tudo pra debaixo do tapete, vai continuar seu trabalho de convencimento do seu público que Dilma é uma bandida inescrupulosa e que Temer é um santo redentor.

    Como dos 11 ministros e ministras, uns 12 estão enfiados na patranha até o esôfago, em 3 ou 4 dias tudo isso será uma só e revoltante lembrança pra quem tem um mínimo de dignidade.

  24. FSP
    Qual o interesse da Folha? Afastar Aécio em definitivo? Limpar a área para o Paulistério PSDbista? Será a Mídia tentando limpar a barra caso Dilma volte? Não acredito nesta possibilidade mas o imponderável tem sido um elemento a considerar por sua presença constante em todo este processo.

    Dilma foi – com certa razão – criticada por não cuidar da segurança em sua comunicação. A diferença – gritante – é que ela tinha nada a esconder. Já esta gravação com revelações gravíssimas pelos players que envolve em um conluio…

    Globonews tentando – todos – justificar o injustificável. De embrulhar o estômago.

    Patético.

  25. Com Teori Zavascka?

    Estamos no dia 23 de maio.

    Quinta-feira é feriado e imprensa a sexta-feira…

    Deppois vem o mês de junho, e vem julho, agosto, setembro, outubro…

    Mais ou menos no final de outubro pra o começo de novembro, talvez Teori diga alguma coisa…

    e logo no mês seguinte vem Natal, depois Ano Novo, mais 60 dias de férias…

    lá pelo mês de março de 2017….

    Aguardemos.

     

    Feliz Natal e própero 2017 para todos.

     

  26. A quem interessa…
    Ao ler a materia na Folha, achei a conversa mais interessante que a matéria. Mas fiquei me perguntando, por que uma gravação de março (antes da votação do impeachment na Câmara) “vazou” nesse momento?

    “Dormia, a nossa pátria mãe tão distraída
    Sem perceber que era subtraída
    Em tenebrosas transações…”

    A quem Luiz? Rs

  27. Coisas do STF… – 2ª edição

    Nassif: o processo nas mãos do ministro Theori está bem guardado. Agora é só esperar que ele ou devolva à PGR para “novas averiguações” ou mande direto ao arquivo. O Jucá já antecipou o papo.

    PS.: em editorial, o Globo pediu o afastamento do ministro porque sua fala atrapalhou os planos traçados.

  28. Esse grampo tá parecendo

    Esse grampo tá parecendo pegadinha. Sei não… amante na banheira pra mulher pegar… Tá esquisito isso. Tão evidente que a gente fica até constrangido. Caramba deixaram as digitais, sangue sêmem, carteira de identidade…

    O Machado puxando e o Jucá, cascudo pra caramba, desfiando o novelo todinho?!Ah não rola…. Acho que nos dias de hoje nem criança de 5 anos daria um mole desses.  cara saiu confessando um golpe de Estado com envolvimento de todas as Instituições, pelo telefone, com um ex presidente de uma coligada ( ou sei lá o que ) da empresa investigada num operação que mantém o país parado há dois anos… Ah num dá… E, vai dando brinde… presidente do Senado, ex-presidente da Câmara, Presidente interino, ministros do STF, exército….

    O que o grampo revela é o que o país inteiro já estava careca de saber o “impeachment “de Dilma era pra liberar a bandidagem de uma Justiça que, na verdade, JAMAIS pretendeu interferir nas patifarias da gang que assaltou a República.

    Se é verdade que PGR E Teori estão malocando essa gravação, desde antes do golpe – impeachment é pras belas, recatada e do lar, tipo, Ministra Rosa-  não vai ter mais como livrar a cara do STF e do MPF dessa imundície. Esperaram o golpe para soltar a confissão … Com Cunha já tinha acontecido algo parecido, depois do trabalho sujo concluído, afastaram o bandido mas com o cuidado de livrá-lo de qq risco de prisão

    Hoje Cunha tira a maior onda com a cara do STF e , eu acho é pouco. Os ministros, me afastaram do Mandato e não da Câmara… Tá certo, ele… Os ministros dó o proibiram de exercer o mandato, de roubar, matar, estuprar, etc, Ou seja Cunha usa a decisão super “sábia” dos ministros pra fazer o que quiser e, bem entender, bastando que não exerça o mandato. Esse governo que o STF elegeu é a cara da Corte Suprema e do MPF; ainda bem que a sociedade, não parece disposta a topar o acordo que nossas instituições fizeram como crime organizado. 

    É evidente que essa conversa de ministros do STF, inclusive, entrou para dar um alerta aos ministros envolvidos na patifaria. E, quem divulgou isso, agora, tinha a intenção de fazer com que os movimentos sociais aumentassem a pressão sobre a Corte. Já aconteceria, de qq maneira mas esse grampo coloca a Corte na frente da Globo e do Cunha, que estão com uns dias de folga com a artilharia das ruas voltadas pra Temer. Ministros do STF é a sua velha, senador! Até o mais imbecil dos brasileiros sabe que o cara dos trambiques na Corte é GM o pateta do Toffoli vai atrás pq ainda não teve coragem de meter a mão na cara desse chantagista. Fux tem muito mais admiração por GM que Toffoli. Ministro Teori, só entrou nesse grampo pq o Jucá quis aliviar , por puxa saquismo, o relator da Lavajato.  Não tenho qq dúvida acerca da participação pesada do STF e MPF no golpe mas daí a acreditar que Teori, Barroso, MAM e Lewand. fazem parte da quadrilha de GM, Janot, Cunha, Moro& “Farsa” tarefa e Marinhos, é demais pra mim. Toffoli, Fux e mais um só pra manter um placarzinho convincente é minha última oferta. Nenhum centavo a mais.

    Foi um golpe, evidente. Ninguém consegue encontrar um crime de responsabilidade. Um interino usurpador, ou pior, laranja do usurpador, sucateando uma nação.  criando o caos, enquanto o golpista mor e sua esposa vigarista jantam tranquilos, em restaurantes caros, o $$$ dos brasileiros, sob o manto protetor do judiciário nativo que, afinal de contas já o afastou do mandato. Querem mais o quê? Que devolva o dinheiro aos brasileiros? E, com que vai pagar todo o bando que abre seus caminhos?

    O STF não vai ter como não apreciar o mérito do Impeachment. A gente sabe que golpe  não tem mérito a ser apreciado MAS, se for Impeachment, o plenário do STF vai ter que dizer qual foi o crime; já que até, agora, não apareceu. Se a Corte não ” descolar” um crime  pra Dilma, para poder entregar o país a Cunha, então é Golpe mesmo e quem ainda tiver dificuldades pra entender a diferença entre Golpe e impeachment, nem precisa perguntar e dar prazo de 10 dias; pode ir direto passear com a Maria Antonieta Temer para fazer uma compras pq Dilma tem mais o que fazer

  29. Grampo de Jucá
    Deixar um áudio dessa importância “guardado” não é crime?
    Porque não mostram o restante dos áudios? Esse era o pior ou o “menos pior” deles?
    O Jucá poderia esclarecer quem do STF e quais generais e comandantes, fazem parte do golpe (apesar que agora já tá configurada é uma conspiração). E isso, também não é crime?

  30. Teori o precavido

    Teori vai esperar o transcurso de todo o processo no Senado e o afastamento definitivo de Dilma, o julgamento do mérito dos mandados de segurança no pleno, e só depois, com “ato jurídico perfeito” vai começar a fazer diligências nesse processo.

    E mais, vai ignorar as afirmações de envolvimento de seus colegas do STF e vai tratar o caso como sendo tentativa de obstrução da justiça por parte de Jucá. Como ele não chamará os seus colegas para prestar informações no depoimento. Será obrigado a inocentar Jucá.

    Teori foi à Brasília em busca das benesses da carreira. Não pretende fazer justiça.

     

     

  31. Vazar o áudio com Jucá foi intimidação aos Senadores

    Já vimos esse filme… Às vésperas da fase final do “impeachment” o intuito de vazarem agora foi recado direto aos Senadores. Mais ainda aos que estariiam querendo mudar o voto….

    O PIG não dá ponto sem nó! Tendo em mãos desde março, soube esperar a hora certa para vazar o áudio.

    No mais, não terão outros desdobramentos que seriam favoráveis para acabar com o golpe de estado. Como vimos no áudio está tudo dominado. Para parar com a Lava Jato. Para continuarem mamando nos cofres públicos.

    É triste e vergonhoso o cenário atual do Brasil!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome