Impeachment deve ter laços jurídicos mais firmes, diz Lewandowski

Em artigo, ministro do Supremo Tribunal Federal usa metáfora para falar das fragilidades jurídicas existentes atualmente

Agência Brasil

Jornal GGN – As regras que fundamentam o impeachment no Brasil têm como base uma lei antiga, de 1950, e apresentam sucessivas fragilidades que apontam a necessidade de que laços jurídicos sejam atados de forma mais consistente para impedir que fique pendurada em preceitos legais.

Em artigo publicado no jornal Folha de São Paulo, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF) usa a alegoria da espada de Dâmocles para falar dos riscos representados pelo impeachment, pelo menos conforme o estabelecido atualmente – onde uma maioria parlamentar destitui o presidente.

Clique aqui e veja como apoiar o jornalismo independente do GGN

Diante disso, Lewandowski aponta duas das principais fragilidades da lei: a possibilidade de qualquer cidadão protocolar uma denúncia na Câmara dos Deputados, e não garantir o direito ao contraditório e à ampla defesa.

Além disso, o texto não deixa claro se a tramitação do processo é automática ou depende de algum ato formal, abrindo espaço para a interpretação na qual o presidente da Câmara é responsável por decidir sozinho se autoriza ou não a instauração do processo. “Por isso urge atar a metafórica espada do impeachment com laços jurídicos mais consistentes, de modo a impedir que continue dependurada em preceitos legais da espessura do pelo de um equídeo”, diz Lewandowski.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome