Home Editoria Justiça Justiça: argumentos de Marinho não derrubam provas do propinoduto

Justiça: argumentos de Marinho não derrubam provas do propinoduto

11

Jornal GGN – Em menos de um mês depois que voltou a ocupar o cargo de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado (TCE), o ex-secretário da Casa Civil do governo Mário Covas (PSDB), Robson Marinho foi afastado liminarmente pela Justiça de São Paulo, suspeito de ter recebido propina da multinacional francesa Alstom.

O caso do propinoduto tucano, denunciado pelo Ministério Público do Estado, infere que Marinho teria recebido US$ 2,7 milhões, com enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro no exterior e participação de um “esquema de ladroagem de dinheiro público”. Entre as ações ilícitas, o conselheiro do TCE teria assinado um parecer favorável de um contrato da Alstom com a Eletropaulo, antiga estatal.

A justiça suíça colaborou com as investigações trazendo mais provas às denúncias. O país tem uma conta em nome do conselheiro, e levou ao MP o depoimento de um executivo ligado à cúpula da Alstom na França, Michel Cabane. “Compreendi que se tratava de uma pessoa, de certo senhor Robson Marinho. Ele era membro do Tribunal de Contas do Estado federal de São Paulo. Essa é a instância que fiscaliza as companhias estaduais. Agora não sei se apenas essa pessoa recebeu dinheiro ou se o senhor Marinho o distribuiu ou não”, disse Cabane à justiça suíça e repassada ao Brasil.

O tucano se afastou do Tribunal de Contas do Estado, no início de junho, para se defender das acusações. Ele afirma que não tem conta no exterior e que nunca recebeu propina.  

“Eu, Robson, não tenho conta nenhuma. Agora eu posso dizer para você que a conta que é atribuída a mim não tem um tostão, um dólar, de origem da Alstom. Isso posso afirmar e vou provar em juízo”, disse o conselheiro, em julho. Quando bloqueou a conta de Marinho, a Suíça constatou o saldo de US$ 3 milhões, em julho de 2013.

Os suíços enviaram as provas, incluindo um cartão com a assinatura de Marinho e de sua esposa na abertura da conta, em 10 de março de 1998.

Outras comprovações apresentadas pelo Ministério Público foram obtidas pela Justiça francesa. Uma delas é uma comunicação interna da Alstom, em outubro de 1997, sobre a negociação de um contrato com a Eletropaulo e a EPTE (Empresa Paulista de Transmissão de Energia).

A justiça constatou que a “remuneração para o poder público existente, (…) negociada via um ex-secretário do governador (R.M.)” serviria para cobrir as finanças do “partido”, “o Tribunal de Contas” e a “Secretaria de Energia”.

Tal contrato negociado em outubro de 1997 foi fechado em abril do ano seguinte, sem licitação, por R$ 281 milhões, em valores atualizados, segundo a Folha de S. Paulo. O jornal também revelou, no último mês, que Marinho usou empresas em dois paraísos fiscais para tentar ocultar que era dono da conta na Suíça.

Com as provas, a juíza Gabriela Pavlópoulos Spaolonzi, da 13ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, considerou que os argumentos da defesa não derrubam os documentos e depoimentos da Suíça e da França.

Gabriela Spaolonzi afirmou, ainda, que afastar Robson Marinho “não se trata de mero instrumento técnico, mas acima de tudo ético para proporcionar segurança jurídica à sociedade”. Isso porque o cargo ocupado no TCE “lhe dá plenos poderes, inclusive, para embaraçar a colheita de eventuais provas necessárias ao bom andamento da instrução processual pela influência inerente ao cargo”.

As investigações do propinoduto sustentam que a Alstom pagou R$ 23,3 milhões para garantir um aditivo de contrato no setor de energia. As transações ocorreram entre 1998 e 2002, durante os governos de Mário Covas e Geraldo Alckmin. Depois da Casa Civil, em 1997, Marinho foi indicado por Covas para o TCE.

Robson Marinho ainda pode recorrer.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

11 COMMENTS

  1. E agradeça por não ser do PT

    Estes senhores devem estar super contentes de que algum dia não aderiram ao PT. Se o tivessem feito estariam chorando lágrimas de sangue agora. Sendo do psdb, vai ser “afastado” e …esqueçe. Salário continua, é claro. O pig garante total sigilo futuro.

    • O “”pig”” ESCRACHOU esse

      O “”pig”” ESCRACHOU esse senhor ininterruptamente desde que o Caso Alsthom apareceu, a imprensa paulista deu AMPLA, COMPLETA E IRRESTRITA cobertur ao Caso Robson Marinho, ele não se salvou na imprensa.

          • Fatos da semana? O mensalão

            Fatos da semana? O mensalão aconteceu em 2002/3 e eu já vi umas quinhentas capas da Oia com o Zé Dirceu. E, só mais uma coisa, não foi há 20 anos, foi durante 20 anos.

      • E piada de papagaio,

        E piada de papagaio, Motta?Você conhece alguma?

        Realmente, a imprensa tratou do ladrão Marinho da mesma forma que trataria alguém do PT.

        Parabéns por mais um inacreditável comentário!

      • Quantos minutos ele teve no

        Quantos minutos ele teve no JN, com direito aquela cara de desanimo e reprovação dos ilustres ancoras? Foi nominado como serndo quadro do PSDB? Ou apenas como conselheiro que agiu em favor do “cartel dos trens”  como a midia costuma denominar?

  2. E a teoria do domínio do fato?

    Há quanto tempo mesmo o Sr. Robson é investigado? E quem o mantém em tão prestigioso cargo, não tem o “domínio do fato”?

    Como diria um mineirinho de fala rápida:

    – É al’q’minimamente deveria ser questionado.

  3. Foi arrancado a fórceps. Caso

    Foi arrancado a fórceps. Caso fôsse do PT ,  estaria em cana esperando o resto da “quadrilha lhe fazer companhia …

  4. O escandalo que ainda não foi denunciado .

    O grande escandalo do PSDB em SP ainda nem foi noticiado ,mas quem for curioso e dividir o que gastaram no rodoanel pela  km construida e depois pela metragem  vai ter uma enorme curiosidade como colocar tanto dinheiro em tã pouco espaço fisico.

     

  5. A única coisa relevante nesta

    A única coisa relevante nesta história foi a infame demora do MP de São Paulo e do TJSP para tomarem providências. Conivência pouca em São Paulo é bobagem. O Conselheiro do Crime Tucano no TCE caiu tarde porque dividiu a propina direitinho ou só caiu agora porque parou de dividi-la?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Sair da versão mobile