Justiça de Goiás recebe denúncias da Operação Monte Carlo

Jornal GGN – A Operação Monte Carlo volta ao cenário mais uma vez. O empresário Carlos Augusto de Almeida, conhecido como Carlinhos Cachoeira; o ex-senador Demóstenes Torres e o ex-diretor da construtora Delta, Claudio Dias de Abreu, foram acusados em denúncia do Ministério Público. O Tribunal de Justiça de Goiás recebeu hoje (22) o material e apura os crimes de corrupção deflagrados na Operação em 2012.

Na época, o Ministério Público apurou que Demóstenes Torres recebeu vantagens indevidas, como garrafas de bebidas importadas, eletrodomésticos de luxo e mais de R$ 5 milhões para favorecer Cachoeira e Dias de Abreu, quando ocupava o cargo de senador, entre 2009 e 2012.

O MP também apresentou que os ex-senador participou ativamente da negociação de interessas da Delta na prefeitura de Anápolis (GO), em julho de 2011. A investigação da Polícia Federal partiu de um esquema de corrupção e exploração ilegal de jogos em Goiás e no Distrito Federal.

Em 2012, Demóstenes renunciou ao mandato e, por isso, o material enviado ao Supremo Tribunal Federal foi reencaminhado à justiça de Goiás, já que houve perda da prerrogativa de foro.

Com informações da Agência Brasil.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Maria Rita

- 2014-01-24 07:43:45

Vai ser igual à canonização

Vai ser igual à canonização do primeiro réu do mensalão tucano em MG. Fez 70 anos e agora aos 72, foi liberado. São Mares Guia, das profundezas do inferno para o céu das Minas Gerais.

Gilson Raslan

- 2014-01-23 15:43:35

NÃO ACREDITO

Se o processo estivesse na Justiça Federal até poderia acreditar num julgamento justo, mas na Justiça Estadual de Goiás, onde está TUDO DOMINADO pelo PERILLO e sua gang, nem pensar.

Osvaldo Ferreira

- 2014-01-23 14:34:04

Já? Nossa que eficiência não?

Já? Nossa que eficiência não? kkkkkk

edmorc

- 2014-01-23 12:14:20

Tudo continua igual..........

Enquanto isso em Goiânia os caça-níqueis continuam funcionando a todo vapor, sempre nos fundos dos bares. Da periferia? Não, nos mais variados locais.

Andre SP

- 2014-01-23 12:03:40

É com muita tristeza que informo:

Não vai dar em nadaaaaa!!!!! O processo será arquivado... Insuficiência de prova!

Como seria bom se a Justiça realmente funcionasse!

Mas é o ditado ela é só para Inglês ver!

vera lucia venturini

- 2014-01-23 12:01:36

E isto tudo se configura

E isto tudo se configura crime? Imagina..

Pelo menos algum membro do Judiciário assim o entenderá mais mais tarde. É tudo questão do tamanho das malas que como se sabe se divide em p m e g. Também influe muito a questão de siglas nas condenações. Começou com P e acabou com T esteje preso.

Mar da Silva

- 2014-01-23 11:46:56

Por associação criminosa, a

Por associação criminosa, a Veja também é ré nesse processo ao vender gato por lebre. rs rs rs.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador