Lewandowski critica adoção do semipresidencialismo

Em artigo, ministro do STF diz que, caso medida prospere, passado que muitos queriam esquecer pode ser reeditado

Ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Reprodução

Jornal GGN – A proposta de reedição do semipresidencialismo pode levar o Brasil a repetir um passado que muitos queriam esquecer, como explica o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal.

Em artigo publicado no jornal Folha de São Paulo, Lewandowski traça uma linha do tempo desde o Segundo Reinado, quando o parlamentarismo brasileiro entrou em vigor (teoricamente inspirado no parlamentarismo britânico), passando pela adoção do presidencialismo até 1961, quando João Goulart tomou posse de uma presidência desprovida de boa parte de seus poderes e sua posterior deposição, quando os militares assumiram o poder.

Agora, o ministro aponta os novos debates em torno do semipresidencialismo (tema inclusive defendido por alguns de seus colegas do STF), em que o poder é dividido entre um primeiro-ministro e um presidente de funções protocolares. Segundo Lewandowski, é importante que se tenha cautela para que a história não se repita como no passado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Não é por acaso que PC do B,PDT, PSOL, estão apoiando a entrada do PSDB nas manifestações fora Bolsonaro, é para alguém do PSDB dentro da manifestação levantar uma placa dizendo “Aprovar PEC 171” isso será usado pela Globo e asseclas e a manipulação da manifestação estará feita, a esquerda sempre ajudando a direita que retira direitos da população.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome