Lula elenca prejuízo da Lava Jato ao Brasil, poder de Deus a Moro e que #LulaLivre é para libertar o país

"O que não pode, nem na primeira, nem a segunda, nem na terceira, nem na quarta e na quinta e nem na Bíblia, é um inocente estar preso", disse o ex-presidente em entrevista

Jornal GGN – “Cometeram a bobagem de me prender, cometeram a bobagem de me acusar, agora vão ter que suportar esse peso aqui dentro”, disse o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em mais um de seus desabafos em entrevistas à imprensa. Nas declarações ao Uol, Lula disse que a Lava Jato deu “poder de Deus” a Moro, “destruiu a indústria da construção civil no Brasil” e deu “prejuízo de R$ 142 bilhões na economia brasileira”.

Ao ser questionado pelos repórteres do Uol o que “incomoda tanto em relação ao semiaberto”, o líder petista mais uma vez teve que explicar que as suas razões são comprovar a inocência e não aceitar a condenação imposta a ele.

“Antigamente, era mais fácil. Mandava esquartejar, salgar, pendurar no poste. Cometeram a bobagem de me prender, cometeram a bobagem de me acusar, agora vão ter que suportar esse peso aqui dentro. Eles são livres para fazer o que eles quiserem, eles têm poder. Moro provou que o juiz tem o poder de Deus”, afirmou.

Continuando: “O que ele não esperava era que estivesse neste país um cidadão com caráter de resistir à Globo, de resistir a mais de 80 capas de revista contra mim, de resistir a milhares de primeiras páginas de jornal contra mim. Porque o Aécio Neves não aguentou uma capa da Veja.”

Explicou que não teve outra opção a não ser entregar-se à Polícia Federal, no ano passado, porque é inocente e seria tratado como fugitivo da “quadrilha que (o) condenou”. E elencou as consequências da Operação ao país:

“A Lava Jato se transformou numa quadrilha. É só ver o conluio deles agora com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, tentando buscar empresários brasileiros para que a Justiça americana possa denunciar. Como já levaram R$ 14 bilhões da Petrobras, como já destruíram a indústria da construção civil no Brasil, a indústria de engenharia, como já prejudicaram um 1,1 milhão trabalhadores, como já deram prejuízo de R$ 142 bilhões na economia brasileira”.

Também desmentiu que sua permanência na prisão na sede da Polícia Federal de Curitiba, quando poderia cumprir o semiaberto em sua casa, seja um ato político: “seria o fim da picada alguém imaginar que eu estou preso por mobilizar”. E disse que os atos são muito maiores do que um simples #LulaLivre. “A mobilização não é para libertar o Lula, não. As pessoas têm que fazer mobilização para libertar o Brasil da asfixia com o governo Bolsonaro, com a venda da soberania brasileira que o ministro da Economia está fazendo.”

E voltou a lembrar que “não aceitará” uma condenação provisória para cumprir o semiaberto. “O que não pode, nem na primeira, nem a segunda, nem na terceira, nem na quarta e na quinta e nem na Bíblia, é um inocente estar preso”, disse, em tom indignado.

“A única coisa que me resta é utilizar uma profecia da minha mãe: ‘Lula, não baixe a cabeça nunca’. Essa mulher nasceu e morreu analfabeta, ela me deu muita dignidade, e eu não abro mão disso”, disse, em outro trecho da conversa.

Leia mais: Ser preso no fim do julgamento não é favor a ninguém, diz Lula

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora