Memórias do Cárcere de Curitiba, por Luis Nassif

Ilustrações do livro Memórias do Cárcere

De um ex-hóspede do presídio de Curitiba:

O ex-deputado Eduardo Cunha chegou ao presídio com a certeza absoluta de que seria solto. Depois, fez de tudo para que aceitassem sua delação. Primeiro, mandou os advogados negociarem. Depois, tentou ele próprio. Em vão

Cunha passa os dias ou lendo a Bíblia ou estudando seu processo. Conhece tudo, especialmente o processo civil.

Quando o ex-Ministro Antonio Palocci foi transferido para as celas na Polícia Federal, alguns dos presos garantiram que ele estava negociando a delação. Cunha era o único que garantia que Palocci não deletaria, porque, nas conversas com Cunha, ele tratava delatores como escória da humanidade.

Cunha é um prisioneiro exemplar. Se dá com todo mundo, limpa banheiro, limpa sua cela, distribui comida aos colegas.

Ao contrário do que escrevi em um dos Xadrezes, o ex-hóspede duvida que Cunha mantenha influência no governo Temer. O mais provável é que Temer tenha se aproveitado da sua prisão para se apossar do controle da organização política.

Outro que se dava bem com todos era Marcelo Odebrecht. Muito formal, tinha uma compulsão por ginástica. Passava, em média, cerca de 8 horas por dia em sua cela.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora