MP-SP investiga delação contra Alckmin que foi parar na Justiça Eleitoral

Foto: Agência Brasil
 
Jornal GGN – O Ministério Público de São Paulo decidiu abrir um inquérito civil para investigar o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) por supostamente ter recebido cerca de R$ 10 milhões da Odebrecht nas campanhas de 2010 e 2014, com ajuda do cunhado.
 
A denúncia já havia sido averiguada pela Procuradoria Geral da República, que em vez de encaminhar o caso para a primeira instância quando Alckmin perdeu o foro privilegiado, remeteu os autos para a Justiça Eleitoral. Dessa forma, o tucano será investigado não por corrupção passiva, mas por crime eleitoral (caixa 2).
 
Para instaurar o procedimento, o MP paulista alegou que é possível que tenha existido “vantagem patrimonial indevida por políticos com poderes de atuação no estado”, o que é “atribuição da Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social da Capital.”
 
Segundo O Globo, o procedimento do MP em São Paulo “foi criado com base na delação da empreiteira Odebrecht”. Pela denúncia, “Alckmin teria recebido R$ 2 milhões em 2010 e R$ 8,3 milhões em 2014 para suas campanhas pelo goveno do estado de São Paulo.”
 
O MP paulista ainda indicou que os valores “teriam sido entregues a Marcos Antônio Monteiro que, segundo o MP, era diretor-presidente da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo e coordenador financeiro da campanha do ex-governador à época.”
 
Alckmin já negou as acusações em várias oportunidades, como também indicou que era caso para a Justiça Eleitoral, e não para a Lava Jato.
 
O GGN já mostrou que, na Justiça Eleitoral, o destino da acusação deve ser mais suave do que se fosse um processo por corrupção passiva. Os processados por corrupção passiva – recebimento de vantagem indevida, na forma de caixa 2 – podem ser condenados a até 12 anos de prisão. No caso de crime eleitoral, a pena chega a 5 anos em casos mais graves, mas a jurisprudência não está consolidade e, de acordos com dados do Tribunal Superior Eleitoral, ninguém foi preso por conta de caixa 2. Leia mais aqui.
 
Em 10 de abril, Alckmin disse em entrevista à TV Bandeirantes: “Sou contra qualquer tipo de privilégio, sou contra o foro privilegiado. Todo mundo tem de prestar contas e acredito que a lei deve valer igualmente”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

6 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

AMORAIZA

- 2018-04-20 23:42:10

As palavras de geraldo
 

" A lei é para todos "

Então, geraldinho, vá lá e aperte a mão dela.

 

peregrino

- 2018-04-20 20:53:41

ninguém rouba tanto assim...

só para si

peregrino

- 2018-04-20 20:51:02

mas a maior pena é serem o que são...

por terem de transmitir para seus descendentes diretos e indiretos

peregrino

- 2018-04-20 20:47:30

segredo do sucesso dos tucanos é o seguinte...

roubam mais dos pobres e necessitados..........................

merendas, remédios, sus, transporte público, enfim, coisas que os que investigam, acusam e julgam

nunca precisaram ter gratuitamente

 

 

 

Marcos Videira

- 2018-04-20 20:42:09

Tá tudo em casa

Duvido que um tucano seja incomodado pelo MP ou Judiciário paulista.

O Executivo e o Judiciário têm um entendimento peculiar para "harmonia entre os poderes".

Luis Armidoro

- 2018-04-20 19:07:40

Geraldo Merendão Como podem

Geraldo Merendão

Como podem ter a audácia de duvidarem da palavra deste representante dos homens bons?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador