MPF vai à Suiça acelerar envio de montante bloqueado na Operação Lava Jato

 
Jornal GGN – Um grupo de procuradores da República viajou à Suíça para acelerar a volta do dinheiro das contas bloqueadas de Paulo Roberto Costa. Em depoimento ao Ministério Público Federal, durante a investigação da Operação Lava Jato, o ex-diretor de abastecimento da Petrobras confirmou a transferência do montante aos bancos suíços, que totaliza US$ 26 milhões. 
 
Com a investigação da origem ilícita, o Ministério Público da Suíça bloqueou os valores e, agora, o MPF brasileiro está negociando acelerar a repatriação. Essa pode ser a maior quantia já repatriada pelo Brasil, considerando que, até hoje, foi recuperado cerca de R$ 45 milhões em recursos desviados ao exterior, segundo informações do Departamento de Recuperação de Ativos do Ministério da Justiça (DRCI).
 
O grupo de procuradores também tem outros objetivos no país europeu. Em parceria com o MP local, buscarão identificar outras contas com recursos desviados, bloquear esses valores e rastrear o dinheiro que tenha passado por essas contas. As informções compartilhadas entre os Ministérios Públicos estão sob sigilo, pelo termo de compromisso de confidencialidade.
 
Integram o grupo o chefe de gabinete do procurador-geral da República, Eduardo Pelella, o procurador da República no Paraná, Deltan Dallagnol, o procurador regional da República, Orlando Martello Junior, e integrantes da força-tarefa dessa Operação.
 
Esses dados serão repassados às investigações dos processos ligados ao caso Lava Jato que tramitam na Justiça Federal no Paraná e no Supremo Tribunal Federal.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

10 comentários

    • eu ia perguntar o mesmo………….

      Lionel, eu ia perguntar o mesmo:

      poderiam aproveitar a viagem e desvendar o caso do dinheiro surrupiado do metro-tucano-sp…………

      mas, aí são outros quinhentos………….teriam coragem de investigar algo sobre o tucanistão???????

  1. A r eportagem omite,

    A r eportagem omite, certamente de modo proposital, que a Suiça não confia na devolução do dinheiro a Petrobraa, por acreditar que os recursos podem ser novamente corrompindos diante do desgoverno na Estatal.

    O Governo Suiço quer garantias de que os valores não serão alvo de corrupção novamente.

    Ta bom ou quer mais ?

    O que aconteceu com a imagem do Brasil ?

    Republica das bananas ?

    Brasil tem que dar garantias de que não haverá corrupção com o dinheiro que já foi alvo de corrupção ?

    Saravá 

  2. Não foi um belo passeio

    Não foi um belo passeio isto?

    Parece-me que o MP quis mesmo é passear na Suíça, não era mais eficiente e mais barato mandar uma carta rogatória ao MP Suíço?

  3. acordo dispensa a presença…

    mas, veja bem, autoridades suiças respeitam o sigilo

    sem brasileiros presentes imprensa fica sem ter o que noticiar contra o governo brasileiro

  4. Cambada de safados, o Metro,

    Cambada de safados, o Metro, Alston, Siemens escancarados e capricham em nada ver . . . . Caramba, num País que tem um Gilmar Mendes na Suprema Corte, aparecendo em Lista de Furnas, TJ da Bahia, HCs Cangurus e HC GlobalSoneg item furto de processo dentro da Receita,  querer  falar de corrupção . . . . . 

  5. “As informções compartilhadas

    “As informções compartilhadas entre os Ministérios Públicos estão sob sigilo, pelo termo de compromisso de confidencialidade”

    Certo, só que os suiços devem estar sabendo que ao “compartilhar” com MPs brasileiras, o “sigilo” é tipo o queijo deles. A MP do país europeu entra com o queijo e a do Brasil com os buracos.

    O Nassif por exemplo já sabe que o procuradores vão “procurar” as propinas do Duque, que seria o elo para se chegar na presidenta. Então, espera-se para logo, as “confidencialidades” do Duque impressas nas páginas do pig

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome