“Não sois deus, sois humano, a morte o espera”


Por CarlosI

Eles deveriam ser o “crême de la crême” do Judiciário brasileiro. Mas não são. Pela importância da Corte, teriam que ser escolhidos entre aqueles que se destacassem entre os seus pares, em relação aos conhecimentos jurídicos.  Mas não é a isso a que, neste momento, se assiste. São indicados, quando se abre uma vaga no Tribunal,  pelos Presidentes da República que estejam exercendo o cargo, no momento em que ocorre a vacância..

Um indica o primo, outros, alguns assessores fieis e prestativos que muito tenham colaborado com o seu governo. Outros ainda, como  Lula e Dilma, mal aconselhados, completaram o serviço, e resultando numa composição do tribunal, que beira à mediocridade.

Conta a História que. ladeando os generais romanos, quando, regressavam à Urbe, bem sucedidos das suas guerras de conquistas,  vinha um assessor gritando ao seu lado:  “não sois deus, sois humano, a morte o espera”.

Seria de bom alvitre que esta mesma prática fosse adotada pelo nosso STF, para que os ministros jamais se esquecessem da  triste condição  de simples mortais, que são.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador