O milagre da liberdade, por Leonardo Isaac Yarochewsky


Foto Públicas: Ramazan SUNA

Por Leonardo Isaac Yarochewsky

Do Empório do Direito

Eu devia ter dois ou três anos, no máximo, de formado – hoje tenho 30 – quando fui procurado para defender um jovem, negro e pobre – como a grande maioria da população carcerária – que se encontrava preso sob a acusação de tráfico de drogas, ainda sob a vigência da já revogada Lei 6368/76.

Quando fui visita-lo na prisão, a Delegada me disse: “Doutor, o melhor que o senhor tem a fazer é conseguir a transferência do seu cliente”.

Após conversar com o cliente – um jovem assustado – e ele me narrar as terríveis condições da cadeia entendi perfeitamente o que a Delegada queria dizer.

Certo é que acabei conseguindo a transferência do jovem para uma prisão, menos ruim e não tão lotada, o que já era razoável.

Contudo, o melhor estava por vir. O Juiz acabou desclassificando o crime de tráfico para porte de drogas. Logo então, o MM. Juiz mandou expedir o tão desejado alvará de soltura.

Avisei a mãe do jovem – mãe jamais abandona o filho, mesmo a dos presos – e marquei com ela para nos encontrarmos em frente à prisão.

Tomada às devidas providências ficamos aguardando a saída do rapaz. Ao sair, o jovem foi correndo como um menino para os braços da sofrida, mas feliz mãe.

Logo nos abraçamos e nos despedimos. Dali segui para uma confeitaria , sentei e pedi, com a consciência do dever cumprido, um quindim. Adoro quindim.

Minha mãe que acabou de completar 80 anos faz o melhor quindim do mundo. Mas o quindim que eu degustava e saboreava naquela tarde, depois de cumprir o alvará de soltura, tinha um gosto especial, tinha gosto de liberdade.

Operou-se naquele dia um milagre, o milagre da liberdade.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora