Procurador preso pode implicar Janot e favorecer defesa de Temer, por Andrei Meireles

Em Observação
não aposte suas fichas no texto abaixo
 
Foto: Fotos Públicas
 
 
Jornal GGN – O jornalista Andrei Meireles publicou no portal Os Divergentes um artigo que sinaliza que a delação da JBS pode estar em risco. Isso porque há questionamentos sobre a participação do ex-procurador Marcelo Miller no termo de cooperação da cúpula do frigorífico, principalmente no que tange as denúncias contra Michel Temer. 
 
Miller era braço direito de Rodrigo Janot e investigou o BNDES com informações sigilosas. Até que decidiu abandonar a carreira no Ministério Público Federal e entrar para um escritório de advocacia que, hoje, defende a JBS na Lava Jato. Por conta da delação da empresa, o procurador Angelo Villela foi preso acusado de repassar informações para Joesley Batista. 
 
Segundo Meireles, Villela vem dizendo que ele não era o único procurador comprado pela JBS, insinuando que Marcelo Miller pode ser atingido no futuro e, consequentemente, a credibilidade da equipe de Janot e a própria delação de Batista. Isso favorece a defesa de Michel Temer, que quer anular a delação.
 
Por Andrei Meireles
 
 
Em Os Divergentes
 
É grande a preocupação entre importantes procuradores da República com o que pode aparecer em relação a Marcello Miller. Sua reputação e competência profissional sempre foram consideradas impecáveis.
 
Miller teve atuação destacada, por exemplo, na Operação Lava Jato. Em março, ele surpreendeu os colegas ao sair do Ministério Público para ir trabalhar em um escritório de advocacia.
 
Mais do que o fato do tal escritório participar dos termos do acordo de leniência com o grupo JBS, o que causa apreensão foi o papel que Miller até então exercia nas investigações sobre o BNDES, inclusive de empresas dos donos da Friboi.
 
Pela ótica dos investigadores de Brasília, a apuração pelos colegas no Rio de Janeiro seguia lenta. Em algum momento, Marcelo Miller virou a esperança de acelerá-la.
 
Foram encaminhadas para ele várias investigações sobre negócios suspeitos do BNDES, algumas até hoje em sigilo.
 
O receio é de que um curto-circuito em algum fio desencapado possa atingi-lo. Um deles é o procurador da República Ângelo Goulart Villela. Hoje, ele é inquilino de uma cela na Penitenciária da Papuda, preso sob a acusação de receber mesada para repassar informações sigilosas para a JBS.
 
Ângelo tem mandado recados. Ele não seria o único do time da JBS. Teria colegas a entregar em uma delação premiada.
 
Pode ser blefe.
 
Mesmo assim seria mais uma carta nas mãos de quem quer colocar Rodrigo Janot na berlinda para tentar anular a investigação contra Michel Temer.
 
A conferir.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora