Relator da CPI reclama de Moro, Cardozo e da PF

Enviado por Webster Franklin

Do Tijolaço

Moro, Cardozo e PF agora boicotam CPI da Petrobras

Por 

Estranha inversão de papéis: criada para ser um centro de desgaste do Governo, a CPI da Petrobras na Câmara passou a ser boicotada pelos “adversários” informais de Dilma Roussef: o juiz Sérgio Moro, o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e a Polícia Federal.

Hoje, segundo nota publicada no site do PT, o relator da Comissão, o deputado petista Luiz Sérgio, reclamou publicamente dos três.

Cardozo não enviou à Comissão, como solicitado, o resultado da sindicância que apura os responsáveis pelo grampo colocado na cela do doleiro Alberto Youssef sem autorização judicial.

Moro recusou-se a enviar os dados do inquérito que corre em Curitiba, dizendo que estes “não vem ao caso”:  “Como bem registrado pelo Ministério Público Federal, os fatos objetos de investigação neste inquérito policial diferem daqueles que estão sendo apurados pela CPI da Petrobras na Câmara dos Deputados”, escreveu o juiz a quem Gilmar Mendes, um dia, chamou de  “juiz absolutista, acima da própria Justiça”.

E a Polícia Federal “justificou” o não comparecimento do delegado Renato Herrera e da agente Maria Inês Slussarek  da seguinte e pitoresca maneira descrita pelo deputado: “A polícia informou que soube informalmente que eles vão entrar com licença médica. Eu nunca vi um órgão público justificar a outro órgão público que soube, informalmente, que o funcionário vai apresentar licença médica.”

Que beleza!

Alguém precisa avisar à Câmara dos Deputados que ela só serve para “impichar” a Dilma e que o Juiz Moro e a Polícia Federal devem cooperação a uma investigação que, embora tenha surgido por vontade política, é legal, constitucional e tem poderes inclusive de conduzir testemunhas.

Luiz Sérgio chamou de “brincadeira” o que está acontecendo.

Eu prefiro chamar de deboche.

 

Não apenas dos deputados ou da instituição Câmara dos Deputados.  Deboche feito à apuração da verdade, que não é propriedade de Moro, de Cardozo ou dos delegados de polícia.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. “NÃO VEM AO CASO”APURAR,ATÉ

    “NÃO VEM AO CASO”APURAR,ATÉ ATINGIR A TODOS

    “NÃO VEM AO CASO”FAZER JUSTIÇA E NÃO POLÍTICA

    “NÃO VEM AO CASO”COMBATER A CORRUPÇÃO DE TODOS

    “NÃO VEM AO CASO”SER ISENTO,TER LISURA E IMPARCIALIDADE

    UFA!!!! QUANTOS “NÃO VEM AO CASO…”

  2. E o Gilmau hein?

    Da coluna Painel, hoje, na Folha:

     

    “Recordar é… Os ministros do STF Gilmar Mendes e Celso de Mello, que votaram pela permanência das investigações da Lava Jato em Curitiba, meses atrás criticavam o juiz Sergio Moro, a quem atribuíam atos que usurpariam atribuições da corte.

    … viver Ao julgar recursos do caso Banestado, definiram o magistrado como “juiz absolutista, acima da própria Justiça”, e condenaram os “repetidos decretos de prisão”. A transcrição dos debates circulou na época em escritórios de advocacia. Moro não comenta o assunto.

    Acusação inócua Um ano atrás, em plena Lava Jato, Gilmar Mendes pediu ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, que avaliasse se Moro havia cometido infração disciplinar. Um doleiro preso alegara parcialidade do juiz.

    Deu em nada Celso de Mello queria invalidar o processo julgado por Moro. Teori Zavascki justificou a ordem de prisão. O caso foi arquivado pelo corregedor do TRF-4, desembargador Celso Kipper.”

     

    http://tijolaco.com.br/blog/gilmar-e-mello-que-querem-todo-poder-a-moro-o-chamavam-de-absolutista/

  3. mas …

    a cãmara dos deputados é séria?

    quem é o presidente?

    eduardo cunha.

    quem é o 1º secretário?

    beto mansur.

    como disse o ex-ministro da saúde na própria, a câmara dos deputados tem um presidente que é chamado de achacador da tribuna da casa para o país inteiro.

    vai dizer o quê?

    um presidente envolvido até o pescoço em vigarices.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome