Relatório da PF que isentou Jucá de conspiração mostra disputa com procuradores

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN – O relatório da Polícia Federal que isentou Romero Jucá, Renan Calheiros e José Sarney de obstrução de Justiça envolvendo a Lava Jato revela a disputa de bastidores entre os procuradores e a autoridade policial por conta das delações premiadas. É o que diz a coluna de Lauro Jardim, nesta terça (25).
 
No relatório, a PF mostrou que o fato de Jucá ter conversado sobre “estancar a sangria” da Lava Jato e criar um “grande acordo nacional, com o Supremo, com tudo” com Sergio Machado não é prova de que eles atuaram para derrubar a operação.
 
A delegada que assina o documento insinuou que a gravação feita por Machado foi imprestável para esse caso e, por isso, seu acordo com o Ministério Público deveria ser cancelado.
 
PF versus MPF, o round eterno
 
 
Em O Globo
 
A cúpula da PGR viu um quê de briga corporativa no relatório da delegada Graziela Machado, da PF, divulgado na semana passada, discordando de que tenha havido obstrução de Justiça por parte de Renan Calheiros, José Sarney e Romero Jucá na conversa gravada por Sérgio Machado.
 
Especialmente no trecho em que Graziela, na visão dos procuradores, extrapola suas atribuições de delegada e sugere a cassação de benefícios do delator.
 
Na PGR, isso foi visto como parte da briga sobre quem pode ou não fazer delações.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora