Skaf, Palocci e empresário são investigados por propina da Odebrecht

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – A Polícia Federal abriu um inquérito para investigar o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PMDB), o ex-ministro Antonio Palocci e o empresário Benjamin Steinbruch, ex-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Eles são acusados de receber propina da Odebrecht.

Segundo informações do Estadão, inquérito foi aberto no dia 19 de outubro e está sob o comando dos delegados Milton Fornazari Jr e Rodrigo de Campos Costa. No dia 20 de outubro, eles pediram ao juiz Sergio Moro o compartilhamento de documentos ligados à delação da Odebrecht.

Marcelo Odebrecht, réu e delator da Lava Jato, declarou às autoridades que, a pedido de Steinbruch, repassou R$ 14 milhões a Palocci e R$ 2,5 milhões a Skaf. No caso do peemedebista, candidato na eleição ao governo de São Paulo contra o tucano Geraldo Alckmin, o repasse foi via caixa 2.
 
O trecho da delação da Odebrecht que trata desses assuntos foi remetido pelo Supremo Tribunal Federal à Justiça Federal, em São Paulo, porque os fatos supostamente ocorreram na capital paulista e não têm conexão com a Petrobras. 
 
Em junho, Skaf alegou que o caso deveria ser remetido à Justiça Eleitoral paulista, pois envolveriam “tão somente contribuições eleitorais”. Steinbruch argumentou que os fatos não teriam relação com a Petrobrás, devendo ser remetidos à Justiça Eleitoral de São Paulo ou à Justiça Federal do Estado.
 
Procuradores, apenas Skaf se manifestou alegando que não autorizou o uso de seu nome para pedir doações em caixa 2.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora