“Tem um gigante na prisão de Curitiba”, diz grupo de juristas ao visitar Lula

"Nós viemos aqui dizer que somos parte do Judiciário e que nós queremos que a nossa instituição funcione muito bem", disse jurista

Foto: Eduardo Matysiak

Jornal GGN – Um grupo de juristas e desembargadores de todo o país visitou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na última quinta-feira (21), para manifestar apoio e solidariedade a Lula. Organizado pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), o grupo pedia justiça. “Tem um gigante ali [na prisão de Curitiba]. Tem um homem muito forte e corajoso”, disse o juiz titular da Primeira Vara Federal de Itapeva-SP,  Edevaldo de Medeiros.

“Ou a gente consegue efetivamente fazer com que o Supremo Tribunal Federal (STF) assuma novamente a sua função de garantir a Constituição, que ele não fez até agora neste processo. Ele foi omisso durante o tempo todo, ou então nós não vamos ter mais o regime democrático, onde as instituições funcionam neste país”, disse Leador Machado, juiz do Trabalho de Tocantins.

Entre o grupo estavam presentes Edevaldo de Medeiros, Leador Machado, Rui Portanova, André Luiz Machado, Luciana Bauer, Mário Sergio Pinheiro, Germana de Morelo, Magda Barros Biavaschi, José Antonio Correa Francisco, e outros juristas.

Para a desembargadora Magda Barros Biavaschi, a prisão de Lula foi uma forma de retirar o líder do cenário de mudanças no Brasil. “Todos os grandes líderes, e foram poucos, que minimamente buscaram reduzir as profundas e abissais desigualdades deste país escravocrata foram defenestrados”, analisou.

“Nós não viemos aqui afrontar o poder Judiciário, nós viemos aqui dizer que somos parte do Judiciário e que nós queremos que a nossa instituição funcione muito bem”, disse Leador Machado, trazendo ainda um recado de Lula ao grupo, dado horas antes. “A História não é compreendida no momento em que ela acontece”, teria dito Lula na conversa que tiveram.

A juíza Luciana Bauer, da 17ª Vara Federal de Curitiba, acredita que a Lava Jato marca um antes e um depois na democracia do país, rompendo-a. “Todo juiz tem que ter a neutralidade, a gentileza, a paciência e a temperança pra julgar aquele que está sob a clava, sob a espada penal.”, ressaltou.

Sobre o estado do ex-presidente, Edevaldo de Medeiros disse que o ex-presidente está “com excelente saúde”.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora