Toffoli vai relatar novos pedidos de liberdade de citados em processo de Dirceu

da Agência Brasil

Toffoli vai relatar novos pedidos de liberdade de citados em processo de Dirceu

André Richter – Repórter da Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli será o relator dos novos pedidos de liberdade baseados na decisão que libertou o ex-ministro José Dirceu. Os recursos foram encaminhados para o gabinete de Toffoli pelo fato de o ministro ter proferido o primeiro voto a favor da soltura, na votação da terça-feira (2).

Com a mudança, os pedidos de liberdade de acusados que foram citados no processo envolvendo Dirceu serão julgados por Toffoli, e não pelo relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin.

A mudança foi justificada pelo STF com base no regimento interno da Corte.  A norma diz que o relator será substituído pelo ministro que proferiu o primeiro voto divergente para julgar questões posteriores ao julgamento.

No julgamento de Dirceu, além de Toffoli, os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski votaram pela soltura. Celso de Mello e Fachin foram contra a concessão do habeas corpus.

Dessa forma, Toffoli vai relatar pedidos de liberdade dos empresários Eduardo Aparecido de Meira e Flávio de Oliveira Macedo, que foram presos no mesmo processo a que Dirceu responde na 13ª Vara Federal da Justiça Federal de Curitiba, comandada pelo juiz federal Sérgio Moro.

A mudança ocorre no momento em que Edson Fachin tenta obter apoio da Corte para manter as prisões na Lava Jato. Fachin é relator das ações da operação no colegiado e foi derrotado na terça-feira (2), por maioria, na votação que concedeu liberdade ao ex-ministro José Dirceu. Antes da decisão que beneficiou Dirceu, os empresários José Carlos Bumlai e o ex-tesoureiro do PP João Claudio Genú foram soltos por decisão da Turma.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. Se não não ficar com mêdo da

    Se não não ficar com mêdo da “opinião PUBLICADA”, irá julgar conforme , o CPP, e a ainda, Constituição do país. 

  2. Discutir a ilegalidade

    Todas as prisões do moro são escacaradamente ilegais e contrariam a constituição.

    Ou estão discutindo se a globo é maior que a constituição? Que isso tsf? ou é tribunal subordinado à globo? Quem nega a lei não poderia ser juiz.

    Não há o que discutir. Ou a liberdade, até para o eduardo cunha, ou a ilegalidade. Onde a lei????

    Se não há lei, há a vontade da globo, o guarda da esquina faz o serviço.

  3. Nassif
    Vai apanhar que nem

    Nassif

    Vai apanhar que nem mulher de malandro !!!

    Mas acho que ele já tá calejado e não acuado como o Fachin

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome