TSE pode cassar Temer e definir Diretas Já, diz colunista

Foto: Anderson Piedel/VPR
 
 
Jornal GGN – Setores da mídia e classe política acreditam que se Michel Temer não renunciar nem sofrer um impeachment por causa do escândalo da JBS, sua situação deve ser resolvida pelo Tribunal Superior Eleitoral. Se a corte entender pela cassação de Temer em função de ação movida pelo PSDB, em 2014, a possibilidade eleição direta pode ser discutida pelos minitros. 
 
Segundo a jornalista Mônica Bergamo, na Folha desta terça (23), “um dos ministros” do TSE disse, em off, que a corte “pode considerar que regra do Código Eleitoral que prevê eleição direta quando faltam mais de 6 meses de mandato vale também no caso de Presidente da República – e não apenas de prefeitos, governadores e senadores.”
 
O Supremo Tribunal Federal ainda não debateu este assunto, embora haja uma ação para ser analisar pelos magistrados. Provocado, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, assina defendeu no STF que as eleições em caso de vacância da Presidência devem ser indiretas, ou seja, realizada pelo Congresso. 
 
O PSDB, dividido desde o vazamento da delação da JBS, que também atingiu em cheio Aécio Neves e sua família, defende eleição indireta em caso de impeachment de Temer. Há notícias de articulações em torno do nome de Fernando Henrique Cardoso. 
 
Mônica Bergamo informou ainda que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, foi sondado por nomes do mercado para substituir Temer. O titular, de maneira protocolar, respondeu que acredita na permanência de Temer no governo.
 
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora