TSE tende a cassar Temer e poupar Dilma de ficar inelegível

Jornal GGN – É destaque na coluna da jornalista Mônica Bergamo, nesta quarta (8), que há uma corrente no Tribunal Superior Eleitoral inclinada a poupar a presidente Dilma Rousseff (PT), afastada no processo de impeachment, da inelegibilidade em caso de restar provado que a chapa eleita em 2014 foi beneficiária de caixa 2. Segundo Bergamo, uma vez no poder, apenas Michel Temer seria afetado com a cassação do mandato.

Bergamo publicou que “ministros do TSE têm dado sinais de que os dados disponíveis até agora no processo que investiga abuso de poder pela chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer, em 2014, não obrigam a corte a declarar a inelegibilidade da ex-presidente. Já a situação de Temer seria mais delicada.”

“Como Dilma já foi afastada”, disse, “só Temer poderia sofrer a pena. Daí a defesa que os apoiadores do presidente fazem de que as contas da campanha eram separadas e assim devem ser julgadas.”

Para ser condenada à inelegibilidade, Dilma teria de ter conhecimento de qualquer esquema de corrupção que tenha irrigado sua campanha. “Nenhum delator afirmou até agora que Dilma participou de tratativas de contribuições ilegais à campanha”, lembrou Bergamo.

Ainda segundo a jornalista, o relator da ação que visa a cassação, ministro Herman Benjamin, deve se associar a essa corrente. Mas ela não seria “unânime no tribunal”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora