Peça 1 – “denúncia” de Palocci contra cinco bancos

Saiu em O Globo de hoje, parte da delação de Antônio Palocci envolvendo cinco grandes bancos: Bradesco, Safra, BTG Pactual, Itaú Unibanco e Banco do Brasil. Teriam doado R$ 50 milhões ao PT em troca de favores. Com sua conhecida perspicácia, não apresentou nenhuma prova e incluiu até o Banco do Brasil na parada (aqui).

Peça 2 – os bancos credores da Abril

A Abril está em processo de recuperação judicial. A operação consistiu na Enforce, uma empresa especializada em recuperação de empresas falidas, adquirir a dívida da Abril em fevereiro passado – salvando o patrimônio dos herdeiros.
Depois, vai negociar com os bancos um abatimento no valor e um prazo de pagamento. O BTG Pactual ajudou adquirindo as dívidas e, com isso, oferecendo maiores garantias aos credores, já que é um banco sólido. Os maiores credores da Abril são o Bradesco, Itaú e Santander (aqui), além dos bancos públicos.
Logo, o tiro de Moro, através de O Globo, atingiu três bancos essenciais para a recuperação da Abril.
O modelo de criminalização é o mesmo da Lava Jato.
  • Tomam-se financiamentos de campanha ao PT. E ignora-se o financiamento para outros candidatos, porque aí poderia ser caracterizado como prática usual dos bancos, sem direcionamento.
  • Junta-se alguma medida que possa ter beneficiado os bancos, mesmo que não sejam de decisão direta do Executivo, e mesmo que sejam tecnicamente justificadas.
  • Pressiona-se um delator para declarar, mesmo sem provas, que o financiamento de campanha foi para pagar um favor. E pronto. Já tem à mão o Palocci Bom Bril, de mil e uma utilidades.

Peça 3 – a mudança na Veja

Imediatamente, a revista Veja voltou ao seu velho ofício de criadora de factoides, com uma matéria de capa denunciando a presença de uma organização terrorista – dessas que os personagens vestem roupa preta e capuz para dar entrevistas – ameaçando a vida da família Bolsonaro. A capa cai como uma luva na prévia do incêndio do Reichstag, que é a saída de todo ditador acuado.

Peça 4 – o frágil Dallagnol

E, aí, sobra para Deltan Dallagnol
Para a denúncia ter credibilidade, os procuradores da Lava Jato terão que explicar a razão de não terem aceitado a delação de Palocci.
Na Carta Capital, há uma excelente reportagem de Andre Barrocal usando a mesma metodologia da Lava Jato, de ilações.
  • Os bancos foram beneficiados, quando os procuradores não aceitaram a delação de Palocci.
  • Deltan fez palestras pagas não apenas para bancos, como para a própria Febraban.
E não ficou nisso. Barrocal lembra rumores que surgiram em determinado momento, de que os planos de saúde – Unimed na frente – seriam o próximo setor da economia alvo da Lava Jato, depois das empreiteiras.
Deltan não apenas proferiu várias palestras pagas à Unimed, como indicou a empresa para uma colega paulista faturar em cima de uma operação conduzida por ela.
Como ficará agora esse teatro da hipocrisia?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

O Brasil deve ser o único país do mundo em que um suposto terrorista avisa, com antecedência, seu próximo ato.

Estamos caminhando direto e reto para uma ditadura institucional onde os poderes corrompidos podem forçar a mídia mais abrangente a atuar em bloco a seu favor com desinformação para a parte baixa da pirâmide mantendo o povo nesse ódio que foi disseminado. Podemos ter alguma esperança de que isso se modifique se o crescimento pífio jogar mais pessoas na miséria o que seria uma loucura ver primeiro a destruição para renascer . A data limite de Chico Xavier é amanhã pode ser nessa linha sua previsão.

Wanderley sobreiro