Publicado originalmente em 3 de outubro e editado em 09 de outubro para inclusão do Direito de Resposta de José Serapieri Filho, do QSaúde

Em seu artigo de hoje, na Folha, Élio Gaspari chega ao cerne do caso Prevent Senior, aliás juntando as mesmas peças que reunimos no Xadrez:

  1. A investida do então Ministro da Saúde Henrique Mandetta sobre a Prevent Senior, no início da pandemia, foi um lance de disputa comercial.
  2. No artigo, menciona dois episódios sobre grupos de saúde envolvidos em episódios polêmicos: Unimed (ligada a Mandetta) e José Serapieri Filho, dono hoje do grupo QSaude.
  3. Finalmente, conclui que, espremido por Mandetta, o grupo foi procurar se defender junto a Bolsonaro.

Todas as discussões são sobre as concessões que a Prevent teve que fazer para conseguir o apoio dos Bolsonaro. Mas não se pode deixar de lado o contexto maior.

É um episódio sem mocinhos, mas relevante para entender o papel do escândalo midiático nas disputas comerciais.

Peça 1 – a lógica do escândalo midiático

O escândalo é um dos principais ingredientes da comunicação de massa. Tem várias serventias.

O ponto maior de uma cobertura é seu potencial de galvanizar atenções. A natureza humana é atraída pelo escândalo, pelo escabroso. É nas coberturas escandalosas que os veículos se transformam em profetas de ritos selvagens, com ampla capacidade de direcionamento da massa de leitores em direção a alvos selecionados.

Há o objetivo inicial óbvio de atrair audiência.Há um segundo objetivo no plano comercial. Pode-se utilizar o escândalo em defesa de patrocinadores – caso Daniel Dantas em toda disputa com fundos de pensão. E pode-se utilizar o escândalo para negociar contratos comerciais com os alvos ou com futuros anunciantes. Caso notório é o da TAM, já relatado aqui.

Jornalistas experientes percebem as jogadas comerciais no cheiro.

Foi assim na matéria de Veja contra os cursos apostilados do COC  – história que relato no livro “O caso Veja”, baseado no site com os artigos iniciais.

Era tão disparatado o ataque, que não havia outra explicação senão algum interesse comercial.

De fato, colocada a primeira suspeita abriu-se uma avenida de informações, que revelaram a Abril se preparando para ingressar no mercado de cursos apostilados e tratando de afastar os maiores competidores.

Outro caso óbvio foram os ataques articulados contra o livro “A Nova História Crítica”, um campeão de vendas entre as obras selecionadas pelo MEC. Os grupos de mídia estavam perdidos buscando novos negócios para fugir do cerco das redes sociais. Um dos negócios era a venda de livros, especialmente para a rede escolar.

O primeiro a trilhar esse caminho foi Rupert Murdoch, junto à rede de educação de Nova York. Foi expelido depois que o conselho de seleção julgou que alguém que difundia o racismo, a intolerância e os Fakenews não podia vender seus livros para os estudantes. Outros grupos entraram, como o El País, com a Editora Santillana, que se estabeleceu no Brasil.

O primeiro tiro foi um artigo de Ali Kamel em O Globo, que chamou imediatamente a atenção pela abertura. Nela, ele fazia questão de afirmar que recebeu o livro de presente de um determinado psicólogo – o mesmo que acusou Lula pela morte dos passageiros do avião da TAM. A troco de quê se explicar sobre como o livro chegou às suas mãos?

O artigo era uma série de trechos selecionados, nos quais ele mostrava que o livro elogiava Mao Tse Tung, o stalinismo, entre outros temas.

No dia seguinte, o artigo foi reproduzido pelo Estadão. Ao mesmo tempo, El País fugia de sua linha e publicava – na edição espanhola – reportagem denunciando o livro do MEC que exaltava Stalin e Mao. Deve ter chocado seus leitores espanhóis.

Ao mesmo tempo, o ex-ministro Paulo Renato, consultor da Santillana, encaminhou uma denúncia à Procuradoria Geral da República sobre o conteúdo subversivo do livro, em uma demonstração do macarthismo oportunista do período.

Escrevi um primeiro artigo mostrando os indícios de guerra comercial. Em seguida, recebi um email do editor de “A Nova História Crítica” mostrando os trechos do livro sonegados pelo artigo.

O livro dizia, de fato, que Mao fez uma revolução que mudou a China. Porém -continuava ele -, comandou a revolução cultural e os expurgos que afetaram milhares de adversários. Stalin promoveu os planos de industrialização da União Soviética. Porém, mandou milhares de opositores para a morte e para o exílio na Sibéria. A manipulação era escandalosa.

Vários outros episódios são analisados no livro sobre a Veja. E é automático. Quando surgem esses sinais na cobertura, puxa-se o fio e vem o novelo inteiro.

Peça 2 – os sinais da cobertura sobre a Prevent Senior

Os pontos fora da curva, na cobertura da Prevent Senior são os seguintes:

  1. Na Globonews, houve série de matérias iniciais, com acusações devastadoras contra a empresa, transformada em centro de eugenia, de mortes premeditadas. A Globo não libera matérias dessa natureza contra grandes grupos empresariais. Cerca-se de cuidados, e de consultas aos departamentos comercial e jurídico, antes de deflagrar essas campanhas. Se as reportagens saíram, foi com o consentimento da cúpula.
  2. A própria cobertura da CNN. O canal trouxe um novo padrão de cobertura, com repórteres focando na informação e evitando toda forma de adjetivação. Só recentemente abriu-se alguma exceção para as notícias do governo Bolsonaro. No caso da Prevent, parecia ordem unida, com todos eles mostrando-se “estarrecidos” com os episódios relatados. 
  3. A inundação dos espaços comerciais das emissoras pelas empresas de saúde, obviamente refletindo o aumento da demanda provocado pela pandemia.
  4. Toda a cobertura escondendo informações sobre o padrão da Prevent Senior, seu modelo de negócios e a maneira como conseguiu conquistar o mercado de idosos – abandonado pelos demais planos.
  5. O fato da Prevent Senior ser uma “sem mídia”, empresa que não faz publicidade na mídia, enquanto a luta por seus despojos faria as empresas de saúde superarem os bancos nas verbas comerciais.

Não significa que haja envolvimento dos jornalistas. Eles recebem as informações e vão em frente. Se a empresa tem interesse na denúncia, basta liberar a cobertura. Se não tem, o aquário minimiza a denúncia e tira da pauta.

Peça 3 – os primeiros sinais da disputa comercial

Também não significa que toda cobertura tenha intuito comercial. A lógica desses ambientes de catarse é saber como e onde acender o rastilho. Depois o paiol explode graças à notável falta de discernimento e ao efeito manada na cobertura, que caracteriza a mídia nacional. Em qualquer disputa jornalística saudável, se todo mundo diz A, o competidor vai buscar o B, o ângulo não explorado. Por aqui, desde os anos 90 é o coro da voz única.

O senador Humberto Costa, membro da CPI, taxou as suspeitas de disputa comercial de teoria conspiratória. Não é caso de duvidar da retidão dos membros da CPI, mas de sua falta de intimidade com as grandes guerras comerciais e com os mecanismos de disputa aqui descritos.

Daqui a algum tempo, repórteres que trouxeram as primeiras reportagens irão comentar sobre as assessorias de imprensa que os municiaram de informações. Através das assessorias, se chegará aos cabeças da operação.

Mas os primeiros sinais começam a aparecer.

Os jornalistas passaram a receber notícias sobre a Prevent Senior através do e-mail marketing do grupo Comunique-se. Chamou a atenção um release do IDEC (Instituto de Defesa do Consumidor), que nunca, antes, havia recorrido a campanhas de e-mail marketing. No release, outro ponto que chamou a atenção foi o IDEC exortar a Agência Nacional de Saúde (ANS) a implementar uma intervenção técnica imediata na Prevent, independentemente das investigações em curso.

Em cada  release o convite: acesse o site da campanha www.saudenaoeexperimento.com

No link mencionado, a parte de cima é um abaixo-assinado para a Agência Nacional de Saúde (ANS)

Diz um trecho do manifesto: 

O caso da Prevent Senior pode ser um dos maiores escândalos médicos da história recente do Brasil, e nós, como cidadãos, exigimos que a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) intervenha na gestão da operadora para proteger as famílias que são usuárias do plano. 

Na metade de baixo, links para as principais denúncias contra a empresa e a informação de que o site é fruto de uma parceria 

O teor claramente visa espalhar o pânico.

Assine agora o formulário e pressione a ANS para que cumpra sua função de agência reguladora.

“A situação é urgente, e milhares de pessoas estão em risco!”

Finalmente, a organização completa de uma campanha pelo WhatsApp, que permitirá, aos organizadores, o acesso a uma boa base de clientes da Prevent Senior assustados com as notícias..

Quando se busca pelo domínio em um site de registro, encontra-se uma empresa registrada no Arizona (EUA), aberta no dia 28 de setembro, e sem nenhuma indicação sobre quem seja ela ou seus responsáveis.

A reportagem está aberta para as explicações do IDEC.

DIREITO DE RESPOSTA DE JOSÉ SERIPIERI FILHO

É ultraje redundante e enfadonho a insinuação de que José Seripieri Filho, dono da Qsaúde, esteja ligado a uma “investida do então Ministro da Saúde Henrique Mandetta sobre a Prevent Senior“.

Igualmente rota é a afirmação de que isso configuraria “um lance da disputa comercial“.

Seripieri reafirma, como o fará até a exaustão, que nunca agiu para deflagrar quaisquer investigações, do Ministro da Saúde ou de quem quer que seja, ou mesmo causar algum prejuízo à citada empresa.

E lamenta que, no artigo “As primeiras evidências da guerra comercial em torno da Prevent, por Luiz Nassif” (03.10.2021) o GGN tenha, pela enésima vez, descumprido regra indeclinável do bom jornalismo, de obviedade “acaciana”, consistente em ouvir as partes envolvidas na matéria a que se dá publicidade.

São Paulo, 08 de outubro de 2021.

RAUL LEITE CARDOSO

OAB-SP nº 420.431

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

14 comentários

  1. O problema é simples, sem deixar morrer alguns velhinhos um plano de saúde que trata basicamente com esse grupo não é viável. Não deveria EXISTIR MEDICINA PRIVADA, pois o que sustenta a medicina coletiva é a cobrança COMPULSÓRIA e UNIVERSAL de todas as faixas de idade, logo os mais jovens contribuem para os mais velhos, pois algum dia ele chegarão a ser os mais velhos.
    A medicina deve ser universal e pública o resto só sobrevive fazendo picaretagem.

  2. DADOS DE 2006 (Portaria 399 de 2006)
    “O SUS tem uma rede de mais de 63 mil unidades ambulatoriais e de cerca de 6 mil unidades hospitalares, com mais de 440 mil leitos. Sua produção anual é aproximadamente de 12 milhões de internações hospitalares; 1 bilhão de procedimentos de atenção primária à saúde; 150 milhões de consultas médicas; 2 milhões de partos; 300 milhões de exames laboratoriais; 132 milhões de atendimentos de alta complexidade e 14 mil transplantes de órgãos. Além de ser o segundo país do mundo em número de transplantes, o Brasil é reconhecido internacionalmente pelo seu progresso no atendimento universal às Doenças Sexualmente Transmissíveis/AIDS, na implementação do Programa Nacional de Imunização e no atendimento relativo à Atenção Básica. O SUS é avaliado positivamente pelos que o utilizam rotineiramente e está presente em todo território nacional.”
    ORA, O SUS TEM QUE SER DESTRUIDO (como alias vem sendo desde 2017 com Ricardo Barros – acabou com obrigatoriedade de agente de saude, por ex.), DO CONTRÁRIO, COMO PODEREMOS TER “PREVENTS”?

  3. O desprezo pela vida é a regra, não a exceção, no mundo dos negócios:

    https://brasil.elpais.com/brasil/2021-10-02/hapvida-omite-morte-por-covid-19-em-declaracao-de-obito-em-acao-similar-a-da-prevent-senior.html

    A Prevent Senior não descobriu um “nicho” inexplorado, ao voltar sua atenção para idosos de baixa renda. O que ela descobriu foi um meio de arrecadar recursos de forma mais eficiente a partir dessa faixa da população. É a Colorado Lode, a mina que se supunha exaurida e que enriqueceu o Cidadão Kane do filme. A mina de ouro estava lá, mas ninguém dava a mínima, e desprezava porque, supostamente, nada mais havia lá, ou, se houvesse, seria necessário “extrapolar” alguns dos limites éticos da profissão. Ora, mas estamos em um maravilhoso mundo novo, em que médicos podem torcer abertamente pela morte de quem odeiam, procuradores manifestam publicamente o mesmo desejo, dentre outras amenidades que nossos escrúpulos deveriam conter. Bom, às favas com os escrúpulos de consciência, como já dizia outrora um luminar da pátria.
    Prevent Senior, Hapvida, toda essa máquina privada destinada a vender o que jamais deveria ser objeto de comércio, são todas iguais.
    Tudo é uma questão de ser capaz de vender, seja o que for, seja de que jeito for.

  4. O desprezo pela vida é a regra, não a exceção, no mundo dos negócios:

    https://brasil.elpais.com/brasil/2021-10-02/hapvida-omite-morte-por-covid-19-em-declaracao-de-obito-em-acao-similar-a-da-prevent-senior.html

    A Prevent Senior não descobriu um “nicho” inexplorado, ao voltar sua atenção para idosos de baixa renda. O que ela descobriu foi um meio de arrecadar recursos de forma mais eficiente a partir dessa faixa da população. É a Colorado Lode, a mina que se supunha exaurida e que enriqueceu o Cidadão Kane do filme. A mina de ouro estava lá, mas ninguém dava a mínima, e desprezava porque, supostamente, nada mais havia lá, ou, se houvesse, seria necessário “extrapolar” alguns dos limites éticos da profissão. Ora, mas estamos em um maravilhoso mundo novo, em que médicos podem torcer abertamente pela morte de quem odeiam, procuradores manifestam publicamente o mesmo desejo, dentre outras amenidades que nossos escrúpulos deveriam conter. Bom, às favas com os escrúpulos de consciência, como já dizia outrora um luminar da pátria.
    Prevent Senior, Hapvida, toda essa máquina privada destinada a vender o que jamais deveria ser objeto de comércio, são todas iguais.
    Tudo é uma questão de ser capaz de vender, seja o que for, seja de que jeito for. Às favas com os escrúpulos.

  5. Reparei que Sleeping Giants, que se propunha a combater fake news, é um dos parceiros da iniciativa encabeçada pelo Idec. Daí fiquei curioso pra saber quem eram os outros parceiros, Casa Galiléia e Engajamundo. A notícia da Folha sobre a iniciativa indica outra entidade, a Quid (https://www1.folha.uol.com.br/colunas/painelsa/2021/09/ong-de-defesa-do-consumidor-pressiona-ans-a-intervir-na-prevent-senior.shtml).

    Numa busca rápida no google, encontrei os sites da Quid e Engajamundo. Casa Galiléia encontrei apenas um registro como “ong/entidade social” em um site de classificados, ao que parece (https://www.solutudo.com.br/empresas/sp/osasco/ongs-e-entidades-sociais/associacao-casa-da-galileia-1717240).

    Já Quid e Engajamundo se apresentam como entidades de fomento ao ativismo, respectivamente digital e jovem, no âmbito nacional e internacional. Em comum, ambas dizem ter como um de seus pilares a “advocacy”, que assim define a última: “ativismo… realizado de maneira divertida e bem humorada, com cara de pau para chegar frente a frente com os tomadores de decisão”.

    O site da Engajamundo (“uma rede de jovens que acredita… transformar a realidade”) não traz nomes da equipe, mas indica apoiadores de peso, entre eles, PNUD Brasil e Greenpeace (https://www.engajamundo.org/).

    A Quid traz os nomes dos integrantes da equipe, com um breve currículo de cada um: jornalistas, economistas, pedagogos, cientistas sociais, com diversas titulações, especialidades (entre elas, essa tal “advocacy”) e vinculações nacionais e internacionais, com ampla experiência em mídias digitais, engajamento em campanhas eleitorais e movimentos sociais (https://www.quid.id/).

    A Quid (citada na Folha mas omitida no release do Idec e no quadro de parceiros da campanha), dedicada ao ativismo digital, talvez possa esclarecer se realmente tomou parte na iniciativa e, em caso afirmativo, trazer mais informações sobre os responsáveis pelo registro do site no Arizona.

    E todas elas – como entidades dedicadas ao combate de fake news, ao engajamento (especialmente dos jovens) em causas sociais e políticas, por meio de ferramentas para a transformação da realidade, incidindo sobre os tomadores de decisões (fazendo aqui um pout pourri das expressões deles!), poderiam se pronunciar sobre seu engajamento na campanha, se não perceberam, indo no efeito manada, que tomavam parte nessa evidente guerra comercial, aparentemente contrária aos seus objetivos manifestos.

  6. “O ponto maior de uma cobertura é seu potencial de galvanizar atenções. A natureza humana é atraída pelo escândalo, pelo escabroso. É nas coberturas escandalosas que os veículos se transformam em profetas de ritos selvagens, com ampla capacidade de direcionamento da massa de leitores em direção a alvos selecionados”. – Luís Nassif

    “O Facebook ganha mais dinheiro quando você consome mais conteúdo. As pessoas gostam de se envolver com coisas que provocam uma reação emocional. E quanto mais você sentir raiva, mais vai interagir, mais vai consumir”. – Frances Haugen, ex-funcionária do Facebook

  7. Acho que o Nassif está equivocado… MAS, mesmo se estivesse certo, a Prevent Senior estar sofrendo um “ataque comercial” e ter usado cobaias humanas em algo facilmente visto como perigoso NÃO SÃO HIPÓTESES EXCLUDENTES…

    Mas o Nassif trata como se assim o fosse.

    • Eu respeito muito o Nassif, mas ele está se metendo em uma enrascada defendendo a Prevent Senior. O Nassif, inclusive, no início da pandemia, curvou- se ao potencial “milagroso” da hidroxicloroquina, vindo a abrir espaço para a empresa. Eu ficaria quieto, mas a insistência na tese da conspiração contra a empresa me parece ao menos falta de cautela pelo GGN.

  8. Acompanho seu argumento Nassif como um pano de fundo. Do ponto de vista médico e da ética de pesquisa o plano de saúde furou todas as normas nacionais e até as internacionais, sabendo o que estava fazendo. Não são primários e ignorantes. São infratores decididos e cumpriram um plano. O CFM ajudou a cometerem o crime sabendo do que fazia também. Não tem santo nessa estória.

  9. Qualquer coisa que eu comente como médico sanitarista este portal rejeita dizendo “você já dissse isso” e eu nunca comentei nada neste portal. Caso queira ouvir por favor escreva para mim. att.

  10. Ao lado as investigações mais sofisticadas e das filigranas comerciais houve uma orquestrada intenção no tratamento da covid pela Prevent Senior com o kit mortal. Se foi comercial a briga tbm houve crimes contra pacientes e familias. Que paguem agora,

  11. Raciocine: Paciente morto não PAGA mensalidades.Paciente doente GERA CUSTOS À OPERADORA ! ! !
    Que interesse teria a Prevent Sênior em matar ou adoecer seus COLABORADORES PAGANTES ? ? ?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome