Fake News: Bolsonaro diz que contágio em igrejas é “quase zero”

Com mais de 4 mil mortes registradas nesta quinta-feira (08) por Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro saiu em defesa da participação de cultos e missas regiliosas, com a abertura de igrejas e tempos.

Jornal GGN – Com mais de 4 mil mortes registradas nesta quinta-feira (08) por Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro saiu em defesa da participação de cultos e missas regiliosas, com a abertura de igrejas e tempos. “Tem que dar a chance do ser humano se recompor, se confortar, pegar uma palavra de apoio”, disse o mandatário.

A fala contraria o próprio Supremo Tribunal Federal (STF), que em decisão de Plenário autorizou estados e municípios proibirem a realização dos atos religiosos presenciais. A maioria dos ministros usou como base as evidências científicas de que a aglomeração provoca a transmissão do vírus.

Mas Bolsonaro disseminou Fake News e afirmou, em entrevista à CNN, que a possibilidade de transmissão da Covid-19 em templos e igrejas é “quase zero”, se adotadas medidas sanitárias.

No julgamento, a Advocacia-Geral da União (AGU), a Procuradoria-Geral da República (PGR), o advogado do PSD e o ministro Kássio Marques Nunes abriram mão de argumentos jurídicos e científicos para se posicionaram com alegações religiosas.

O Advogado-Geral da União (AGU) do governo Bolsonaro, André Mendonça, fez uma espécie de pregação, fugindo do teor jurídico, e carregado de defesa religiosa: “Sem vida em comunidade não há cristianismo.” E ainda disse que “os verdadeiros cristãos estão sempre dispostos a morrer para garantir a liberdade de religião e de culto”. Já o PGR afirmou que a fé “também salva vidas” e que “onde a ciência não explica, a fé traz a justificativa que lhe é inerente”.

“Está havendo um certo delírio nesse contexto geral. É preciso que cada um de nós assuma as suas responsabilidades”, confrontou Gilmar, em seu voto, que foi acompanhado pelos outros 9 ministros, contra a liberação dos cultos e a permissão para que governadores e prefeitos proibam os atos.

Mas à CNN, Bolsonaro disse que a cláusula de liberdade religiosa da Constituição impede a proteção sanitária, da própria vida dos brasileiros. “Respeito completamente a nossa Constituição. Não tem um pingo fora das quatro linhas da mesa. Seria bom se todo mundo jogasse dentro das quatro linhas.”

E continuou na sua tese de que medidas de distanciamento social e lockdown, contra qualquer estudo científico que desmentem tal alegação, provocam o aumento de suicídio e que a abertura de igrejas e templos soluciona este problema.

“Quase diariamente eu vejo no WhatsApp suicídio. Coisa que não existia com essa frequência. Geralmente, o cara quando está em uma situação depressiva procura a Deus. E ele procura onde? Na Igreja. No tempo. E o templo está fechado”, seguiu.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora