A censura é derrotada no ato #MoroMente, por Luis Nassif

Quando uma frente exorbita, há paradas estratégicas, mas os avanços continuam em outras frentes, testando as resistências. 

O primeiro passo é deixar de lado ilusões sobre o comportamento político dos Bolsonaro: eles buscam o estado de exceção sim, e todos seus movimentos são de preparativos para o fechamento democrático.

Há método na estratégia, embora sob protagonismo de um personagem tosco. A ocupação de terreno se dá em todas as frentes. Aparelhou o IBAMA, a Funai, enquadrou a Procuradoria Geral da República, segurou as investigações contra o filho, prepara-se para controlar as agências, está aparelhando as universidades públicas, impondo censura a eventos, atacando pelas redes sociais os adversários, ameaçando jornalistas. Quando uma frente exorbita, há paradas estratégicas, mas os avanços continuam em outras frentes, testando as resistências. 

Daí a importância dos gestos de resistência.

É nesse contexto que se insere a iniciativa da Associação Brasileira dos Juristas pela Democracia de um evento na Universidade Federal Fluminense (UFF), o #MoroMente. Veio o veto do Ministério da Educação. O reitor Antônio Claudio aceitou a censura. O diretor da faculdade, Wilson Madeira Filho, resistiu, E o juiz José Carlos da Silva Garcia, deferiu a liminar, autorizando o ato, com base em posição expressa do Supremo Tribunal Federal (STF), contra a censura e a favor da autonomia universitária.

Oficio Wilson Reitoria ABJD
oficio Direito

 

19.09.22 - MS ABJD - UFF
liminar Moro Mente (2)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 comentários

  1. Essa disputa é crucial! Os boçalnaros já deram todas as provas de que sao avessos aa cultura humanística e aa ciência. Pra eles é “doutrinaçao”. Falam de “aparelhamento”, mas aparelham tufo que podem; falam em doutrinação, mas têm alergia ao contraditório e aa critica; fakam de criminalidade, mas incitam a violencia. Insistem em dizer que os outros mentem sobre eles, mas tudo que proferem é “baseado” em mentira e boçalidade. Se deixarem esses caras ganharem o joguinho de inversão sobre o que é a verdade, aí é que o inverno vai ser muuuito mais longo ainda.

  2. Criar o caos econômico-social, aparelhar todas as instituições, cooptar a míRdia, preparar a repressão nos bastidores para o caso de eventual reação* e manter relações prostitutas com o o cafetão imperial da vez é o “caminho”.
    (*) Nós brasileiros em geral temos a “mania” de não reagir a coisa alguma, dificultando (com “desalento”) o planejamento deles, que são então “forçados” a dar golpes e golpes, ou então … golpes.
    Ou não é essa a nossa história desde (pelo menos) 1889 ?

  3. Acho que vivemos numa Sucupira piorada porque o “prefeito” atual não somente é demagogo/mentiroso, como tosco e se tivesse os militares ao seu lado ja teria dado um golpe. Democracia, ora a democracia! E os adesistas sem discernimento vão atras. Fazem isso porque sabem que quando o governo das milicias passar, eles retornam a casaca e tudo bem, serão os primeiros defensores da democracia e do Estado de Direito. O Brasil ainda precisa fazer o processo correto do ditadura militar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome