GGN

A nota dos chefes militares é um acinte à democracia, por Gilberto Maringoni

A nota dos chefes militares é um acinte à democracia

por Gilberto Maringoni

A nota produzida pelo ministro da Defesa e pelos comandantes das três Armas no início da noite desta quarta (7) é absolutamente inaceitável num regime democrático. Em quatro parágrafos, os altos oficiais buscam intimidar o presidente da CPI do Covid, senador Omar Aziz, e, por tabela, todo o meritório trabalho da Comissão.

Não é à toa. Na tarde de hoje, os senadores começaram a deslindar a ação de duas possíveis quadrilhas incrustradas no ministério da Saúde. Elas disputariam o butim do sobrepreço das vacinas. De um lado estaria a ala comandada pelo deputado Ricardo Barros, e de outro, uma turma que teria o coronel Elcio Franco à testa.

As Forças Armadas – que não têm uma história edificante de defesa da democracia – veem agora o resultado de sua nova e desastrada intervenção na vida política do país. Adentram de corpo a ela e agora não toleram críticas.

Cai por terra a propalada superioridade ética e moral dos setores fardados. Não apenas inúmeros membros se beneficiaram de boquinhas, altos salários, planos de previdência privilegiados e alocações estratégicas na máquina pública, como avançaram com avidez em negociações pouco claras.

Ao contrário do que diz a nota, as Forças Armadas não são fatores essenciais para a estabilidade do país de forma isolada. Só o serão se respeitarem as demais instituições democráticas e a Constituição e deixarem de funcionar como partido político.

É obrigação urgente de todos os partidos entidades democráticas e movimentos sociais denunciarem mais essa ameaça de quatro elementos castrenses e repudiar tentativas nada republicanas de pautar o Congresso Nacional.

Gilberto Maringoni de Oliveira é um jornalista, cartunista e professor universitário brasileiro. É professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do ABC, tendo lecionado também na Faculdade Cásper Líbero e na Universidade Federal de São Paulo.

Este artigo não expressa necessariamente a opinião do Jornal GGN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Sair da versão mobile