A nova política externa britânica

Do Wall Street Journal, via Toda Mídia, uma nova política externa britânica, para um novo século: (minha tradução)

“E em seu primeiro grande discurso sobre política externa em Londres, na semana passada, o Sr. Hague [atual Chanceler], disse que a política externa britânica deve perseguir “o claro interesse nacional” e desenvolver alianças com os países em desenvolvimento, como Brasil e Índia, ao invés de depender de alianças com a Europa e América.” 

http://online.wsj.com/article/SB10001424052748704862404575351090672146852.html

Do The Wall Street Journal

The Special Relationship in Peril

Por COUGHLIN CON

A reavaliação radical da política externa britânica realizada pela nova coalizão de governo do primeiro-ministro David Cameron  levantou sérias questões sobre o futuro da aliança histórica da Grã-Bretanha com Washington. Também tem provocado divisões profundas entre os ministros sobre quanto tempo as tropas britânicas permanecerão empenhadas em operações de combate no Afeganistão.

Na superfície, as relações entre Londres e Washington permanecem cordiais. Durante o encontro do G-20 em Toronto no mês passado, Cameron teve o raro privilégio  de pegar uma carona no helicóptero Marine One de Barack Obama, quando nevoeiro e chuva deixaram em terra outras aeronaves, e os dois líderes compartilharam uma cerveja depois de fazer uma aposta sobre o resultado da partida de futebol entre Inglaterra e EUA pela Copa do Mundo, que terminou em um empate.

Mas, em privado, os ministros e funcionários do Sr. Cameron tornaram-se decididamente cautelosos quanto ao presidente norte-americano e suas políticas – uma visão que está tendo um impacto direto sobre a forma como lidam com as relações com a Casa Branca, com Obama e com a guerra no Afeganistão.

Associated Press

Apesar da cordialidade público, os ministros David Cameron e os funcionários tornaram-se decididamente cauteloso do presidente Obama.

Muitos altos ministros, incluindo o Sr. Cameron, tem ficado horrorizados com a forma como Obama atacou a BP -uma empresa que apenas o presidente insiste em chamar em público de British Petroleum -, sobre o catastrófico vazamento de petróleo no Golfo do México. Um importante político conservador me disse que a linguagem usada por Obama contra a BP era “gratuita”, e  um indício de atitude “hostil” do presidente para com os interesses britânicos.

Houve também uma forte apreensão entre os altos oficiais do exército britânico sobre a decisão de Obama de demitir o general Stanley A. McChrystal, o comandante americano  das forças da OTAN no Afeganistão, pelo seu envolvimento em uma entrevista à Rolling Stone, que continha comentários depreciativos sobre o presidente e seus conselheiros para o conflito afegão. “Não havia nenhuma razão para que Obama demitisse o general McChrystal”, disse um alto oficial britânico que trabalhou em estreita colaboração com o general dos EUA em Cabul. “Como  comandante-em-chefe da nação, o presidente poderia ter lidado com o problema com uma repreensão ao invés de demissão sumária. A campanha militar no Afeganistão é muito mais importante do que um artigo baseado em boatos de refeitório dos oficiais.”

A conduta de Obama em ambos os casos, está agora a ter uma incidência direta sobre a forma que o governo britânico escolheu para lidar com Washington, em suas relações  futuras.

“Há uma consciência crescente de que estamos lidando com um presidente americano fraco  não está  demonstrando uma liderança eficaz em uma série de questões”, um dos altos conselheiros de segurança internacional de Cameron me disse. “No Irã, no Afeganistão, Israel e os palestinos, a percepção  crescente é que há uma perigosa falta de liderança vinda da Casa Branca.”

As relações tensas entre Washington e Londres vêm num momento em que William Hague, o novo secretário do Exterior britânico, está empenhado em orientar a política externa britânica em uma nova direção que vai além da tradicional relação trans-atlântica de Londres com a América. Durante seu primeiro encontro com Hillary Clinton em maio passado, o Sr. Hague disse que queria que as relações da Grã-Bretanha com a América fossem  “sólidas, mas não servis,” uma referência  clara ao “poodleismo” da abordagem de Tony Blair em lidar com o ex-presidente George W. Bush.

E  em seu primeiro grande discurso sobre política exterior, em Londres na semana passada, o Sr. Hague, disse que a política externa britânica deve perseguir “o claro interesse nacional”, e desenvolver alianças com os países em desenvolvimento, como Brasil e Índia, ao invés de depender de alianças com a Europa e América.

A nova abordagem a ser tomadas pelo governo do Sr. Cameron também tem implicações para o futuro do compromisso militar da Grã-Bretanha no Afeganistão. Com o Canadá e a Holanda preparando-se para a retirada suas forças de combate do sul do Afeganistão, o Gen. David Petraeus, dos EUA, que substituiu o general McChrystal como comandante das forças da OTAN,  se refere à presença das tropas britânicas na região como sendo vital para o sucesso da operação de contra-insurgência travada contra os talibãs.

As dúvidas britânicas sobre a manutenção de sua presença militar no Afeganistão, foram em parte, alimentadas pela declaração de Obama, em seu discurso na Academia Militar de West Point, em novembro passado,  que pretende ordenar a retirada das forças dos EUA em Julho do próximo ano. Se o Sr. Obama é sério sobre a retirada de suas forças, então faz sentido para a Grã-Bretanha  elaborar a sua própria estratégia de saída.

Mas as preocupações britânicas sobre o esforço de guerra no Afeganistão, são mais profundas que a sua confusão sobre as intenções de  Obama, e poderiam conduzir a Grã-Bretanha a retirar as suas forças, independentemente de que Washington decida.

Para iniciar, o governo de. Cameron está sob intensa pressão do esquerdista partido Liberal Democrata, parceiro minoritário da coalizão, para retirar as tropas britânicas na primeira oportunidade disponível. Na conferência Liberal Democrata do ano passado, Nick Clegg, líder do partido, que agora serve como vice de Cameron, afirmou que a Grã-Bretanha deve declarar um cessar-fogo com o Taliban e retirar as suas tropas o mais rapidamente possível.

Cisões importantes também surgiram na liderança conservadora, que é parte da coalizão dominante. Desde que assumiu o cargo há dois meses, tanto  Cameron como Hague falaram do seu desejo de que as tropas de combate britânicas fossem retiradas no prazo de cinco anos. Em uma entrevista à rádio BBC no mês passado, Cameron sugeriu que as tropas britânicas se retirassem, mesmo no caso dos americanos ficarem. “Esta missão não deve durar para sempre”, disse ele. “Eu estou lá pelo o nosso interesse nacional. Não se trata de ficar com os americanos.”

Mas esta abordagem tem sido contestada por Liam Fox, o secretário britânico de defesa “falcão”, que enfraqueceu as especulações sobre uma retirada britânica rápida durante uma visita a Washington na semana passada, quando  insistiu que as tropas britânicas estariam entre as últimas forças internacionais a deixem o sul do Afeganistão.

E ainda que as forças britânicas  permanecem no Afeganistão até o término da missão, há uma determinação absoluta dentro do novo governo para evitar o envolvimento futuro em campanhas militares no exterior, mesmo que sob o risco de relações tensas com Washington.

“A era em que mandávamos uma grande presença militar ao exterior como parte de algum mal definido exercício de construção de nação, acabou”, disse um alto membro do governo conservador. “Nós vamos lidar com ameaças futuras de segurança de uma forma precisa, prática e focada, sem ficar nos esbarrado em missões que estão além do nosso controle.”

Coughlin é editor executivo estrangeiro do jornal londrino Daily Telegraph.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora