A perda de rumo de Serra

Por weden

Pois é Nassif,

A Folha e a Veja vão jogando Serra numa sinuca.

Vamos chamar isso de “A opção mercadológica de Serra”

Vislumbro problemas muito sérios para José Serra se ele insistir em se apoiar neste jornalismo de alcova. E, para falar a verdade, nem sei se há mais retorno. Esta iniciativa ventríloqua de usar Jarbas Vasconcelos, o amigo de Orestes Quércia, para fazer a já tão saturada campanha moralista mostra a grande desorientação em que se encontra José Serra neste momento.

Definitivamente a revista Veja e Folha de São Paulo não são boas companhias para ele. Mas parece que ele, Serra, não percebeu o risco que corre.A desenvoltura com que Lula assumiu sozinho as bandeiras das esquerdas, e ainda de lambuja conduziu o país sob uma perspectiva liberal, na economia, deixou a oposição em maus lençóis.

Ela não é reconhecida sequer como algo a ser levado a sério pelo espectro de esquerda. Pergunte a um esquerdista se ele gosta de Lula e ele poderá até fazer duras críticas ao presidente petista. Mas pergunte depois se ele compactua com os oposicionistas e ele o responderá mal e ofendido.

Mas estamos falando de uma oposição pouco hábil, moralista, preconceituosa, com um histórico ruim.

Esperava-se de José Serra que fosse um político um pouco mais habilidoso. Sobressaísse entre os seus pares.

Alguém que pudesse ir gradativamente sinalizando um diálogo com as esquerdas – o que não o impediria, evidentemente, de ser o candidato das direitas (o plural é o reconhecimento da heterogeneidade das abas ideológicas).

Mas não. Serra teme perder o apoio de um lado, se avançar o sinal. Está refém do que existe de mais reacionário no país. Em vez de transitar entre as faixas progressistas das duas “asas” ideológicas, prefere apoiar lançamentos de livros de neocons, fazer política de alcova com o suporte da Folha e da Veja, destruir seus últimos laços com todo o progressivismo do país.

Eis a sinuca: Aécio já percebeu a estupidez do governador paulista. È nesta zona cinza entre Dilma e Serra, que ele está buscando o seu nicho.

Conseguiu praticamente a garantia de realização das prévias (negar a ele este direito seria jogar Minas inteira contra Serra) e agora como um amigo-urso convida o correligionário a andar pelo país. Serra não pode dizer que sim. Nem pode dizer que não.

Não pode negar, porque isto mostraria arrogância ou temor – qualidades absolutamente negativas em alguém que quer ser presidente. Não pode dizer que sim, porque simplesmente assumiria, ironicamente, o papel de cabo eleitoral de Aécio (o governador mineiro pegaria caronas na projeção midiática da caravana serrista).

Mas o maior risco de Serra está justamente naquilo que ele tem de maior: o apoio funesto das tendências neocons da Folha e da Veja. Estes dois veículos vivem reverberando teses reacionárias (o “Caso Ditabranda” foi a última estripulia folhesca). Ao mesmo tempo em que são identificados pelo público como serristas.

Daqui para frente, Aécio se mostrará um candidato mais à esquerda; não tanto quanto Dilma, evidentemente, mas será percebido como um candidato que nunca desdenhou do eleitor lulista – como o fizeram a Veja e a Folha – e nem abriu um hiato insuperável com aquela banda ideológica – como fazem diariamente a Folha e a Veja.

Serra fez muito mal em se apoiar em Veja e Folha – elas encontraram razões estúpidas, mas mercadológicas, no que fizeram: a opção pela murdoquização de um lado, a perda de leitores críticos para a web do outro.

Mas Serra não deveria ter caído nesta. Nem está sabendo jogar policamente – não me venham com objeções baseadas em pesquisas: isso se consome como algodão doce ao vento.

Mal assessorado, teimoso ou simplesmente medroso, ele não poderia ter feito (nem continuar fazendo) opções estritamente mercadológicas – quanto mais, estúpidas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

99 comentários

  1. José Serra não tem chance
    José Serra não tem chance alguma. Obviamente que a cidade de São Paulo, é execeção. José Serra parece um ator, que diante do humor da platéia, reage de uma maneira. Lança, seu “PAC”, com direito a exclusiva em horário nobre, antes da entrevista coletiva. Ele inunda a população brasileira com propaganda da Sabesp, que ao meu ver, pessoas de outras cidades e estados, devem olhar com extremo asco. Seria como o Rio de Janeiro, enfiar propaganda goela à baixo dos paulistas, obviamente, não propaganda do turismo. Mas já pensou que se a companhia de água e esgoto do Rio, fizesse uma campanha publicitária nacional, e seu comandante fosse “pré-candidato” à presidência. Imagine o que os paulistas, mineiros, sulistas, nortistas, achariam?

    Além da mídia paulista, que no afã de colocar Serra como O administrador, preparado, etc.. Cometeu uma barriga tremenda ao noticiar que a proposta de mudança de regras para eleição do procurador-geral de Justiça do Estado, foi idéia do governador. O que o próprio procurador desmentiu, dizendo que somente ele poderia propor mudança, enfim. O governador Serra não teria competência para tal, porém propagou-se que José Serra foi o idealizador do projeto.

    “Fernando Grella esclareceu que o anteprojeto de lei complementar que trata da reforma político-institucional do Ministério Público não é uma proposta do governador José Serra (PSDB)”

    “”Nem seria possível tal propositura pelo governador, vez que as normas constitucionais reservam ao procurador-geral iniciativas desse gênero…””

  2. Me perdoe Nassif mas sua
    Me perdoe Nassif mas sua analise esta equivocada, você esta sendo bonzinho demais, o governador José Serra não foi impelido ou conduzido a esse comportamento, esse é o comportamento dele, faz parte da indole dele, ele não é moralista ou preconceituoso, não teria como ser diante dos aliados que tem! ele trabalha com o moralismo e proconceito dos eleitores, foi assim que ele enfrentou e derrotou seus adversários, ele joga no erro deles e tem na sua maquina de divulgação sua principal arma, o adversário erra e a midia repercute, ele não “mata” reputações ele manda matar.

    O elementos da midia que apoiam ele se comportam como funcionarios que trabalham com esgoto, mas fizeram isso durante tanto tempo que hoje se tornaram parte do esgoto, vendem moralismo sem acreditar no que falam, vide a ultima do Jabor que deve morrer de rir quando escuta a si mesmo! essas figuras são bastante pragmáticas afinal eles sabem com quem estão aliados, exemplo do pessoal da Veja que se aliou a Daniel Dantas, eles deve ter muita$ “identificaçõe$ ideologica$”.

    O Jose Serra não tem como ser diferente, ou ele ganha assim ou perde assim, é como o conto do escorpião e da tartaruga, é da natureza dele ser assim, afinal ele conseguiu exitos eleitorais em SP sendo assim e a “conta” eleitoral é simples, SP é dele, o Nordeste é de quem oferecer mai$, aliais o PMDB é de quem oferecer mai$, só não pode aparecer um Aécio para complicar a conta!

  3. Weden, esse seu post poderia
    Weden, esse seu post poderia trazer um outro post publicado por você tempos atrás sobre o somatório dos votos num segundo turno que mostravam a derrota do Serra. Se você reeditar o mesmo post atualizado com os percentuais da última pesquisa que aponto um crescimento da DIlma e queda do Serra, acho que veremos o Serra cada vez mais distante do Planalto.

    Aliás, até sugiro que aquele post sirva como template, somente se atualizando os percentuais a cada nova pesquisa.

  4. Weden,às vêzes fico me
    Weden,às vêzes fico me perguntando se Serra no fim das contas não virou um conservador que aceita apoio político da direita reacionária por sinceridade. Conversão verdadeira mesmo. Afinal não se vê uma iniciativa de cunho ao menos social-democrata em qualquer um de seus governos recentes (municipal e estadual). Se você fôr comparar o modo como as iniciativas governamentais se desenvolvem,sejam no tipo de obras,na administração,no modelo de educação,seja o não combate ideológico a ultra-direita que o apoia,principalmente a que tem voz na grande imprensa (tem mais Opus Dei na imprensa que na sociedade,mas isso é outro assunto),etc.,você verá um governo no mínimo ao estilo Fleury ou até mais para Maluf mesmo. Já ouvi Lula e Maluf (êsse há muito tempo),dizerem que com a idade o conservadorismo político vai se instalando. Pois bem,Lula de socialista virou social-democrata ou até menos que isso,e Serra de social-democrata,virou direita pura que aceita o apoio do arco mais conservador e reacionário da polítca. Acho que a pergunta a se fazer,é quanto isso tem de escolha ideológica sincera e quanto tem de cálculo político.
    PS: Sõbre onde começou e terminou a escolha ideológica de Paulo Maluf,PREFIRO NÃO COMENTAR,rsrsrs.

  5. A propósito de política, é
    A propósito de política, é muito interessante o Brasil visto de fora. Os preconceitos habituais estão geralmente ausentes. Claro que há outros.

    Mas, sugiro a interessante matéria “Lula é excepção á nova moda política na América do Sul”, no Diário de Notícias de hoje.

  6. Estou tentanto várias vezes
    Estou tentanto várias vezes porque vem a mensagem que estou enviando comentários rápido demais. Favor desconsiderar se chegarem vários…

    Os textos de Josias ferem o respeito humano e a democracia, principalmente no que se refere ao questionamento da mulher Dilma. Parece coisa de criança mimada, só que é um homem adulto, jornalista de um grande veículo de comunicação.

    Ser contra idéias é uma coisa, ser contra pessoas é outra. Pelos comentários no blog de Josias vê-se que é a pessoa que está sendo atacada não as idéias dela.

    Perde a democracia, perde a sociedade com este ato irresponsável de um jornalista que deveria se ater ao exercício da sua profissão num veículo daquele porte, que AINDA tem audiência, leitores etc.

  7. Desculpe-me a ignorância caro
    Desculpe-me a ignorância caro Weden, mas esclareça-me a tranquilidade da afirmação: “Esta iniciativa ventríloqua de usar Jarbas Vasconcelos”. Você deve saber de coisas que nós pobres mortais desconhecemos.
    Em tempo, aqui em BH sabe-se de fatos sobre o Aécio que torço para não serem verídicas, Jogaria qualquer candidatura no esgoto (não estou sendo exagerado).

  8. Weden, com relacao a sua
    Weden, com relacao a sua frase, e sem querer provoca-lo:
    “Definitivamente a revista Veja e Folha de São Paulo não são boas companhias para ele”. Que tal se a reescrevessemos como segue:
    “Definitivamente Serra não e boa companhia para elas (Dona Veja e FSP).

  9. Nesse contexto a coluna de ML
    Nesse contexto a coluna de ML de ontem está uma delicia, normalmente não perco meu tempo lendo aquilo mas ontem realmente não resisti, me parecia uma pessoa desorientada, tão acostumada a defender os dogmas do neo-liberalismo agora que o muro de wall street caiu perdeu o chão, em um texto desalinhavado atacava o fato da Ministra Dilma usar o cargo para promover o nome para presidência, no tempo do “melhor ministro da saúde de todos os tempos” isso não tinha importância sem falar na propaganda do governo paulista espalhada pela mídia país a fora, depois voltou a defender o estado fora das atividades produtivas, ele não serve para isso só para socorrer o ousados e eficientes empresários quando a coisa fica feia, o pior foi usar a China para corroborar sua tese, viajou na maionese geral, por fim mostrou inconformismo com o seu partido por estar dividido para a disputa de 2010, se alguma vez tentou disfarçar suas preferencias ontem definitivamente perdeu o senso.

  10. Mas como eu afirmei, na
    Mas como eu afirmei, na matéria da Veja insistindo no caráter ” histórico” da entrevista de_ pasmem_ Jarbas Vasconcelos, ” Se a intenção era minar o grupo governista e atrair o PMDB para uma aliança com Serra, isolou Jarbas_ e seus ” incentivadores”_ de grande parcela do partido, ressentida com a generalização que personaliza. Assim como Serra perdeu o apoio do PFL em 2002, por causa do que fez com Roseana Sarney. A vantagem desse pessoal é que eles não precisam de inimigos, são auto-suficientes na arte de afundar o navio em que estão.” Serra sempre foi assim. Não conseguindo controlar seu viés autoritário acaba trocando os pés pelas mãos. Embora menos conservador que FHC, é na opinião pública, mais arrogante e antipático ( não estou falando do que eu penso). Carisma, nenhum dos dois tinha. Mas FHC pegou o legado de um Plano novo, que, como todos sabem, no Brasil é sinônimo de novidade. E no segundo, venceu através da disseminação do medo de o país mudar em um momento de turbulência econômica como o que vivia em 1998. Ocorre que Serra não tem nenhuma novidade para mostrar. E a mesma crise que possibilitou a FHC um segundo mandato pode beneficiar agora o PT. Se ela continua, o povo pode ter medo de aventuras. Se ela acaba, o governo é idolatrado. Assim, a esperança de Serra reside toda no desconhecimento do nome de Dilma e no fato de que a imprensa está a seu favor ( esperando que desta vez isso funcione). Mas suas estratégias quixotescas sempre acabam trazendo o consenso. Em favor de seus adversários.

  11. É interessante tomar
    É interessante tomar conhecimento de uma cabeça de esquerda
    raciocinando, não pelo que está acontecendo, mas por aquilo que
    ele gostaria que fosse a realidade.
    As coisas que Jarbas falou na entrevista são apenas a repetição
    de tudo que ele, como senador e na tribuna da casa, vem falando
    há muito tempo. A coisa ganhou essa dimensão em vista da Veja,
    que, queiram ou não queiram, detem esse poder de irradiação.
    No mais, são tramas do jogo político que tanto poderá favorecer
    um como outro pretendente à chefia do país.
    Essas coisas a gente só fica sabendo depois que elas acontecem.

  12. Se Sair Dilma X Serra, Dilma
    Se Sair Dilma X Serra, Dilma leva no primeiro turno. Se Sair Dilma X Aécio irão pra o segundo turno e Dilma leva. Se Aécio sair do PSDB e ir para o PMDB do Quércia… Sifu.

  13. Ótima análise que, tenho
    Ótima análise que, tenho certeza, já está correndo nas redações e sendo assunto nos bastidores das campanhas.

    O Painel do Leitor, na Folha de hoje, mostra o tamanho da encrenca que ela está enfrentando por ter optado pela trilha neocon.

  14. Esta não é uma história de
    Esta não é uma história de ficção. Trabalhei quase 30 anos como Assessor da Presidência de uma das maiores emissoras de TV do Brasil. Era um mês de junho dos anos 90. Garoava miudinho e fazia um frio que congelava os ossos. Eram quase dez horas da noite, e eu tinha uma reunião com o Presidente, para discutir algumas situações que podiam colocar a empresa em risco fiscal e trabalhista, referentes a “merchandisings”, comissões de agência, bonificações de volume, notas fiscais de PJ, etc…

    Ao iniciar a reunião, o Presidente disse à sua secretária: “Não quero ser interrompido de maneira nenhuma”. Começamos a discutir os problemas quando, de repente, a secretária pede licença “pelo amor de Deus” e diz que o Diretor de Jornalismo estava na ante-sala, desesperado, e precisava conversar urgente com o Presidente.

    O Diretor entrou e disse, com ar assustado, que o Ministro estava irritadíssimo pela forma que uma reportagem criticava a Saúde do governo FHC, e exigia resposta, embora esta já houvesse sido dada pela sua Assessoria, e anexada à matéria.

    O Ministro queria saber quem era o responsável pela reportagem e exigia que fosse tomada uma providência quanto à permanência do referido profissional na emissora.

    O Presidente, que era uma “raposa” de esperteza, disse ao Diretor, para transmitir ao Ministro, que ele iria entrar em contato com FHC para discutir o assunto.

    Eu acho que, até mesmo lá, no Alto do Xingu, o Indio Tupi, com toda o seu cabedal de economista, é capaz de adivinhar quem é a figura-chave deste evento, que ainda ocorreu por mais três vezes durante minha vida profissional naquela empresa.

    Diante disto chego à conclusão de que, muitas pessoas, por não terem vivenciado trabalhar numa empresa de mídia, desconhecem a verdadeira face do autoritarismo e do vale-tudo para auto-promoção que determinadas pessoas são capazes de assumir.

    A ideologia aliás, nem vem ao caso, nesta breve história, mas mostra a deformidade do caráter de pessoas que vemos, às vezes, numa tela de televisão, vendida como exemplo de “Catão impoluto” e de “homem de bem”, quando, na realidade, não passam de Quasímodos morais.

    Muito pior que tudo isso, é vermos, hoje em dia, empresas de mídia e jornalistas que, passados apenas 10 ou 15 anos, esqueceram-se de que, num passado não tão distante, criticavam, pesadamente, aqueles que hoje endeusam, por motivos claramente comerciais.

  15. O seu comentário político
    O seu comentário político está perfeito. Não faz muito tempo que se fala em caminho da perdição na política brasileira. O Serra fez essa opção como um atalho para a conquista da presidência do Brasil. Este é de fato o maior erro político do Serra; e, de todos os políticos que admitem os caminhos tortuosos como intrumento de conquista política. É pior do que o antigo patrulhamento de direita e de esquerda. Mesmo considerando as característica da personalidade do Serra, citadas por muitos políticos, como: autoritária, populaça e contrária ao desenvolvimento do Nordeste, a opção pela demagogia e pelo ataque inconsequente é a pior, porque o eleitor brasileiro cansou destes procedimentos espetaculosos. Não faz bem para os insensatos quanto mais para quem pretende ser um estadista. Discordo, no entanto, da afirmação de que a política econômica do Brasil segue os princípios liberais. Primeiro, porque liberalismo econômico não se fundamneta em técnicas econômicas e sim em crenças políticas, adotadas na economia. Portanto, a Política Econômica não pode ser liberal, conservadora ou socialista. Qualquer política econômica segue técnicas comprovadas por teorias científicas. Em segundo lugar porque se houvesse algum resquício de liberalismo na economia brasileira ela teria naufragado junto com as economias desenvolvidas. A nossa política econômica segue os princípios políticos da social-democracia. Esta é a razão do sucesso econômico dos países em desenvolvimento como China, India e o Brasil. A campanha do Serra só consguirá dividir o país caso continue nesse rumo. Ontem surgiu o primeiro sinal quando Pedro Sinou expôs que o Quercia e o Jarbas uniram-se para trair o Ulisses Guimarães. É um caminho muito perigoso.

  16. Quanto a Veja e a Folha para
    Quanto a Veja e a Folha para com o Serra, não são escolhas recentes. Sempre estiveram com o grupo político dele. A Veja mais recentemente, já que no passado foi combativa e honesta.

    Quanto ao Serra ter se convertido à direita neocon, isso é bobagem . Ele sempre foi de direita, se fazendo passar por centro esquerda em função das suas ambições políticas. No site do Paulo Henrique Amorim vcs poderão ver um vídeo com a participação dele, como dirigente estudantil, no comício que derrubou o governo João Goulart. Derrubado o governo, após o golpe, como ele não conseguiu uma boquinha como planejado, se auto exilou para fugir de qualquer represália

  17. Nassif, é difícil dizer quem
    Nassif, é difícil dizer quem está mais encrencado: se Serra, que continua aceitando o jogo de Veja e Folha, ou se esses dois veículos, que não tem a quem apoiar, excetuando o próprio Serra. Parece estar claro que chegaram a uma sinuca de bico, não? Engraçado é que, apesar de encalacrado, esse tipo de jornalismo ainda não esgotou a opção suicida de desconstruir o governo Lula e, tal qual um mágico de circo mambembe, não cansa tirar coelhos da cartola. O factóide Jarbas é apenas o início, vem muito mais esgoto e notícias requentadas poraí. Alguém pode duvidar de uma Mirian Cordeiro 2, o retorno? Até quando a dupla Civita/Mesquita irá resistir? Que estratégia pode usar Aécio para não cair nessa arapuca? É bem possível que nessa sufocação de eleger uma oposição factível a qualquer preço essa mídia não lhe dê opções. A mim está claro que a linhagem das raposas mineiras findou e Tancredo foi o último grande felpudo. Em última análise, se a forçação de barra for desmedida, o risco para essa turma é a Dilma faturar ainda no primeiro turno. Abs.

  18. Os próximos passos serão em
    Os próximos passos serão em direção á Aécio Neves, deve haver gente preparando a artilharia, nem tão leve, nem tão pesada . Não finda este ano.

  19. Caro Luis

    Se não me engano,
    Caro Luis

    Se não me engano, venho citando aqui a muito tempo, que “nostro governadô”, pensa como um coroné, estando em uma das maiores metrópoles da América, e desde o segundo turno presidencial, tenho falado que o Aécio é o candidato do Lula. Só não ver quem não quer.

    A queda do Serra, será causada pelo “mineiro” e não pelo presidente.

    Mas temos que lembrar que o Serra tem sempre uma “carta suja” na manga.

    Ontem estava ouvindo o discurso do Senador Pedro Simon, e ele estava dando uma verdadeira aula de historia do MDB ( se puder rever), e falando das traições, envolvendo principalmente do FHC / Ulisses e Tancredo; o neto dará o troco “mineiramente”.

    Caro Weden

    Belo texto.

    Abraços.

  20. O tratamento que a carcomídia
    O tratamento que a carcomídia dá a Serra é completamente diferente do que ela dispensa ao governador do Rio.
    Lá, veículos como a rede Globo, o panfleto de mesmo nome, as rádios, etc, fustigam continuamente o governo, criticando, agredindo. Às vezes justificadamente, às vezes não.
    O resultado é que o governo fluminense tem que estar o tempo todo se esmerando, corrigindo-se, dando explicações. Qualquer escorregão de Sérgio Cabral é aproveitado pela velha mídia. Assim, ele trata de dar o mínimo possível de escorregões.
    Já aqui em Sampa, Serra é filhinho mimado dos jornalecões, redes bobos e almanaques semanais.
    Como todo filho mimado, ele ficou “estragado”, como se dizia antigamente. Infantilizou-se, perdeu a noção política.
    Agora não há mais volta. Depois que ficou anos a fio como o garoto na bolha de plástico, protegido das críticas, blindado pela mídia golpista, resta a ele torcer para que essa aconchegante proteção lhe seja suficiente para seus futuros passos. Não é.

  21. O Serra não sabe com quem
    O Serra não sabe com quem está se metendo. O jarbas é um traidor compulsivo. Procurem saber em Pernambuco, é facil, qualquer pernambucano principalmente do Recife sabe.
    Outra coisa, dizem que ele é vingativo e violento (…)i.
    Muito antes de Lula ser eleito eu o ouvi declarar em uma televisão daqui se Lula fosse eleito tudo faria para atrapalhar o governo dele.
    Todos sabem que ele fez tudo para evitar a vinda da refinaria de Suape pra Pernambuco, parece mentira mas é verdade.
    É necessário e um dever desmascarar o Jarbas.

    E tem muito mais. A Carta Capital poderia fazer uma pesquisa por aquí e publicar o resultado.

  22. Marchinha do Daniel
    Marchinha do Daniel Dantas:

    As Águas Vão Rolar
    Marchinhas de Carnaval
    Composição: Indisponível

    As águas vão rolar,
    garrafa cheia eu não quero ver sobrar,
    eu passo a mão na saca, saca, saca-rolha.

    E bebo até me afogar, deixa as águas rolar.

    As águas vão rolar,
    garrafa cheia eu não quero ver sobrar,
    eu passo a mão na saca, saca, saca-rolha.

    E bebo até me afogar

    Se a polícia por isso me prender e na última hora me soltar, eu pego a saca, saca, saca-rolha e bebo até me afogar, deixa as águas rolar. –

  23. Hoje, a Folha em meio a uma
    Hoje, a Folha em meio a uma série de matérias sobre as demissões na EMBRAER, todas de cunho crítico ao Planalto, coloca em destaque, através das vozes de Afif e Alckmin, que o governo de São Paulo irá ajudar os demitidos com cursos de treinamento e requalificação. Ora, todos sabem do alto nível de qualificação dos empregados da EMBRAER, mas eis aí a salvação de todos nas mãos cobiçosas de José Serra.

  24. serra pensou em fazer ao
    serra pensou em fazer ao Brasil o que o psdb fez em São Paulo, uma frente anti-PT tendo como base a direita. Isso funcionou no Brasil até Lula ganhar a eleição ( a frente anti-PT, o Delfim, em 2002, dizia que faltava escolher quem iria derrotar o Lula). Agora não mais, o governo do PT não aterroriza ninguém, a máquina do governo é a popularidade de Lula atraem aliados à direita. Mesmo em São Paulo, não fosse a desastrada atuação dos dirigentes petistas, é provável que a frente anti-Pt centrada na direita tivesse já se dissolvido. Faltou capacidade analítica ao Serra, pensou que iria ganhar por inércia. Já perdeu. Ciro Gomes, Dilma, ou Aécio terão votos da frente anti-serra que se formou na mídia, nas universidades, sindicatos e eleitores.

  25. Nassif, o estrago é maior
    Nassif, o estrago é maior ainda. A campanha por Serra criou o furo envergonhado. Já viu isso? Um jornal dar um furo e sentir vergonha disso? Pois é, o Estadão, na sexta e no sábado, trouxe boas matérias sobre uma absurda manipulação de documentos para esconder o uso de verbas secretas em despesas que deveriam ser feitas por licitação. Na Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Mas não diz que é a secretaria do estado de São Paulo. Nem no título, nem na linha fina e nem no texto. Temos que supor que a denúncia é contra uma secretaria de Serra. Olhe só os títulos:
    O de sexta-feira: “Segurança gasta sem recibos ou notas fiscais”. Linha fina: “Processos no TCE não mencionam documentos que provem gastos”. A matéria não só não fala de que estado é a secretaria como nem de onde é o tribunal de contas , cita apenas Tribunal de Contas do Estado.
    Agora o de sábado: “TCE vê falha grave na Segurança”. Linha fina: “Conselheiro critica forma como secretaria faz prestação de contas”. O texto cita apenas uma tal de “Secretaria de Segurança Pública”. De onde é? Quem manda ali? Quem é esse tal de “Segurança” que apornta tanto? Devem estar pensando no uso que os adversários de Serra possam fazer dos títulos no horário eleitoral gratuito.
    Muito triste. Nunca pensei ver um furo tão eficiente manchado pela vergonha de dizer seu nome.

  26. O factóide de Jarbas continua
    O factóide de Jarbas continua sendo usado pela Veja.

    Como não teve a repercurão esperada a revista voltou ao assunto.

    Tem como objetivo desgastar o PMDB em vista de dá apoio ao governo Lula.

    A revista esquece deliberadamente de Quércia, que faz parte do partido, mas por certo ela o considera um corrupto regenerado.

  27. “(negar a ele este direito
    “(negar a ele este direito seria jogar Minas inteira contra Serra)???”. A unanimidade em torno do governador em Minas só existe na fraca e comprometida mídia local e nos resultados das pesquisas contratadas pelo governo do Estado. As últimas eleições mostraram que tal formulação não passa de mito. O segundo colégio eleitoral do país é um tanto mais complexo. Além de colecionar derrotas nos principais colégios eleitorais mineiros, o atual governador não possui um nome para disputar o Palácio da Liberdade. Independente de nomes, os tucanos não terão facilidades em Minas.

  28. Mas Nassif o que você
    Mas Nassif o que você esperava?
    Quem é o maior defensor de Serra, e ainda lembrado por sua desastrosa condução, se não FHC?
    Serra é uma FHC (…), com uma mídia domesticada e muito pior à ser, se o acaso levá-lo ao palácio… Casos como da privataria, reeleição e outros seram abafados como no Governo pós Itamar… O Serra caiu no conto do “Brasil que a Veja quer”.

  29. Werden,
    Eu tenho insistido
    Werden,
    Eu tenho insistido aqui no blog do Luis Nassif e em outros blogs que tratam de política que a grande obra de engenharia que se construiu no Brasil nos últimos 15 anos com possibilidade de se manter por mais 10 anos foi transformar a imprevisibilidade da democracia em um fato previsível com a assunção do Poder Republicano pela intelectualidade de esquerda paulista.
    A obra foi construída com a cumplicidade de jornalistas que ajudaram a transformar a política brasileira em uma briga entre o PT e o PSDB. Agora surge essa tese sem fundamento, que o Luis Nassif já expressou de outro modo, dizendo que o Serra foi capturado pela direita.
    Eu não gosto de FHC, mas considerá-lo de direita e neoliberal é brincadeira. Ele não tinha e nem tem vivência administrativa de chefe de executivo e, na minha opinião, foi o menos qualificado Presidente da República que tivemos. E por representar os interesses paulistas foi bastante danoso ao federalismo brasileiro (que é base de qualquer política de distribuição de renda que se queira fazer no Brasil, pois como melhorar a distribuição de renda se uns estados possuírem alta renda per capita e outros baixa renda?). Sempre foi e continua sendo, entretanto, um grande defensor do Estado (Não são assim, nem liberais, nem anarquistas nem comunistas, sendo esses dois últimos os grandes inimigos do Estado).
    Não gosto de Serra por representar os interesses paulistas e pela participação dele no Plano Cruzado (Não foi direta, mas quis dar essa impressão em entrevista na Veja de março de 1986 com o título de “O Cruzado já vingou”). Embora ele e FHC tenham usufruído do bônus do Plano Cruzado, e eu sou crítico de todos eles que usufruíram desse bônus, não se pode esquecer a fase de aprendizado da arte de dirigir do Serra na juventude que deve lhe ter dado bem mais qualificações para assumir a chefia de executivo do que a FHC. O grande senão que vejo em Serra é uma crença exagerada nas opiniões (opiniões sim!) que ele têm sobre a economia.
    É claro que a construção da engenharia política precisou ir contra princípios democráticos. Não se fazem planos econômicos em ano de eleição, nem se os fazem para eleger Presidente da República e muito menos se o candidato não teve nenhuma experiência administrativa na época em que se desenvolvem as habilidades gerenciais (É assim que essas habilidades são forjadas pelas pessoas com carisma e espírito de liderança na mocidade). As conseqüências políticas danosas dos planos em época de eleição e também as conseqüências econômicas danosas deles é que deveriam ser mais discutidas na imprensa, mas ela só sabe falar dos juros altos como se esses não tivessem nenhuma relação com a forma como o Plano Real foi feito.
    De todo modo, essa obra de engenharia deixou a direita no contra-pé. Hoje ela, que sempre foi protagonista, funciona como coadjuvante ora de Lula ora do PSDB. Censurar o Serra por contar com a ajuda da Veja não faz o menor sentido.
    Poderia ficar aqui relacionando as minhas intervenções no blog onde as minhas opiniões acima são apresentadas com mais detalhe, deixarei, entretanto, para fazer isso em outra oportunidade.
    Clever Mendes de Oliveira
    BH, 21/02/2009

  30. Ótima análise sobre a
    Ótima análise sobre a estratégia serrista. Ele não tem saída, pois sem o apoio de Veja e Folha ele não terá o voto da classe média conservadora.

  31. Estou torcendo para que Serra
    Estou torcendo para que Serra seja o candidato, porque derrotar Aécio seria mais difícil. Melhor deixar para bater nele depois que sua candidatura se confirmar, senão corre-se o risco de termos Aécio candidato.

  32. Interessei-me pelo assunto
    Interessei-me pelo assunto quando li o título: A perda de rumo de Serra. Fiquei curioso e pensei com meus botões: Como alguém pode perder o que não tem? Resolvi ler a matéria. Gostei imensamente. Veio de encontro ao que eu já pensava. Meus parabéns! Na frase:mal assessorado, teimoso ou simplesmente medroso, faço uma ressalva: É burrice mesmo!

  33. Vcs estão tds cegos, surdos
    Vcs estão tds cegos, surdos , esse cara sempre foi um conservador , somente usou a esquerda para ganhar um pouco de verniz. Agora ele está onde sempre esteve , no lugar certo, se reencontrou.

  34. Leio aqui um festival de
    Leio aqui um festival de otimismo. Palavras como “Dilma faturar ainda no primeiro turno”, “Serra numa sinuca”, “oposição pouco hábil”, em minha opinião soam tão doces quanto precipitadas. Eu aposto que antes de apontarem os canhões para o Aécio muita coisa vai rolar. A primeira delas vai ser a questão das pesquisas. Hoje o grande lastro dos apoiadores de Lula e sua pré-candidata são os índices de aprovação de Lula e seu governo. Ninguém questiona estas pesquisas. Imaginem quando estes índices caírem alguns pontos – o que seria a coisa mais natural do mundo, já que não é possível que ainda não tenha batido no teto – o barulho que vai ser feito por esta mídia, e já acompanhado do seguinte chavão: ué, quando os índices subiam vocês não reclamavam, agora que caiu, bla, bla, bla….
    Esta gente já mostrou que não tem pudor e até este momento a única coisa que – aparentemente – estão honrando são os números das pesquisas. Quem aqui garante, que, por exemplo, o DataFolha (Folha de São Paulo), ira continuar nesta toada. Eu não descarto até a possibilidade de que estes números atualmente apresentados estejam inflados, para justamente o tombo parecer maior quando eles começarem a cair, ou “serem despencados”.

  35. O estrago feito ao PSDB por
    O estrago feito ao PSDB por FHC depois que deixou a presidência, por não dar-se ao respeito como um ex-Presidente ao ficar a toda hora atacando o presidente em seu cargo e ao comandar uma cruzada desmoralizadora e desestabilizadora ao governo e ao Presidente Lula, é quase irrecuperável. A maioria da sociedade enxergou claramente que esse grupo pautou Estadão, Veja e Folha e seus ‘grandes jornalistas e editores’, que se engajaram nessa cruzada, e que perderam também. E Serra está irremediávelmente associado a isso. Não sei o que fará para livrar-se desse fardo, afinal justo.
    Fico impressionado com a visão do Lula ao escolher Dilma com tanta antecedência.

  36. O autor lamenta os desvios de
    O autor lamenta os desvios de Serra, achando-o pouco habilidoso. O autor acredita que Serra é um homem de esquerda mal acompanhado. O Serra foi de esquerda. Foi, não é mais. Há muito tempo. O projeto dele e da camarilha dele é de direita. Não há erro nenhum com a Folha e Veja. As duas fazem parte do projeto dele.

  37. Também acho que esse convite
    Também acho que esse convite do Aécio ao Serra para circularem juntos Brasil afora foi um lance muito interessante.

    Quando poderia adotar uma postura agressiva, visto que os subordinados do Serra lançam petardos contra o mineiro, ele arrefece os ânimos.

    Mostra um tom conciliador que é o contraponto desejado em relação à arrogância do Serra.

    E ainda estão presentes as qualidades intrínsecas desta proposta de apresentar à sociedade o que se pretende para o país.

    A questão nem é a qualidade da idéia, a conveniência do tal plano desconhecido.

    Mas o conceito inédito, e a meu ver alvissareiro, de estabelecer um diálogo e abrir um debate momentos antes da própria eleição.

    E isto quando muito se falta da ausência de proposta, ou melhor, de projeto para o país.

    Na minha modesta opinião é, bem ou mal, um estímulo à democracia.

  38. Serra está apostando todas as
    Serra está apostando todas as fichas nos reflexos negativos da crise internacional na economia brasileira e em maiores desgastes que a mídia golpista continuará tentando contra Lula. São seus suportes absolutos. Com eles, aspira inverter o jogo eleitoral. Entretanto, o Aécio é uma incógnita que deve preocupá-lo dia e noite. Se o Aécio perder as prévias, dificilmente irá se dedicar á campanha do Serra. Tratará de investir em sua campanha para o Senado. E sem o apoio ostensivo de Aécio, Serra terá problemas com o eleitorado mineiro. Agora, o Aécio sabe que há uma brecha a ser explorada por ele. Daí sua pressa em definir o candidato tucano. Caso perca na prévia, tem possivelmente o PMDB como legenda para candidatura a presidente. Mas para se filiar, terá até 01 de abril de 2010. E o Serra, naturalmente, pressionará para realizar a prévia depois deste prazo. Aécio tira mais votos de Serra ou Lula ? Em princípio, acho que de Serra. Com as regiões norte e nordeste mais propensas a apoiar a candidata lulista, a briga pelo eleitorado do centro-sul será mais acirrada. Para piorar, os apelos do PIG a favor de Serra (a ditabranda da Folha foi ridícula e confirmou tudo o que se fala sobre o PIG) poderão mais gerar perdas que ganhos. Pelo menos entre um eleitorado crítico que cresce a cada dia.

  39. Na minha opinião estamos num
    Na minha opinião estamos num verdadeiro jogo de xadrez onde os lances imediatos certamente irão comprometer o final do jogo.
    O índice de rejeição do Serra vai ser crescente e irá comprometer sua candidatura, abrindo espaço para o Aécio. E a partir daí, este terá seu “telhado de vidro” exposto.
    Por outro lado, a candidatura Dilma, sob bombardeio cerrado muito cedo, também poderá sofrer avarias.
    Imagino que os dois lados já devam estar prevendo um “Plano B” para o Cheque-Mate final.

  40. O Serra é refém daqueles que
    O Serra é refém daqueles que o acompanham, Anibal, Goldman, etc. Flertar com a esquerda com esses “companheiros”? Impossível. Soaria ridículo.
    Ou o PSDB encara de uma vez por todas que o Brasil se tornou bipartidário – e que a ele coube o lado direito – ou estará se preparando para ser mais um desses partidos fisiológicos, cuja existência se resume a esperar os restos do butim.

  41. É ingenuidade acreditar que
    É ingenuidade acreditar que tais fatos ocorram sem uma deliberada ação do governador a favor disto. A conta já está acumulando e será cobrada a que valor de juros e correção?
    Não há idealismo dentro da Veja ou Folha!
    Isto estamos vendo, o pagamento certamente não veremos!

  42. Oi Stanley, vou procurar este
    Oi Stanley, vou procurar este post, sim…

    Mas o cálculo é simples:

    Eleitores de Dilma não votam em Serra.
    Eleitores de Heloísa Helena não votam em Serra.
    Eleitores de Ciro Gomes não votam em Serra.

    Portanto, há alguma coisa fora da ordem com os cálculos do segundo turno. Não que eles estejam errados. È que apenas não consideram a própria dinâmica da campanha. COmo não poderiam.

    Não tenha dúvidas de que Ciro Gomes se lançaria numa campanha aberta por DIlma, ou vice versa, dependendo de quem chegasse ao segundo turno. Lógico que a transferência não é automática, mas falemos de probabilidades.

    Acredito que Heloísa apoiaria Ciro, mas não Dilma. Mas como se viu nas últimas eleições, a transferência dos seus votos é quase automática para o candidato da esquerda.

    É disso que falo no texto aí em cima: Serra poderia pensar melhor em se afastar tanto destes eleitores. E a Folha e a Veja, imaginando um poder que já não possuem, fazem questão de acreditar que, no seu papel de house organ da campanha serrista, podem dispensá-los.

  43. Andrei,

    Visitei e não
    Andrei,

    Visitei e não encontrei a sua matéria indicada “Lula é excepção á nova moda política na América do Sul”, no Diário de Notícias de hoje.

  44. Nassif e pessoal, bons textos
    Nassif e pessoal, bons textos e análises.

    Os dois esgotos midíaticos citados, quando começarem a aparecer os dados da péssima gestão serrista, turbinados ainda pelos problemas de corrupção do Kassab, perderam ainda mais leitores e esses dois políticos, eleitores.

    É questão de tempo.

    Abraços, Gustavo.

  45. O zé serra está ligado as
    O zé serra está ligado as oligarquias mais atrasadas do Brasil.

    Que resultado espera o sujeito com veja, fsp e rede globo fazendo campanha despudorada prá ele?

    Então não sabe ainda que as pessoas percebem o engodo…

  46. A campanha moralista é o que
    A campanha moralista é o que resta à direita. Como fez contra Getúlio. Mas naquela época as Forças Armadas estavam à mão. E agora? A mídia. Parece pouco. 84% é muito, é quase unanimidade. “Ou Dilma ou o retrocesso”. Está ganha a eleição. Quem quer andar pra trás. Talvez mais 20%, ainda assim sobram 64%. Uma aposta: Dilma será eleição no primeiro turno, com 60% dos votos.

  47. Me perdoe mas a analise esta
    Me perdoe mas a analise esta equivocada, esta sendo boazinha demais, o governador José Serra não foi impelido ou conduzido, esse é o forma de fazer politica dele, não existe moralismo ou preconceito, as alianças dele não permitem esse tipo de restrição, aliais o PT tambem não pode mais usar essa bandeira, essa abordagem trabalha com o moralismo e proconceito dos eleitores, foi assim que enfrentou e derrotou seus adversários, jogar com o erro deles e tem na divulgação seu principal meio, o adversário erra e a midia repercute, não “mata” reputações, manda matar.

    O elementos da midia se comportam como funcionarios que trabalham com esgoto, mas fizeram isso durante tanto tempo que hoje se tornaram parte do esgoto, vendem moralismo sem acreditar no que falam, o Jabor deve morrer de rir quando escuta a si mesmo varias vezes! essas figuras são bastante pragmáticas, sabem quem são aliados, será que algum acha que os fins justificam os meios?

    O Jose Serra não tem como ser diferente, ou ele ganha assim ou perde assim, é como o conto do escorpião e da tartaruga, é da natureza dele ser assim, afinal ele conseguiu exitos eleitorais em SP sendo assim e a “conta” eleitoral é simples, SP é dele, o PMDB é de quem oferecer mai$, mas tem de mudar alguns que não tem acordo, como José Sarney e não pode aparecer um Aécio para complicar a vida.

  48. Sou um sexagenario, que toda
    Sou um sexagenario, que toda a vida acompanhei a politica brasileira pela nossa nobre imprensa, e naturalmente fui influenciado e manipulado por ela em varios instantes da vida da nação. Depois de tudo, o que se ve hoje dá para resumir numa frase de um cidadão que foi alçado e abatido por essa “nobre” imprensa: ” O tempo é o senhor da verdade”.

  49. A sociedade se movimenta
    A sociedade se movimenta independente da Folha – e dos ataques de mimo do Otavinho – e da Veja. O foco nas eleições ainda deixa em aberto o Brasil que vem se transformando. Eu mesmo não sei o que mudou, mas que houve mudanças na estrutura social , isso teve. Vejo muitos paulistas desnorteados atacando o Lula, sem perceber que ele não tem nada a ver com o que acontece. Ou seja, há um movimento que não comporta mais o ranço paulista de ser a locomotiva do Brasil. Há oportunidades no Nordeste para abertura de trabalhos em serviços e produção, bem como estão em processo de se livrar do cancer do coronelismo naquelas regiões. A dialética entra em cena: o que era mais atrasado abre-se ao novo, e este, desconsiderado pela elite paulista como piegas, impõe-se ao país. O arcaico Paulista, formado no século XIX e início do XX pelos barões do café que transferiram sua renda para a industrialização, e a vinda de imigrantes que se identificaram com os códigos de dominação senhoriais estão em colapso. Não há possibilidade nenhuma do Brasil avançar baseado em São Paulo. Este estado, no qual eu convivo, passa a expressar o atraso do país.

  50. E por falar em Serra, será
    E por falar em Serra, será que os paulistanos e paulistas sabem que o Governo de São Paulo está gastando dinheiro do contribuinte com propaganda da Sabesp (?) em Estados da União que nada têm a ver com essa tal Sabesp? Antes, na tv por assinatura; agora, na tv aberta. Aqui, no Maranhão, a coisa corre frouxa. É na tv fechada e na aberta. Tenho notícias, fornecidas por amigos de outras cidades, de que o “fenômeno” está espalhado por todo o Brasil. O que nós, pobre nordestinos, temos a ver com essa tal Sabesp? Ela irá trazer algum benefício para nós? Ou será que se trata de propaganda do Serra? Se for isso, a imprensa não poderia fazer algum artigo, ainda que pequenino, a respeito do assunto? Ou isso seria pedir muito? Cadê a mídia que a tudo vê e que de tudo sabe? Será que não está sabendo disso, ou está caladinha em razão de estar mamando nas tetas do governo de São Paulo? Onde estão os paulistas e paulistanos? Por que não botam a boca no trombone? Afinal, o dinheiro sai do bolso deles e de todos nós. Isso poooode?

  51. Weden,

    Acho suas alnálises
    Weden,

    Acho suas alnálises sempremuito boas. Contudo, devemos enfatizar também que há muitas arestas da Dilma com a esquerda. Dizem que ela é terrivelmente anti-ambientalista. Além do mais o voto não é tão automático. A Dilma terá que mostrar que é mais do que a candidata do Lula.

  52. Com essa gestão medriocre de
    Com essa gestão medriocre de Serra aqui em S.Paulo, fica dificil, ele pode se afastar da Veja,Folha…de quem ele quiser, só que em 2010 ele não leva, se brincar perde ate aqui.

  53. O Guevara escreveu:
    “Se o
    O Guevara escreveu:
    “Se o Aécio perder as prévias, …””

    Caro Guevara, penso que o correto é:

    “Quando o Aécio perder as prévias, …”

  54. Caros Postadores,

    quanto ao
    Caros Postadores,

    quanto ao Serra:

    Só se o Serra for O TÁ RIO para saír pelo Brasil tal e qual um menino que é comandado pelo Aécio.

    Santa Inocência !!

  55. Serra não eh totalmente burro
    Serra não eh totalmente burro e imbecil ou incompetente.

    Eh omisso.

    Ninguem sabe o que ele pensa, se ele pensa que pensa…Vi dia desses um programa sobre a historia da une e dah para perceber nitidamente a posicao politica da maioria dos ex-presidentes mas o serra não diz nada que o coloque em alguma posicao…era um desposicionado!

    Alias, a omissao diante dos problemas brasileiros e os programas para resolve-los eh o maior problema dos demotucanos. Eh um problema da direita e agora, com a crise, principalmente dos neonliberais: como defender um modelo que esta falindo no mundo?

    (parabens ao weden pelo post e aos comentaristas, cada um com uma serie de dados e opinioes que desmascaram o esquema intermidiatico-demotucano, como sempre autopautados para desconstruir os movimentos sociais e o governo lula)…

  56. Em um momento de filosofia
    Em um momento de filosofia (não muito profundo), com alguns amigos surgiu a hipótese do governo paulista estar metido até o pescoço na demissão sem muita lógica da Embraer (e a forma bombastica como foi feita). A queda prevista na entrega de pedidos firmados (são compras de longo prazo) será , se confirmada, de uns 5 ou 7% da carteira e a mão de obra demitida, mais de 20%. O governo de SP agiu prontissimamente oferecendo cursos de requalificação (a um grupo de trabalhadores altamente qualificados, como os da Embraer) e recolocação no mercado, como se já soubesse ou já estivesse esperando a noticia. A saber, a Embraer terá de recontratar uns 80% do pessoal demitido (altamente qualificado e sem substituto no mercado) somente para manter a carteira de encomendas de 2009. O resto, é filosofia….

  57. Nunca tive ilusões em relação
    Nunca tive ilusões em relação ao serra. E minha opinião não faz parte da atual moda de atirar pedras nele.

    Na verdade acho que serra, falha de sp e (não)veja se merecem. Pra mim, se forem todos juntos pro mesmo buraco ainda melhor, econoizaremos pá e terra.

    Ele nunca foi de esquerda ou de qualquer coisa.. Ele sempre foi oportunista. Isso é história.

  58. Aécio que se cuide;quaquer
    Aécio que se cuide;quaquer tentativa de impedir o Serrágio de chegar ao poder,logo,logo aprecerá o DOSSIÊ MINEIRO.Lembrem-se de Roseana Sarney.O PIG,ainda porá a culpa nos aloprados do PT.

  59. Caro Weden,
    Pelo que li “an
    Caro Weden,
    Pelo que li “an passant” das participações no seu post, diria que você está com um indice de aprovação semelhante ao Lula, no mínimo.
    Pincei algumas frases, da riquíssima participação:
    Antonio Morais: Como é bom saber o que realmente ocorre na política. Obrigado pela luz Nassif.
    João Carlos: Ótima análise que, tenho certeza, já está correndo nas redações e sendo assunto nos bastidores das campanhas.
    romério rômulo: diferentemente do weden,considero a fsp e a veja os aliados ideais do serra. os 3 fazem o mesmo “serviço”.
    Mário Mendonça, Caro Luis: Se não me engano, venho citando aqui a muito tempo, que “nostro governadô”, pensa como um coroné, estando em uma das maiores metrópoles da América,…,. Mas temos que lembrar que o Serra tem sempre uma “carta suja” na manga,…., Caro Weden, Belo texto.
    Alvaro: Ótima análise sobre a estratégia serrista. Ele não tem saída, pois sem o apoio de Veja e Folha ele não terá o voto da classe média conservadora.
    Robin: Sou um sexagenario, que toda a vida acompanhei a politica brasileira pela nossa nobre imprensa, e naturalmente fui influenciado e manipulado por ela em varios instantes da vida da nação. Depois de tudo, o que se ve hoje dá para resumir numa frase de um cidadão que foi alçado e abatido por essa “nobre” imprensa: ” O tempo é o senhor da verdade”.

    Esse post no Blog líder em credibilidade, participação, que é referência para o comunidade da blogosfera e da mídia, como foi citado acima, é mais uma prova da contínua perda de poder da grande mídia e seus “secredos” em: conchavos, articulações, jogadas e lances políticos partidários, que no fundo nada mais são que segredo de polichinelo, e mais, o rei dessa nossa “indústria jornalistica” esta nú, e dão sinais de que seguirão na linha da intelligentsia estúpida.

    Estão novamente fazendo uma aposta cega para os próximos anos, seguindo o lado negro do quando pior melhor, igual aos últimos anos. Mesmo que vença o pior na política, serão perdedores, pois perdedores sairão a sociedade como um todo.

    Weden, gostaria de fazer um comentário nessa sua brilhante analise, vejo claramente, nesses passos iniciais da disputa eleitoral para 2010, e esboço de estratégia política, uma forte influência do que ocorreu nos ultimos anos na disputa eleitoral nos EUA, as semelhanças são inumeras, seja nas ações políticas partidárias e mesmo nas ações midiáticas da industria jornalística tupiniquim, mas sem qualquer originalidade e adaptação, estão empurando abaixo o modelo do norte como cópia a ser reproduzida literalmente, isso mostra o tamanha da perda de rumo da mídia, da direita e extrema direta, os neocons daqui.

    A disputa nos EUA foi antecipada em mais de um ano, pela primeira vez na história, por um conjunto de fatores, aqui alguns:
    -A falta de credibilidade (Iraque, guantanamo, Abugrabi, et) e falta de governo no gov. governo Bush, e depois, o total desgoverno, nos ultimos 8-10 meses, o império ficou nu e acéfalo.
    -A vitória dos dos Democratas nas eleições de 2006, assumindo o controle da camara , sendo a deputada Nancy Pelose, a primeira mulher lider (Speeker) da camara e também a maioria e controle do senado.
    -Em seguida, os democratas exigiu a demissão de Donald Ramisfield da Secretaria de Segurança.
    – Em pouco tempo, a Senadora Hillary Clinton se lançou na disputa eleitoral para 08
    -Meses depois, o mesmo ocorreu com Obama (Fev de 2007) e mais de meia dúzia de cadidatos.
    -A mídia apoiou, dando total cobertura nos eventos e debates, principalmente do partido democrata e depois para o partido republicano, que se lançou m puco mais tade, mas se tinha claramente, uma tendência e uma vontade que vinha da sociedade como um todo, de tirar os republicanos da casa branca.
    – A camapanha empolgante, contagiosa, apaixonante e extremamente organizada, usando a internet para mobilizar os eleitores e ao mesmo tempo para fontes de arrecadação, alçou definitivamente Obama como uma estrela do patido Democrata, lembrei do Lulalá de 1989 no Brasil e com o tema dele de “Esperança vencer o medo”, tamém muito conhecido por nós. Era nitido a forte influência dos ventos e da energia de mudaças, que começou do lado de baixo do equador na campanha do afro-americano, Barack Obama.
    – Por fim o colapso do sisema financeiro elegeu Obama

    No seu texto, destaco um detalhe, quando você fala sobre a estratégia de Aécio: “Conseguiu praticamente a garantia de realização das prévias”.
    Vejo aí um uma estratégia de Aécio de procurar os vendos positivos da história recente, seja de Lula, seja de Obama e da cobertura da mídia. Embora não temos tradição em disputas de prévias nos partidos, o PT teve (ainda tem?) uma certa tradição em relação as disputas estadual e municipal, mas na esfera federal não ocorreu devido a trajetória de candidato único com Lula até aqui, e pelo visto, segue no mesmo caminho com Dilma.

    Ao meu ver é certamente uma estratégia sábia de Aécio, mesmo que não consiga criar raízes e tradição nas prévias partidárias, está jogando a favor de pontos positivos, ou seja, no mínimo está tentando o avanço na maturudade das disputas nos partidos. Mas acho-o menos qualificado que o Serra, mas como se diz a imagem das coisas e não a realidade das coisas importa mais no marketing, ele esta sabendo fazer esse jogo. Serra está entrando na pré-disputa com o anti-candidato, a panela que não tem nenhum teflon, tudo de ruim pode colar nele, taí os lances dele com os neocons midiático. Se o dono do jornal disse que faria de tudo para eleger Serra presidente, o filho, já deu sinais que poderá vender até a mãe.

    O situação confortável em credibilidade do governo Lula, diferente portanto do que ocorreu no gov. Bush no norte, ams ao meu ver, ele está misturando a conjuntura econômica da crise mundial, com a antecipação política eleitoral, o que poderá ser muito prejudicial ao país, o argumento do Serra, nesse sentido de não se antecipar a campanha, mesmo que seja para se defender e correr do Aécio, me parece mais sensata e coerente.
    Encontra-se nessa quadro caótico, o desespero da oposição com a mídia, em suas estratégias e segredo de polichinelo.

    Sds,

  60. Da internauta Soninha Lins:
    Da internauta Soninha Lins:

    [Soninha Lins] [[email protected]]
    O Serra está sem discurso em 2010. Como é que ele vai se apresentar à nação e dizer que o cerne de sua ideologia, o neoliberalismo, é o responsável pela dêbàcle do capitalismo mundial? Como é que ele vai explicar que temas tão caros ao tucanato, como Estado mínimo, desregulamentação, privatização, terceirização, as malfadadas “reformas” e enxugamento do Estado foram as responsáveis por jogar o capitalismo mundial nesse buraco? Os cardeais do PSDB, DEM e seu eterno sabujo PPS, já sabem que não têm mais discurso! O discurso do Estado forte e indutor do desenvolvimento, esse é do PT e da Dilma! Alô tucanos e DEMmônios: fim de linha; game over proceis!

  61. Conti-Bosso

    Parece,
    Conti-Bosso

    Parece, realmente, como você diz, uma cena de desespero. Você conhece quando um time não está bem, quando ele apela para qualquer coisa.

    É isso que vemos atualmente na oposição, mas insisto mais do lado de José Serra: uma interminável série de quaisquer-coisas.

    Abs..

  62. José Ayres Lopes

    Não acho
    José Ayres Lopes

    Não acho que ele seria um candidato das esquerdas.

    Mas que seria um pouco mais inteligente.

    E, entre nós, inteligência nada tem a ver com ideologia.

    Mas aceito as críticas.

    Abrs..

  63. O grande problema é a
    O grande problema é a internet. Creio que essas duas empresas já estão sentindo na pele este fato. Ironicamente, acredito ser no seu público alvo onde ocorre a maior migração para internet.
    Assim, essa coisa de fulano se alinhar com tal mídia, beltrano com outra, é coisa arcaica. Não acredito que somará.
    Senão vejamos:
    1 – De um lado, as classes mais bem informadas, e, que leêm ou liam assiduamente a mídia impresa, está migrando para internet. E, assim, conseguindo ter uma visão mais ampla dos movimentos de cada candidato.
    2 – De outro lado, as classe menos assistidas nunca foram assíduas da mídia impressa. No máximo televisão e rádio. E, para piorar, não passarão pela “fase” dos jornais como conhecemos, irão direto para a internet – inclusão digital.
    Assim, acho que alguns políticos brasileiros parecem não estar conectados com a situação tecnológica atual e com o impacto que a bolsa família e outras atitudes promoveram na maior parte do eleitorado – aquele que decide.
    De fato, não creio que manchetes neste ou naquele veículo, tenham qualquer repercursões naquela maioria do eleitorado. Por outro lado, no eleitorado mais informado, e com melhor poder aquisitivo, o risco de se ter repercursões negativas é extremamente alto.

  64. Werden,
    Enviei alguns
    Werden,
    Enviei alguns comentários para dois textos no blog do Alon Feuerwerker em que ele aborda a entrevista do Jarbas Vasconcelos. O primeiro texto de 14/02/2009 intitulava-se “Não fique chateado com o garçom, senador. Reclame do dono do restaurante” e o outro “O tantinho e o tantão” de 16/02/2009. Nos meus comentários, não dava muita importância a entrevista do Jarbas Vasconcelos. Não me passou despercebido uma declaração dele sobre a CPMF. A declaração, entretanto, não repercutiu na imprensa. O que repercutiu foi a declaração de corrupto.
    Eu já me preocupei muito com a corrupção, e ainda hoje me preocupo, mas bem menos. Da década de 80 em diante, eu comecei a perceber que a incompetência é muito mais grave que a corrupção. As duas têm um inconveniente: não podem ser medidas. A incompetência têm uma vantagem: é perceptível. Você não consegue saber se um administrador é competente ou incompetente, mas você vê os efeitos de uma incompetência e disso tirar suas conclusões. O calculista de Sérgio Naya era incompetente como os cálculos dele demonstraram. O que dizer de Sérgio Naya como administrador?
    O Plano Cruzado foi de uma incompetência atroz. Para mim, se a política certa tivesse sido adotada, mantendo o crescimento elevado de 1985 e reduzindo vagarosamente a inflação, talvez hoje o Brasil apresentasse um PIB maior ou igual ao chinês.
    Os políticos que falam de corrupção são como eu era na minha juventude: um ingênuo, ou agem de má-fé. Por isso pouco me interessa a opinião de um político quando ele fala de corrupção.
    Há muitas opiniões nos comentários semelhantes à minha. Essa coincidência não é importante e pode não significar nada. O que me atrai é perceber o quanto há de crítica a José Serra como sendo alguém de direita. Luis Nassif é de esquerda. Ele gostava muito de algumas figuras proeminentes da direita, como o Jobim. O Jobin é, entretanto, uma direita light, resquícios da direita comedida que se opunha a Leonel Brizola. O Luis Nassif também admirava o José Serra. E o admirava por se tratar de alguém que estava a esquerda do Luis Nassif. O José Serra não mudou de opinião. Talvez hoje ele tem uma qualidade que ele nunca possuiu. Vejo o Serra mais humilde hoje.
    Atualmente José Serra está pondo em prática tudo que o Aécio fez aqui em Minas. Copiar é uma qualidade dos humildes. É política de direita, mas Luis Nassif não pode criticá-la porque ele defende esta mesma política posta em prática pelo Aécio Neves.
    Parte dos blogueiros aqui do blog do Luis Nassif estão enfrentando uma dificuldade sem tamanho: criticar o José Serra, não pela política que ele está pondo em prática no Estado de São Paulo, mas por colocar a direita para o apoiar de qualquer maneira. O que em qualquer outra situação deveria ser visto como uma qualidade é visto como defeito.
    Comentei mais sobre esta esparrela em que o Luis Nassif se meteu de criticar o José Serra pelas qualidade e defendê-lo em seus defeitos em comentário que enviei dia 17/02/2009 às 00:30 para o texto “Lula e a oposição, segundo El País” de 16/02/2009 às 17:38
    Sobre a obra de engenharia de se sair da posição da eleição de 89 em que a direita de São Paulo contava com Maluf, Afif e o próprio Collor para escolher como presidente do Brasil e agora só se apresenta um candidato do PT e outro do PSDB de São Pauilo, podem-se ver maiores explicações em série de comentários que enviei para o Observatório da Imprensa em texto do Luiz Weis intitulado “Os fator esquecido na aprovação a Lula” postado em 15/09/2008 às 4:37:32 PM
    Clever Mendes de Oliveira
    BH, 21/02/2009

  65. Nassif,

    Não que, por eu
    Nassif,

    Não que, por eu discordar da natureza de sua análise a desqualifique, mas ela despreza a história com pilar fundamental para entender o fenomeno Serra.

    Em 2002 este cidadão, como apoio da PF detonou a candidatura Roseana Sarney no famoso episódio Lunus. Depois partiu para um onda de ataques covardes contra Ciro Gomes, sob as bençãos doTSE e seu presidente Nelson Jobim e para completar o trabalho literalmente quebrou o país ao plantar o terrorismo mercadológico contra a candidatura Lula.

    Portanto a má índole e falta de escrúpulos de Serra são muito bem conhecidas há anos.

  66. O Nassif é muito gentil com o
    O Nassif é muito gentil com o Serra quando afirma que este está em processo de “direitização”. Na verdade o Serra se aliou com a mais fina fllor de atraso deste país. Ele nunca foi esquerda e sinceramente não sei que projeto ele defende para o país. Não vejo nada escrito por ele para que eu possa concluir alguma coisa.

    Quando se analisa o pouco tempo que passou na prefeitura de São Paulo e os quatro anos de governador não se percebe uma identidade político-administrativa.

    Pelo contrário, as idéias são ainda de um pensamento colonialista, privativista e representante também de um pensamento hegemônico (domínio paulista sobre o resto do país).

    E sinceramente peço a Deus que não tenhamos na presidência figura autoritária e arrogante, principalmente seu alinhamento com as forças atrasadas e conservadoras deste país e dos EUA.
    Olhos do Sertão
    http://olhosdosertao.blogspot.com/

  67. Para mim, o que José Serra
    Para mim, o que José Serra está fazendo é calculado. Ele já havia mostrado quem realmente é no modo como “esmagou” Roseana Sarney no Caso Lunus. Evidentemente, usar um “boneco de ventríloquo” como o Jarbas Vasconcelos, um “tucano” dentro do PMDB foi ridículo. Mais ridículas ainda foram as tentativas de conhecidos porta-vozes do PSDB na imprensa como Arnaldo Jabor e Josias de Souza em tentar dar alguma credibilidade às suas afirmações ao panfleto “Veja”. Porém, JS confia no Poder da mídia em influenciar a população. Não importa quantos decibéis sejam necessários para que seja ouvida pelo povo. Brandir “fantasmas” como fez na sua candidatura presidencial em 2002 também é política de JS na atual conjuntura. Sua presença ao lançamento do livro do esbirro Reinaldo “Sem Noção” Azevedo faz parte da estratégia. Qualquer pessoa com os neurônios em dia sabe que o programa de José Serra está completamente anacrônico para 2010 com a espetacular derrocada mundial do neoliberalismo. O que José Serra e o PSDB, além de seus aliados deveriam fazer é “fechar para balanço”. Daí, ou sairiam da vida política de uma vez ou se “refundariam” como fizeram alguns partidos comunistas depois da queda da URSS. Porém, eles não vão fazer nenhuma autocrítica.O GovernadorJosé Serra é obcecado pela Presidência da República, e o poder da mídia aliada para enganar o povo e fazer com que o “Mussolini da Moóca” chegue ao Palácio do Planalto não deve ser subestimado. Portanto, vigiar é preciso!

  68. Nassif, no dia em que o PSDB
    Nassif, no dia em que o PSDB se consorciou com o PFL, ele acabou.
    É muito difícil a sua volta, no atual sistema. O PT (não sou petista), pegou a bandeira SOCIAL, do PSDB.
    As Instituições, bancos, empresas e grandes grupos da iniciativa privada, que tinham o PFL como partido representativo, normalmente as mais fortes do país e seguindo uma política neocon, transferiram para o PSDB, todo ranso do poder financeiro, do poder clientelista, do poder dos “coronéis”, e outros poderes menos edificantes.
    Quem estava no PSDB, sabia disso e se lá permaneceu, é que por alguma razão, lhe convinha..
    Por isso FHC, fêz aquele governo neo~liberal. Agradava o poder financeiro nacional e internacional, e acredito a esta hora, esperava ser Secretário Geral da ONU, apoiado pelo G7.
    O PSDB no seu atual estágio, não tem estrutura para para falar em socialismo, trabalhismo, estatização, palavras que o mundo está falando por conta da crise.
    Vai acabar se associando ao PMDB e criando um novo “centrão”, briga de “cachorro grande”, no aguardo de uma nova “reforma política”. Sdc

  69. Vigiar é preciso.
    É o
    Vigiar é preciso.
    É o mote.
    Serra é o projeto da direita arrogante elitista, representada pela ´grande mídia conservadora – Veja, Folha e Rede Globo- que quer o poder pelo poder. Mas aqui no blog temos uma ´rara lição de política, ante as intervenções valiosas, que ao fim e ao cabo mostram como o projeto conservador de Serra com a finalidade única de empalmar o Governo Federal com a ajuda da grande mídia reacionária.
    Mas a política é a esperança.
    E hojea a esperança está hoje com Dilma Roussef que representa o avanço e a incorporação de um projeto mais democrático e amplo, buscando inclusão dos mais necessitados .
    É evidente o caráter democrático e mais progressista da candidatura Dilma Roussef em relação ao adversário conservador e elitista.
    Mais uma vez a eleiçõa de 2010 será a escolha entre a candidatura popular e democrática e a outra representada pelo conservadorismo atrasado, simbolizado pela dupla PSDB/DEM.
    O eleitor brasileiro estará diante desta escolha, e por certo optará pelo avanço, hoje representado pela administração Lula que implementou a agenda do crescimento e emprego para o Brasil, inaugurou uma política externa independente do alinhamento automático com os EUA, e portanto exitosa que triplicou o valor das exportações brasileiras, etc.
    Dilma deverá avançar e manter as conquistas de Lula, agora com o desafio de manter o crescimento com o enfrentamento da crise mundial que já chegou ao Brasil.
    A agenda dos democratas e daqueles que acreditam no Brasil é de barrar a chegada ao poder das forças do atraso, representada pela dupla PSDB/DEM com o seu caixeiro viajante Serra.
    O Brasil precisa manter a rota do crescimento e do avanço político, por isso é importante manter os avanços do Governo Lula e consolidá-los, através da candidatura Dilma.]
    Eis a tarefa dos que acreditam que o Brasil vai dar um salto de qualidade na polítca, mantendo a agenda progressista vitoriosa inciada em 2003.

  70. Eu vi, e também viu quem quer
    Eu vi, e também viu quem quer que naquele dia tenha assistido ao programa CQC da Bandeirantes, o José Serra prestigiando Reinaldo Azevedo na noite de autógrafos de seu livro ‘o país dos petralhas’.

    Depois disso, não dá para engolir o cidadão mais…

  71. Prévia, que prévia, já
    Prévia, que prévia, já era!!!

    Da folha de hoje, pelo porta voz Kennedy Alencar

    Disputa tucana
    A principal preocupação de Serra é evitar uma disputa prévia com Aécio. Para isso, aliados do governador argumentarão que será difícil regulamentar as prévias. Haveria dificuldade para definir o público que votaria e o formato da disputa.
    Serra disse publicamente que aceitava a prévia para sair da defensiva e não dar a Aécio desculpa para eventual saída do partido. Nos bastidores, vai boicotar. De público, insistirá que 2009 é ano de governar a fim de driblar o convite de Aécio para viajar juntos pelo país.
    Defensor da tese de que o PSDB deva lançar uma chapa puro-sangue, com Aécio na vice de Serra, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso admite que a ideia se enfraqueceu. Ainda que venha a apoiar Serra, Aécio não quer ser vice.
    Nesse contexto, cresce a chance de o DEM ocupar a vaga de vice na hipótese de vitória de Serra na contenda. O partido já tem um nome: a senadora Kátia Abreu (DEM-TO), que fez carreira empresarial de sucesso e hoje preside a Confederação Nacional da Agricultura. Ela seria um contraponto a Dilma.
    A movimentação de Aécio indica que ele deseja mais do que uma “saída honrosa” -no caso, usar uma eventual derrota na prévia para se justificar perante os políticos e o eleitorado de Minas. Assim como Serra, Aécio enxerga em 2010 sua melhor oportunidade para chegar ao Planalto. Lula estará fora da cédula eleitoral. E ele acha que, se for o candidato do PSDB, conseguirá atrair maior apoio de fatias do PMDB e do PSB, hoje partidos do campo lulista.

  72. Depois que o Nassif deixou a
    Depois que o Nassif deixou a Cultura os torpedos contra o Serra estão aparecendo com mais frequência.

    Se não fossem os torpedos, não teria deixado a Cultura.

  73. Prezado Nassif, é
    Prezado Nassif, é impressionante como melhora em escala exponencial a qualidade dos debates deste blog, especialmente em razão da contribuição inestimável de diversos comentaristas. Um blogueiro com um time de comentaristas de tal quilate tem motivos de sobra pra comemorar e esforçar-se para manter o padrão, no mínimo. No caso deste texto, é admirável ler o Flavio Cantu,conhecedor das relações “intestinas” do poder, o Índio Tupy (notável aborígene especialista), Clever de Oliveira e tantos outros desta imensa lista. É notável a qualidade desta blogosfera, só pra falar deste pequeno blog, e que atropela uma mídia acuada pelos pequenos interesses comerciais, políticos de momento e outros menores…

  74. Werden,
    O maior efeito da
    Werden,
    O maior efeito da obra de engenharia que transformou a eleição para Presidente da República em uma disputa eminentemente paulista foi retirar da campanha eleitoral a principal característica da eleição democrática: a escolha pelo eleitorado do candidato que melhor o convença do valor das propostas dele pela capacidade de interação e de empatia com a população. Essa capacidade só se dá pelo carisma. O carisma é da essência do processo democrático.
    Embora Lula tenha carisma, ele tinha, por pertencer ao PT, um partido de forte ideologia, uma rejeição muito grande. A campanha de 2002 foi o ápice da obra de engenharia, pois conseguiu transformar a campanha eleitoral entre dois candidatos com base em São Paulo que não tinham sido sequer prefeito municipal. Esta obra de engenharia tem por base São Paulo porque se São Paulo não se divide como fez em 1989, a população do estado fatalmente leva um candidato para o segundo turno.Por isso que o PSDB não pode escolher candidato de outro estado.
    A manutenção da união de São Paulo não é, entretanto, gratuita. Em 1994, para não haver candidaturas fortes de São Paulo que enfraquecessem a candidatura de FHC, fez-se um acordo com a rede Globo para essa apoiar o prefeito Paulo Maluf transformando-o em um grande prefeito, desde que ele não se desimcompatibilizasse para se candidatar à Presidente da República. Esses acordos eram necessários porque não se tinha conhecimento da capacidade do Plano Real influir na eleição. E ele só foi cumprido na parte referente a transformar Paulo Maluf em um grande prefeito. O apoio que a rede Globo prometera a Paulo Maluf nas eleições seguintes não foi concretizado porque no meio do caminho houve a pedra da reeleição.
    A reeleição fortaleceu o poder de São Paulo nas eleições. Até 1989, o poder era enfraquecido nos anos em que não houvesse coincidência da disputa de Presidente da República com a eleição para governador ou para prefeito (o Município de São Paulo não é o Estado, mas também ajudaria). Com a redução do mandato de Presidente da República de 5 para 4 anos e coincidindo, na disputa seguinte, a eleição para Presidente da República com a de governadores, São Paulo redobrou o poder do estado em eleger o Presidente da República. Se antes São Paulo só contava com a eleição em dois turnos para conseguir que o maior eleitorado do Brasil e o mais rico fosse mais bem representado na presidência da República, agora conta com o acréscimo da coincidência da eleição e a reeleição e o que é mais importante com a consciência que para vencer é preciso estar unido.
    Orlando,
    Já me preparava para enviar o email quando li o seu cometário com referência elogiosa ao meu nome ao lado de outros. Eu fico grato, e antes que a vaidade possa se agigantar muito mais do que o justificável, aproveito para destacar o texto “Da série ombudsman sofre” de 22/02/2009 às 09:17 com o comentário do ombudsman da Folha de S. Paulo, em boa hora trazido para o blog pelo Luis Nassif, quando Carlos Eduardo Lins da Silva, diz:
    “Opinião é como religião, time de futebol, convicção ideológica: cada um tem a sua e nenhuma é melhor que outra”.
    Há que se reconhecer que há muitas contribuições que não são opiniões como por exemplo a de Juliano para o texto “A bolha imobiliária por dentro” de 21/02/2009 às 08:00.
    Clever Mendes de Oliveira
    BH, 22/02/2009

  75. Caros Navegantes,

    A
    Caros Navegantes,

    A Observação do Raul, que Kátia Abreu se parece com a Sarah Palin é mais um ponto de coincidência, de indício visual dessa pré campanha, claramente precipitada, dentro da lógica de se repetir na periferia o que ocorreu no império, como escrevi mais acima.
    Como dizem, a história era escrita pelos vencedores, os impérios, mas hoje a história escrita, passada e presente tem que ser questionada, ao se anaisar as versões dos fatos e os fatos propriamente dito, por exemplo, ao se analisar a trajetória e elementos da campanha de Obama nos EUA, encontraremos inumeros elementos de coincidência com a história política ao sul do equador, as mobilizações, os ventos de mudanças, etc, chego a pensar que o time de Obama andou estudando o quadro na ultima década ao abaixo do equador, é muito provável que tenha estudado o Lula no “Entreatos”. Obama e seu time souberam fazer muito bem e agregar outros valores importantes, como usar magistralmente a internet, mas insisto, os casos de coincidências são muitos.

    Hoje a versão para o mundo é que Obama é o reconquistador dos 7 mares, mas a história e sua nuanças não é bem assim não, como disse acima, a hisória era escrita pelos vencedores, mas hoje já não é assim não, estamos aqui para colocar os pingos nos is, como separar o joio do trigo, ou saber que água e vinho se misturam, mas não são as mesmas coisas. Os louros global estão sendo só dele nesse primeiro instante, o imperador negro, mas uma analise com detalhes das verdades factuais mostram que as mudanças começaram bem antes.
    Sds,

  76. Vislumbro desespero entre os
    Vislumbro desespero entre os petistas com a certeza da eleição de Serra. Daí vem com essas matérias bobas, tentando achar algo de errado. Vai ser dura a vida de vocês após 2010.

  77. Weden,
    Para tornar previsível
    Weden,
    Para tornar previsível a democracia brasileira foi necessário não ter escrúpulos. O PSDB se formou prometendo trazer a ética para a atividade política. Ao PT, na fundação dele, era compreensível essa pretensão. Padres e seminaristas, sindicalistas e pequenos empresários mais bem formados intelectualmente e por último alguns defensores de uma ideologia contrária a presente no modelo democrático então existente no Brasil não podiam entender e aceitar a atividade política como ela é: uma luta de interesses de representados realizada por representantes que põem o interesse de quem eles representam acima do interesse maior da nação (o que é razoável uma vez não existe uma definição precisa ou uma lista com “numerus clausus” do interesse maior da nação). O ideário da política com ética é um ideário ingênuo. Assim era o PT na sua formação.
    O PSDB não podia ter essa pretensão de construir política com ética. Com a experiência que eles tinham e com o aprendizado dos mentores intelectuais do partido, todos com formação nos Estados Unidos onde, desde a década de 50, já se ensinava que a atividade política é basicamente fisiológica, é um toma-lá-dá-cá constante, e que quanto mais o fisiologismo estiver presente na atividade política mais essa atividade se configuraria como democrática, o PSDB não podia prometer trazer a ética para a política, pois estaria agindo de má-fé.
    Foi com má-fé que eles construíram a obra de engenharia que os tem permitido ficar no poder com previsão de ficar por mais 10 anos. Só os que não acreditam na democracia fazem uso de um plano econômico em véspera de inflação. Um plano como o Plano Cruzado e o Plano Real destrói todos os mecanismos eleitorais do processo democrático que apesar de ruim serve para que se tenha um funil que vai selecionando pessoas que mesmo não se sabendo se são competentes adquiriram experiência e desenvolveram de alguma modo algumas habilidades na arte de governar.
    Os planos econômicos cortam esse processo. O ungido é eleito como uma forma de recompensá-lo por algum bem que o plano econômico trouxe. No caso o bem é o fim da inflação. E o ungido pode ser qualquer um. Pode ter experiência administrativa ou pode não ter. Pode ter carisma ou pode não ter. Pode ser da esquerda ou da direita. Nada disso interessa para a população que só pensa em retribuí-lo pelo bem que causou.
    No longo prazo, quando se faz uma análise mais séria e técnica, descobre-se que o bem é um mal. Ninguém, entretanto, tem coragem para dizer isso para a população. Para sempre ficará no ideário do brasileiro que a inflação é um mal que tem de ser combatido a qualquer custo. Não há uma só alma inteligente, capaz de escrever um livro (Dizem que para ser denominado livro é necessário ter mais de 48 páginas) para demonstrar a validade dessa tese espúria.
    O carisma que é da essência do processo democrático é relegado a um segundo plano e há mesmo aqueles que vangloriam dos executivos que não possuem carisma. Para mostrar como o carisma se vincula com a democracia, eu gosto de contar como se dá a formação dos políticos. No sistema democrático há eleições desde a infância, é eleito chefe de turma não o mais inteligente pelo teste de QI, nem o mais estudioso ou de melhores notas, mas aqueles que tiveram interesse em disputar e que conseguiram angariar mais votos. Normalmente o interesse pela disputa está vinculado a um espírito de liderança e a capacidade de angariar votos está vinculada a capacidade de negociação, planejamento e execução de uma estratégia ou tática eleitoral e ao nível de empatia que se consegue estabelecer com o eleitorado. O nível de empatia é decorrência do carisma. Uma vez no exercício da função para o qual foi eleito a pessoa que já possui algumas qualificações começa a exercitar e desenvolver as habilidades próprias para o exercício da função. O interesse pela política e os processos de seleção posteriores vão ajudando a formar grandes líderes políticos, que só chegam a disputar o cargo de Presidente da República quando possuem os atributos mencionados anteriormente o os exercitam bastante e fazem esse exercício principalmente quando se é mais jovem e, portanto, quando há mais facilidade de incorporar esses atributos como habilidades naturais da pessoa.
    Fernando Henrique Cardoso podia ser carismático para seus alunos. Nunca na juventude exerceu atividade de liderança. O José Serra poderia ter se desenvolvido mais. O carisma que ele porventura teve parece que era muito vinculado ao ambiente estudantil onde a liderança dele despontou. Depois, o golpe de 64 cortou a possibilidade de ele exercitar as habilidades dele como gerente ou ocupante de cargo executivo de tal maneira que quando voltou ao Brasil era um ex líder da UNE, com formação em economia no Chile e doutoramento nos Estados Unidos, mas já sem nada do que o passado poderia indicar que ele teria se tornado. A rica formação universitária sem um concomitante exercício da atividade política empobreceu-o politicamente. Tornou-se uma pessoa arrogante, cheio do que eu chamo de sapiência autoritária. Parece que a arrogância dele arrefeceu e está pondo em execução tudo que Aécio fez e ainda faz em Minas Gerais. Está sendo mais rápido, mas não só porque se acha premido pelo tempo como também porque se trata de cópia. Além disso, conta com antigos colaboradores de Aécio.
    O Luis Nassif defende o Aécio e o José Serra é tratado como alguém que foi capturado pela direita. É bom ficar claro: José Serra é muito mais da esquerda do que Aécio Neves. E mais, o principal auxiliar de Aécio Neves é mais um admirador de quem se autointitulava “Um poeta! E um poeta muito louco.” Enfim, Augusto Junho é da direita. Está muitos passos à direita de Aécio Neves. Não é a direita neoliberal (em sentido estrito esta só existe no campo teórico) contra o Estado. E a direita estadolatra que teve em Getúlio Vargas o seu apogeu e que pode ser ressuscitada com a atual crise americana em que o Estado está sendo chamado para resolver todos os problemas e a esquerda não sabe que passo deve ser dado.
    Sou de esquerda, mas como defensor do estado, sou favorável a Augusto Junho. Sou ciente que o Estado só se fortalece se houver aumento de receita tributária (Obama prometeu reduzir o déficit público americano até 2013 e para fazer isso ele terá que elevar os tributos) e pelo que conheço do Augusto Junho ele também é favorável ao maior compromisso do governante com a receita tributária. E como tenho como lema a defesa do federalismo, fico do lado do Aécio Neves contra Serra. Mas jamais tive a ilusão de achar o José Serra mais de direita do que o Aécio. E não se pode deixar de ver a superioridade do estofo intelectual de José Serra comparado com o de Aécio Neves.
    Tenho censurado o Indio Tupi nas críticas dele à política financeira imposta ao mundo nos últimos 30 anos porque ele as chama de neoliberais e, para mim, neoliberalismo só existe no mundo acadêmico, e também por ele apresentar a política financeira imposta ao mundo como resultado de uma orquestração, de uma conspiração. Não acredito muito na teoria conspiratória da história. “Yo no creo em brujas, pero que las hay, las hay!!!”
    Bem, mas o que eu tenho escrito é um pouco de teoria conspiratória. O ponto máximo teria sido a eleição de 2006, quando a candidatura de Mercadante estava crescendo e, como não era de interesse que o PT ganhasse a eleição para o Estado de São Paulo, pois com José Serra derrotado, a política continuísta poderia sofrer um ataque de algum candidato estranho nas eleições em 2010, o próprio PT (A ala que conspira em conluio com o PSDB) tratou de desestabilizar a candidatura de Mercadante.
    A conspiração, entretanto, não é gratuita. Duas visíveis e péssimas conseqüências foram a assunção do viés de partido de direita pelo PSDB e a resistência ao domínio que São Paulo exerce na política brasileira , resistência que crescentemente vai-se incorporando no eleitorado brasileiro de fora do estado paulista. Essa antipatia cresceu porque, em 2002, José Serra teve que lançar mão de ataques à candidatura de Roseana Sarney para impedir que a candidatura dela crescesse e amarrasse o PFL a ela e durante a campanha teve que atacar a candidatura de Ciro Gomes. Isso antipatizou José Serra com os eleitores dessas duas candidaturas.
    E me desculpe o acréscimo do “r” no seu nome.
    Clever Mendes de Oliveira
    BH, 22/02/2009

  78. O PT controla o PMDB e o
    O PT controla o PMDB e o PSDB, os Demos. Taí a dobradinha paulista, na moldagem democráticos (PT) x republicanos( PSDB).
    Os resultados são obviamente matizados nos diversos estados. No Rio de Janeiro a dobradinha conseguiu dar um chega pra lá nos 14 anos de poder do Kaiser Maia e , Deus é pai, manter a “garotada” lá em Campos.
    Afinal, a pressão da direção do PT contra os núcleos locais no RJ, apoiando a Benedita, preterindo o Temmer ou Wladimir Palmeira, é histórica.
    O federalismo brasileiro ainda vai esperar muito tempo pela aparição de um terceiro.
    Pode ser teoria da conspiração do “bem” ( fortalecida a democracia, uma nova república é possível) ou apenas a expressão da mediocridade política que o gênio do Lula consegue mascarar.
    Enquanto isso, a gente se ajeita..

  79. ” Boi preto cheira boi
    ” Boi preto cheira boi preto”. Esse Jarbas Vasconça… não convence.
    Serra está se mostrando mais do mesmo… Aécio também é o mesmo.. e Dilma.. a continuidade do mesmo. Infelizmente será mais uma campanha política, mais uma eleição…mais um eleito… mais do mesmo.
    Nada de mudanças para 2010.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome