Análise em corpo de Neruda não descarta envenenamento

Do Opera Mundi

Análise diz que Neruda tinha câncer de próstata, mas não descarta envenenamento

Corpo do célebre poeta chileno foi exumado em 8 de abril em sua casa em Isla Negra, na costa central do Chile    

O poeta chileno Pablo Neruda sofria de câncer de próstata em estágio avançado no momento de sua morte, de acordo com análise inicial do cadáver feita pelo Serviço Médico Legal (SML) chileno. No entanto, ainda não é possível afirmar se ele foi envenenado.

“O relatório elaborado pela Universidade do Chile conclui que as lesões encontradas (nos ossos) são compatíveis com as de um câncer de próstata avançado, que é o que nós já sabíamos”, indicou à AFPuma fonte judicial chilena. O relatório, baseado na análise de uma radiografia dos restos mortais de Neruda, foi entregue ao juiz encarregado do caso, Mario Chariot, que espera os exames toxicológicos pendentes que foram enviados para a Universidade da Carolina do Norte (Estados Unidos) para análise.

A Justiça procura determinar se Neruda morreu em 1973 devido ao agravamento do câncer de próstata, como afirma seu atestado de óbito, ou se faleceu após ser inoculado com uma misteriosa injeção um dia antes de viajar para o México. O poeta planejava se exilar e comandar a oposição ao general Augusto Pinochet, de acordo com seu ex-motorista, Manuel Araya.

O corpo de Neruda foi exumado no dia 8 de abril em sua casa em Isla Negra, na costa central do Chile, de onde foi transferido para Santiago para ser submetido a uma série de exames para determinar qual foi a causa da morte. A perícia incidirá sobre se os restos de Neruda contêm toxinas ou substâncias médicas que podem ter acelerado sua morte, dias depois do golpe de Pinochet que derrubou o governo do amigo do poeta, Allende.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora