“As instituições funcionam”: Exército decide não punir Pazuello

O recuo do Exército, no caso Pazuello, cria um horizonte absolutamente conturbado pela frente. A partir de agora, as porteiras do arbítrio estão escancaradas para qualquer guarda da esquina.

Desde o primeiro dia de governo, Bolsonaro já apostava na radicalização e no golpe final na democracia. Mas os idiotas da objetividade sustentavam que as instituições eram fortes o suficiente para impedir qualquer aventura.

Bolsonaro avançava no pântano, passo a passo. Quando sentia o terreno perigoso, fazia um pequeno recuo e prospectava novo caminho, buscando brechas legais para avançar rumo ao golpe. Enquanto as instituições funcionavam, Bolsonaro ia armando suas milícias, as oficiais e os clubes de tiro e caça, ampliava a aposta na radicalização, insuflava policiais militares, afrontava diariamente as normas de saúde. Vez por outra, o STF impedia um outro arroubo mais explícito. Bolsonaro criava outro factoide qualquer, recuava taticamente e continua em seu avanço sobre o pântano. E os idiotas de objetividade celebravam as vitórias pontuais do STF.

Agora se chega nesse dilema. As Forças Armadas se curvam a Bolsonaro. A absolvição de Eduardo Pazuello abre uma enorme estrada para a ampliação da ousadia de Bolsonaro. Isso em um momento em que policiais militares de várias partes do país, o baixo clero da PM, passam a recorrer à Lei de Segurança Nacional para prender críticos do governo. Em alguns casos, como nos recentes episódios de Recife, a insubordinação atinge até o alto comando.

O recuo do Exército, no caso Pazuello, cria um horizonte absolutamente conturbado pela frente. A partir de agora, as porteiras do arbítrio estão escancaradas para qualquer guarda da esquina.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

valmir gongora

- 2021-06-04 16:48:29

Luís Nassif, perdoe-me pela observação: por muitas vezes você se mostrou crente no funcionamento das instituições, destacadamente Supremo Tribunal Federal. As instituições - por seus membros - são representantes do que integram: a oligarquia que comanda o país. Não há Barrosos, Mellos ou Mendes, com cargos quase vitalícios ou não, que a contrariarão. Tampouco Maias e Renans, reiteradas vezes eleitos para mais do mesmo.

Cristiana Castro

- 2021-06-04 13:17:52

Não tem como olhar para o Brasil, hoje e, não lembrar de "Geni e o Zepelim" do Chico: "...A cidade apavorada Se quedou paralisada Pronta pra virar geléia Mas do zepelim gigante Desceu o seu comandante Dizendo: Mudei de idéia Quando vi nesta cidade Tanto horror e iniquidade Resolvi tudo explodir Mas posso evitar o drama Se aquela formosa dama Esta noite me servir" Resta-nos descobrir qual o desejo oculto dos comandos atuais para livrar-nos dessa corja As instituições estão no "deixa que eu deixo". Uma esperando que a outra tome uma atitude pra frear a marcha da insanidade. Tá ficando complicado. Qdo as milícias fecharem Congresso e STF aí vão reclamar do "povo". Sempre o "povo" carregando essa elite burra e arrogante nas costas.

Vladimir

- 2021-06-04 10:31:43

Desde sempre mas,pelo menos desde o fatídico dia em que o presidente Lula foi arbitrariamente impedido de assumir um ministério no governo da presidenta Dilma,que o golpe foi anunciado e colocado em prática,venho dizendo que as instituições não funcionam,ou melhor,funcionam a favor do golpe. Qual a novidade agora? Nenhuma! O caso pizzauello é isso:Mais fumaça. Não há nem haverá punição para milico miliciano. Se pizzauelllo mostrou a cara foi justamente para escancarar o golpe para aqueles que fingiam não ver. São mais de 6 mil milicos milicianos dentro daquilo que deveria ser o governo de nosso país. É preciso ser muito idiota para achar que haveria punição para uma figura da dimensão insignificante desse sujeito. O morfético cadeirante que aguarda uma vaga no inferno,que ameaçou o STF,foi punido? O que essa gente fez e está fazendo é continuidade do que sempre fizeram:Fingir que fazem.Assim como fingem que fazem parte do exército.Exército que,como sabemos,nunca existiu. O que existe é uma tropa de milicos,agora também milicianos,em que a escolaridade lhes impõe a valentia contra o povo desarmado e desamado deste país e a covardia e a submissão plena diante das armas e do milho dourado dos inimigos da soberania nacional.

Cristiana Castro

- 2021-06-03 22:24:48

Chegamos onde era previsto. As milícias comandando as FFAA, com o TSE, STF, MPF e mídia tradicional no bolso. O governo de milicianos imposto ao país pelo midiciário ( mídia, judiciário e MP) Tá fazendo do brasil um enorme Rio de Janeiro. ain, mas a gente armou pra tirar o PT e colocar nossos amigos... É porra! Mas na hora que perceberam que ozamigos ñ ganhavam nem pra síndico, Se virassem, como se viraram pra melar o jogo eleitoral, pra impedir a ascensão das milícias ao poder central. Depois de anos arrotando probidade, decência e enchendo o saco com a farsa anti-corrupção. Conseguiram a proeza de, liberar criminosos notórios pra disputar eleições e, pior. criaram a figura do miliciano ficha-limpa e, pra fechar com chave de ouro aprovaram suas contas. Agora taí. A milícia no comando das FFAA e, é só querer e fechar Congresso e STF e, o país ficar, sabe-se lá até qdo refém como a população das áreas controladas do RJ. Milico saiu, depois de 21 anos, miliciano não vai sair de jeito nenhum. Eles ampliam área controlada e, não abandonam o pedacinho conquistado. No caso, contaram com o auxílio luxuoso do midiciário e do legislativo para sua expansão. Vergonhoso. Agora, tá tudo com cara de paisagem, tipo, não tenho nada com isso...

José de Almeida Bispo

- 2021-06-03 18:37:33

CONFIRMANDO MEUS PIORES TEMORES: as Forças Armadas não tinham um "Plano B", para o caso do golpe Financeiro-Jurídico-Midiático se consolidar em 2016. Isso é o que temos. É pior que 1889.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador