Clarín: Bolsonaro não deve “deteriorar” relações comerciais com Argentina

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

 

Por Eleonora Gosman
 
No Clarín
 
 
Há uma famosa frase do não menos famoso economista brasileiro Delfim Netto: “O binômio Brasil-Argentina pode ser comparado a dois bêbados que são abraçados: quando um cai, o outro também”. Essa definição, se você quiser folclórica, contém uma verdade que pode ser provada simplesmente pelos fatos; e revela o nível de interdependência entre os dois países. Apesar das dificuldades em reconhecer essa característica das relações bilaterais, por parte dos futuros ministros de Jair Bolsonaro, o presidente eleito reconheceu na prática e nas falas a “importância” do vínculo entre os dois parceiros.
 
É revelado por dois gestos-chave. Primeiro sua conversa telefônica com Mauricio Macri, antes das eleições. E nesta sexta-feira, quando recebeu o embaixador argentino Carlos Magariños pela manhã. O diálogo entre os dois, que o diplomata descreveu como “muito amistoso”, durou uma hora. Eles não abordaram a questão, o embaixador confidenciou a este jornalista; Mas o futuro presidente sugeriu que ele dificilmente comparecerá à cúpula do G20 em Buenos Aires em 30 de novembro. “Eu tenho que cuidar da minha saúde”, ele reconheceu na palestra; especialmente, para a nova cirurgia que deve ser submetida em 12 de dezembro próximo no Hospital Israelita Albert Einstein, em San Pablo. Pela mesma razão, ele tem uma necessidade urgente de completar seu gabinete ministerial até o final deste mês. Isso ele reiterou em uma extensa aparição, através de sua página no Facebook durante a tarde.
 
Nesse peculiar jeito de se dirigir ao povo brasileiro, que vem de sua campanha eleitoral, Bolsonaro repassou as principais questões que terá que enfrentar internamente e internacionalmente. De maneira suave, mas contundente, ele insistiu novamente em “desideologizar” o comércio e as relações do Brasil com o mundo. Foi baseado nesse “princípio” para defender a transferência “da embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém”. A iniciativa provocou muitas objeções na diplomacia do Itamaraty. Em relação à China, ele também insistiu: “Não há nada contra esse país, por favor! Há alguns dias recebi o embaixador chinês e tivemos um diálogo muito frutífero “.
 
Magariños disse que durante a entrevista com Bolsonaro, os tópicos da agenda bilateral não foram discutidos. Mas, certamente, o presidente eleito já está mais ciente dessa questão. É que a Argentina não é um parceiro ideológico, muito menos isso. É um enorme “aliado” comercial. Não é uma declaração, mas uma verificação econômica. Em 2017, a balança comercial no intercâmbio entre os dois países foi um recorde em favor do Brasil: subiu para 8,4 bilhões de dólares. Mas mais do que isso: a maior parte das exportações brasileiras para o país foi de produtos industriais. Entre eles, a indústria automobilística brasileira participou com mais de 33% em vendas para o sócio argentino. Não é um detalhe se pensarmos no peso gigantesco que os terminais automotivos brasileiros têm dentro do PIB daquele país: eles representam nada menos que 22%. Também é verdade que a Argentina direciona suas compras para o exterior principalmente para o Brasil, depois para a China e, posteriormente, Estados Unidos, Alemanha e México aparecem nessa ordem.
 
O que Bolsonaro disse naquela explicação para o povo? Que o Brasil precisa exportar mais produtos industriais e menos commodities que “em algum momento, como no caso dos minerais, acabaram”. A julgar por esse raciocínio, é impossível para o futuro presidente brasileiro tomar decisões capazes de “deteriorar” suas relações com o principal parceiro comercial da América Latina e o terceiro no mundo. É claro que isso não o impede de declarar, como fez naquela mensagem aos brasileiros, que quer entrar em acordos de livre comércio com o mundo inteiro. Hoje, essas possibilidades são restritas pelos protocolos do Mercosul, que são leis do bloco (como as da União Européia). Portanto, qualquer alteração exigirá uma discussão substantiva em mais de uma cúpula futura do bloco. O próximo deve ser feito em Montevidéu e a questão certamente será levantada. Vale ressaltar que entre o Brasil e a Argentina está em vigor um acordo assinado em fevereiro de 2017 entre o Presidente Macri e Michel Temer. O acordo instituiu uma Comissão Bilateral de Produção e Comércio que funciona regularmente e que representou avanços em várias dimensões do intercâmbio.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome