Coronavírus: governadores divulgam carta em defesa da democracia

Fórum Nacional de Governadores apoia Maia e Alcolumbre após declarações de Jair Bolsonaro; governador do Piauí conclama por união para evitar colapso

Wellington Dias, governador do Piauí. Foto: Reprodução/Wikipedia

Jornal GGN – O Fórum Nacional de Governadores publicou neste sábado (18/04) uma carta aberta de apoio aos presidentes do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), após as declarações do presidente Jair Bolsonaro a respeito da postura de ambos.

“Nesse momento em que o mundo vive uma das suas maiores crises, temos testemunhado o empenho com que os presidentes do Senado e da Câmara têm se conduzido, dedicando especial atenção às necessidades dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios brasileiros”, diz o texto. “Ambos demonstram estar cientes de que é nessas instâncias que se dá a mais dura luta contra nosso inimigo comum, o coronavírus, e onde, portanto, precisam ser concentrados os maiores esforços de socorro federativo”.

“Nossa ação nos Estados, no Distrito Federal e nos Municípios tem sido pautada pelos indicativos da ciência, por orientações de profissionais da saúde e pela experiência de países que já enfrentaram etapas mais duras da pandemia, buscando, neste caso, evitar escolhas malsucedidas e seguir as exitosas”, dizem as autoridades em carta pública, ressaltando que a postura de Bolsonaro afronta os princípios democráticos do país.

Segundo o governador do Piauí, Wellington Dias (PT) – um dos governadores que assina a nota pública -, o Brasil precisa da união daqueles que pensam diferente para evitar o colapso dos serviços públicos e do sistema de saúde.

“Basta olhar o que foi o número de casos confirmados com coronavirus em 31 de março último, e comparar com o dia de ontem: saímos de 5.717 confirmações para 38.654 neste domingo, ou sete vezes mais o que foi a demanda por leitos hospitalares. Está no Portal do Ministério da Saúde”, diz o governador piauiense.

“Era uma demanda de 650 vagas e chegou a 15 mil ou 24 vezes mais, e, principalmente, o número de óbitos, saindo de 201 óbitos para 2.462, 12 vezes mais em 18 dias?”, diz Dias. “Quantos caminhões frigoríficos vamos ter que ver acumulando corpos? Quantas retroescavadeiras vamos ter que suportar ver abrindo valas para enterrar nossos entes queridos? Quantos profissionais de saúde se contaminando?”

De acordo com Wellington Dias, caso a escala de casos continue a aumentar, o que vai se configurar no Brasil será um genocídio. “É hora de apurar quem responderá por este genocídio no Brasil”, afirma.

Leia Também
Relatos do caos do coronavírus no Amazonas: “É como ir para a guerra sem nenhuma arma”
OMS elogia Mandetta e diz que combate ao coronavírus deve ser com “evidências”
Pandemia deve seguir conduzida por Estados, Congresso e STF, dizem analistas

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora