Crivella no Rio de Janeiro e Marta em São Paulo lideram a corrida pelo Senado.

Crivella lidera briga por vaga no Senado. Evangélico tem 42% das intenções de votos no Estado do Rio. Cesar Maia vem em segundo, com 31%. Lindberg Farias é o terceiro e tem 20% 

Rio – Candidato à reeleição pelo Rio de Janeiro, o senador Marcelo Crivella (PRB) se mantém na liderança da corrida por uma das vagas em disputa no Senado. Segundo pesquisa Datafolha divulgada ontem, Crivella tem 42% das intenções de voto, 11 pontos à frente do ex-prefeito do Rio, Cesar Maia (DEM), com 31%.

A liderança de Crivella, candidato da Igreja Universal do Reino de Deus, já incomoda setores da Igreja Católica no Estado, preocupados em motivar os fiéis a votar em candidatos afinados com a doutrina. Mas o senador, que ontem fez corpo a corpo no calçadão de Campo Grande, Zona Oeste, garante que sua religião não influencia o eleitorado.

“Eleição não é processo religioso. Os eleitores votam em quem confiam. Enganam-se aqueles que pensam que as pessoas votam pela religião. Essa é uma ilusão de quem não conhece nada de eleição”, alertou o senador, ressaltando estar na disputa para atender a um pedido do presidente Lula.

“Eu preferia concorrer ao Governo do Estado, mas Lula me pediu que ficasse no Senado. Segundo o presidente, um senador vale mais que três governadores”, disse Crivella.

Para Cesar Maia, a pesquisa mostra que o quadro pouco mudou nos últimos três meses. “O Datafolha deu, nos dois votos, 72% de brancos, nulos, não sabe ou não respondeu. Agora, começa a campanha”, afirmou Cesar, por e-mail, fugindo da polêmica com Crivella: “Numa campanha de duas vagas não se polemiza nem se polariza. Cada candidato deve fazer a sua campanha para não perder o segundo voto do eleitor de outro”.

O ex-prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias (PT), que aparece em terceiro, com 20%, aposta na campanha de ruas e no tempo na TV e rádio, a partir de agosto, para ultrapassar Cesar e Crivella. “Sou desconhecido por até 80% dos eleitores do interior e já tenho esse patamar”, disse Lindberg.

O quarto colocado na disputa, Jorge Picciani (PMDB), que tem 12%, achou bom o resultado, por ser o menos conhecido dos quatro principais concorrentes. “Eleição é maratona e estou com fôlego para correr os 42 quilômetros”, afirmou.

Enquanto Crivella tenta evitar a mistura de religião e política, o ex-deputado estadual Carlos Dias (PT do B), que aparece com 3% das intenções de voto, aposta justamente na divisão entre fiéis. Dias, que se diz o único candidato identificado com os católicos, afirma que esse eleitor não pode dar seu voto a alguém que defenda o aborto, por exemplo. “Represento 75% do eleitorado do estado, que é católico. Só falta as pessoas saberem disso, e elas saberão”, decretou.

Ex-governadores em destaque

No levantamento do Datafolha em sete estados e no Distrito Federal destacam-se os ex-governadores Aécio Neves (PSDB) e Roberto Requião (PMDB), que lideram a eleição para o Senado em seus estados: em Minas, com 62% das intenções de voto, Aécio está bem à frente do ex-presidente Itamar Franco (PPS), que tem 41%. Requião tem 50% das intenções de voto no Paraná, contra 28% da petista Gleisi Hoffmann.

Marta Suplicy (PT) lidera em São Paulo com 32%, seguida pelo senador Romeu Tuma (PTB) e o ex-governador Orestes Quércia (PMDB) tecnicamente empatados: 22% e 21%. No Rio Grande do Sul, outro ex-governador, Germano Rigotto, está com 41% e é seguido de perto pelo senador Paulo Paim (PT), que tem 37%, e por Ana Amélia Lemos (PP), com 33%. Em Pernambuco, o petista Humberto Costa tem 42%, e o senador Marco Maciel (DEM) 40% das intenções de voto e estão tecnicamente empatados.

Falta de transparência preocupa
FERNANDO ARÊAS RIFAN, BISPO CATÓLICO

Para o bispo da administração apostólica São João Maria Vianney, de Campos, Dom Fernando Arêas Rifan, falta transparência aos candidatos para defender suas ideias sem omitir posições polêmicas dos eleitores.

1. A liderança do senador Crivella na corrida pelo Senado preocupa a Igreja?
Sem mencionar nenhum candidato, preocupa mais a falta de transparência na defesa de certas posições, como as relativas ao aborto ou à eutanásia, por exemplo, que condenamos. Omitir informação não é um bom caminho. Por isso, sou a favor dos debates.

2. Como os sacerdotes podem atuar durante a campanha eleitoral?
A Igreja não faz política partidária nem voto de cabresto, mas orienta os fiéis a escolher candidatos comprometidos com a defesa da vida, da família e da solidariedade.

3. E como é feita essa orientação?
Os bispos instruem os padres, que multiplicam as diretrizes com seus párocos e catequistas. É um movimento capilarizado e impessoal. Não citamos nomes de candidatos.

Por Alessandro Ferreira e Mahomed Saigg

http://odia.terra.com.br/portal/brasil/html/2010/7/crivella_lidera_briga_por_vaga_no_senado_99014.html

 

Marta lidera a corrida pelo Senado em SP. Derrotada nas urnas em 2008, petista tem 35% das intenções de voto na briga por uma das duas cadeiras na Casa

Matheus Pichonelli, iG São Paulo | 26/07/2010 19:17

A ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy (PT) lidera a corrida por uma das duas vagas ao Senado em disputa nas eleições deste ano. Em pesquisa Vox Populi/Band/iG divulgada nesta segunda-feira, a candidata petista, derrotada há dois anos quando concorreu à prefeitura paulistana, aparece com 35% das intenções de voto – 17 pontos a mais do que o segundo colocado, o senador Romeu Tuma (PTB), que somou 18%.

A pouco mais de dois meses das eleições, a pesquisa aponta que 36% dos eleitores não responderam ou ainda não sabem em que vão votar para senador em outubro. A margem de erro é de 3%.

Candidato na mesma chapa de Marta, o vereador e cantor Netinho de Paula (PC do B) empata na quarta colocação com Ciro, do PTC – ambos têm 13%. À frente deles está o ex-governador Orestes Quércia (PMDB), com 16%. Pela margem de erro, Quércia e Tuma estão empatados na corrida.

O candidato tucano ao Senado, Aloysio Nunes Ferreira, tem apenas 7% da preferência do eleitor, empatado tecnicamente com o cantor e compositor Moacir Franco, do PSL, que tem 6%.

Marta é a favorita dos eleitores quando perguntados quem é a primeira opção de voto dos entrevistados: 27%, contra 8% anotados por Quércia, Tuma e Ciro. Já Romeu Tuma é o mais citado como opção de segundo voto, com 10% – seguido por Quércia e Marta, ambos com 8%, e seguidos por Netinho (7%).

Na pesquisa espontânea (quando os nomes dos candidatos não são apresentados), 7% dos entrevistados dizem ter na ex-prefeita a opção do primeiro voto, contra 2% de Quércia, o segundo colocado.

http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/marta+lidera+a+corrida+pelo+senado+em+sp/n1237728351574.html

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome