Defesa do voto impresso significa desconhecimento do sistema eleitoral, diz Carlos Velloso

Em entrevista, ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal diz que discurso sobre fraude é “retórica política atrasada”

Carlos Velloso, ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Cristina Gallo/Agência Senado

Jornal GGN – A defesa do voto impresso mostra desconhecimento sobre o processo eleitoral, segundo análise do ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Velloso.

Velloso, que se aposentou em 2006 aos 70 anos (posteriormente houve alteração na Constituição para alterar a idade máxima para 75 anos) era presidente do Tribunal Superior Eleitoral quando as urnas eletrônicas foram idealizadas. Em entrevista ao podcast semanal do STF, o ministro aposentado ressalta que a urna eletrônica tem sido usada sem indícios ou evidências de fraude.  

“De maneira que eu penso que há um desconhecimento por parte de muitos. E esse desconhecimento pode gerar apoio a esse anúncio de voto impresso que não traz nenhum benefício”, disse o ministro. “Ao contrário, nos faz retornar ao sistema antigo do voto de papel. Basta que se peça a conferência dos votos (eletrônicos) com os votos impressos para se restaurar a contagem manual de voto, aquilo que gerava mapismo (como era chamado o aproveitamento dos votos em branco), que gerava uma série de fraudes”, ressaltou.

Quando questionado sobre a narrativa de que o Brasil precisa de voto impresso por conta de fraudes no processo eleitoral, Velloso disse que essa é uma “retórica política atrasada”.

“Os parlamentares precisam tomar conhecimento do que é o processo eleitoral e de como ele se desenvolve. É, na verdade, um dos melhores processos em matéria eleitoral do mundo. E a Justiça Eleitoral foi criada no Brasil justamente para resolver o problema, para tornar legítimas as eleições e cada vez mais legítima, portanto, a democracia que praticamos, que é a democracia representativa”, destacou.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. Velloso, que se aposentou em 2006 aos 70 anos (posteriormente houve alteração na Constituição para alterar a idade máxima para 75 anos) era presidente do Tribunal Superior Eleitoral quando as urnas eletrônicas foram idealizadas.

    O conflito de interesses da Empresa Brasileira de Eleicoes e seus diretores e claro como a luz do sol!

    Francamente, Nassif, nao esperava ver voce embarcando nesse efeito manada.

    Aponte uma unica auditoria livre, competente e independente do voto eletronico que eu calo a boca.

    https://vimeo.com/convergencias/urnas

  2. Desconhecimento das vulnerabilidades significa que nova fraude pode ocorrer

    `Nao ha sistema 100% seguro`, garante Harri Hursti, programador finlandes que hackeou a urna brasileiras da Diebold nos EUA.

    Multiplas vulnerabilidades graves foram detectadas nos´ultimos Testes Publicos de Seguranca da urna eletrˆnica brasileira. Quando combinadas, comprometeram o sigilo do voto e a integridade do software, as principaispropriedades de seguranc¸a do sistema. O armazenamento inseguro de chaves criptograficas, inseridas diretamente no codigo-fonte e compartilhadas entre todas as urnas, permitiu a inspecao das mıdias de instalacao de software, em queduas bibliotecas compartilhadas sem assinaturas foram encontradas. A injecao de codigo nessas bibliotecas abriu a possibilidade de ter total controle sobre a urna. Ate onde sabemos, esta foi a exploracao mais profunda de um sistema de votacao utilizado em larga escala realizada durante testes severamente restritos.

    https://www.researchgate.net/publication/326261911_Execucao_de_codigo_arbitrario_na_urna_eletronica_brasileira

    https://vimeo.com/441585787

  3. ‘EUA vão armar um novo golpe contra Lula’, avisa Brian Mier
    “A gente não pode pensar que só porque Lula está liderando em todas as pesquisas ele vai ser eleito presidente. Tem outra tentativa de golpe eleitoral sendo montada”, alertou o jornalista norte-americano em entrevista à TV 247. Assista.

    Fiquem tranquilos, o desconhecimento da Diebold, da CIA, da Microsoft, da IBM e da NSA sobre os conhecimentos de Velloso, Fux, Rosa, Barroso e Jobim sao suficientes para impedir qualquer golpe.

    As instituicoes continuam funcionando como sempre funcionaram. Quem quer que venca a eleicao sera por seus proprios meritos. O resultado jamais podera ser contestado. Nem conferido.

    Essa mensagem se autodestruira em cinco segundos.

    https://www.brasil247.com/mundo/eua-vao-armar-um-novo-golpe-contra-lula-avisa-brian-mier?fbclid=IwAR3lLQHPnp9bSQv0roFwg0wsieVbPl-eqnMF2UThdnchTN0bnGNRujq9tUg

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome