Depois da tormenta vem o Berlusconi, por André Araújo

Depois da tormenta vem o Berlusconi

por André Araújo

Na exata sequência do roteiro da Operação Mãos Limpas italiana, o comunicador Luciano Huck se apresenta como a “nova geração que quer chegar ao poder”. Liquidada a política e os políticos quem se apresenta para gerir o Estado?

Aquele que é conhecido do público através dos meios de comunicação?  Mas quem? 

Ora, os comunicadores, quem mais poderia ser.

Assim, entrega-se o Estado no seu ápice a homens de circo que se apresentam como NÃO POLITICOS, embora seja uma pureza apenas de embalagem. Berlusconi quando tomou de assalto o poder na Itália já estava profundamente envolvido com esse Poder nos seus aspectos mais escuros e sombrios, ninguém tem extensas concessões de emissoras de TV em um país burocrático, como a Italia, sem estar entrelaçado com o Poder.

Já Huck respira política em casa há décadas. Seu padrasto é Andrea Calabi, um dos grã-tucanos de alta plumagem,  foi presidente do Banco do Brasil e do BNDES no governo FHC e Secretário da Fazenda do Estado de São Paulo no governo de Geraldo Alckmin.

Não é, portanto, alguém alheio à politica mas, como esperto que é, se apresenta como pairando acima da política, a mesma que brindou seu padrasto com altíssimos cargos.

A aparição de comunicadores é algo absolutamente natural no vácuo da política verdadeira. São genéricos de políticos, alpinistas escaladores e o grande problema que apresentam, contrariamente aos políticos tradicionais, é que NADA SE SABE SOBRE ELES COMO POLITICOS.

Os políticos antigos têm sua vida  devassada, sabe-se exatamente quem são, não é segredo para o publico. Já o  aventureiro-paraquedista  é uma caixa preta lacrada. Opera com uma “capa” de personagem ficcional criado nos meios de comunicação mas ninguém sabe exatamente quem são, o que pensam, qual a agenda têm para o País. Como não tem vida pregressa ninguém sabe os podres ou as deficiências, porisso são considerados “virgens” da política,  quem não tem “ficha”, não tem passado. . O grande público é então iludido pelo “cara limpa”, como nunca esteve perto do cofre, nunca roubou mas por outro lado ninguém sabe quanto roubará se tiver a chave da casa forte, esse é o dito “novo” em política.

Esses personagens do “reality show”, podem ser idiotas  completos ou até bem intencionados incompetentes, mas sempre serão um baú de surpresas no momento da sua entrada em cena política, uma roleta russa para um País gigante no auge da crise institucional e econômica, uma aventura perigosíssima no meio de uma tempestade, um timoneiro sem prática e não testado quando mais se precisa de experiência e saber, capacidade de comando e caráter.

Treinado no palco o comunicador dará o circo, mas e o pão, ou seja, o governo real?

O País depende de um grande líder e não de um ator de mentirinha.

Cuidar com relativo sucesso de um grande País não é tarefa de curiosos, o atributo maior é a liderança, a capacidade de fazer convergir vontades e esforços para um alvo comum e este atributo depende de múltiplos fatores, não é um caso de marketing, o marketing é só a embalagem, não é o conteúdo.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

56 comentários

  1. André
    Se me permite, o país depende de seu povo. Infelizmente, basta andar pelas ruas, ou se encontra ausente ou manipulado- no caso, qual a causa? E isto não é recente. O que assusta é que embora a enxurrada de notícias que abalariam um país, aqui é motivo de piada.
    O caos político sendo anunciado aos ventos – virá? – o econômico acontecendo, o tecido social se desfazendo e olhos ao redor.
    Dia 28 se anuncia uma greve geral. Será uma mostra de quão envolvida está a população.

  2. André
    Se me permite, o país depende de seu povo. Infelizmente, basta andar pelas ruas, ou se encontra ausente ou manipulado- no caso, qual a causa? E isto não é recente. O que assusta é que embora a enxurrada de notícias que abalariam um país, aqui é motivo de piada.
    O caos político sendo anunciado aos ventos – virá? – o econômico acontecendo, o tecido social se desfazendo e olhos ao redor.
    Dia 28 se anuncia uma greve geral. Será uma mostra de quão envolvida está a população.

    • Não creio que seja dessa

      Não creio que seja dessa forma. 

      Quem comanda um País, sempre, são as suas elites. 

      Elites de vários tipos, Política, Intelectual, Cultural, Financeira, Burocrática (funcionários públicos), Midiática, etc..

      O povo sempre é massa de manobra, para o bem ou para o mal. Seja no Brasil, nos EUA, na Noruega, na India, na Belgica ou no Congo. 

      De forma que acreditarmos que o povo vai “acordar” para o estado atual das coisas é pedir demais, o povo é constantemente manipulado, de parte a parte, de lado a lado. 

      O que tem ocorrido de novo no País, é que a grande maioria das nossas elites, também está sendo manipulada, por duas das Elites, que são a Midiática e a Burocrática. Essas duas estão dominando. E claro, a elite Financeira sempre por trás, tentando não perder, ou perder pouco. 

      O que o Páis precisa é que suas elites tenham clareza do que se quer, do que se deseja para o futuro, como nação. 

      O FATO CONCRETO é que, com todos os seus vícios, a Elite Política nos trouxe até, aqui. Mais precisamente até o ano de 2014 quando as Elites Midiáticas e Burocrática tomaram o Poder e vem destruindo o País, desde então, sob o pretexto do moralismo e do “combate a corrupção”. 

      O que temos hoje é uma briga de Elites, e a elite Politica não deve fugir da briga, caso contrário será eliminada. 

      Ela deve se UNIR, isso é crucial. É preciso que sentem a mesa, Lula, FHC, GM, G.A, Renan, Jucá, Maia, etc, e seja definido uma reação contras as duas elites, a Midiática e a Burocrática. E isso precisa ser rápido. 

      Enquanto não feito, o País continuará sangrando sem precedentes em sua história. 

      E o povo, meu caro, o povo, bestializado como sempre, não tem nada a ver com isso, continuará sendo massa de manobra como sempre foi em toda a história e em todos os Países. 

  3. Lá vou eu encrespar novamente

    Lá vou eu encrespar novamente com o André Araújo, de quem eu gosto muito.

    Você diz que depois da tormenta vem o Berlusconi.

    E depois do Lula veio quem? A mãe de todas as tormentas Dilma Vana Roussef.

    E quem a conduziu? Foi o Juiz Sérgio Moro? Foram as delações da Oderbrecht? Ou foi Lula?

    E por acaso a Dilma é política? Ela teve algum voto na vida antes de se tornar presidente do Brasil?

    Qual foi o mérito dela para ser escolhida? Uma burocrata incompetente não política.

    Sou 10 vezes mais o Luciano Hulk, o Tiririca do que a Dilma!

    E não confunda as falas.

    O que o Luciano Hulk disse é que a geração dele (nossa) deve tomar as rédeas do processo político e nisso eu concordo plenamente.

     

    • DEPOIS DO LULA

      Depois do Lula veio a Dilma que de qualquer forma foi aprovada a ponto de ser reeleita com todas a maquinações efetuadas pelos de sempre.

      No segundo mandato que não ocorreu, pois já estava marcado pra morrer pelos de sempre, que fizeram todo tipo de sabotagem, macomunados  com este congresso podre, mídia podre, judiciário, podre.

      Como liderar e governar com o PODRE PODERES? só sendo podre.

    • Meu caro, um erro não

      Meu caro, um erro não justifica outro, a Dilma foi um erro consequente a um erro anterior, que foi a crucificação de Jose Diirceu, que seria o sucessor natural de Lula.  Há no Pais ainda um bom numero de politicos treinados e experientes para competir pela Presidencia, não precisamos de aventureiros e estranhos no ninho. A politica tradicional é evolutiva, ela faz sua propria decantação pelo voto. Se for para REVOLUCIONAR prefiro o estamento militar no Governo, são patriotas, preparados e

      não são arrivistas como um Hulk, o Exercito é um das tres forças que construiu este Pais, ao lado da Igreja e da Monarquia portuguesa, o Exercito existe há 400 anos e não é uma aventura, o que é inadmissivel no meu entendimento é o PARAQUEDISTA AVENTUREIRO porque é imprevisivel, mais imprevisivel do que um politico ruim.

      • Virgem Maria, me cubra e

        Virgem Maria, me cubra e guarde.

        JOSÉ DIRCEU SUCESSOR DE LULA!!!!!!!!!

        PELO AMOR DOS MEUS FILHINHOS, NETINHOS, BISNETOS ATÉ A 10ª GERAÇÃO.

        Seu comentário só se salva pela menção aos militares.

        Realmente, nunca precisamos deles tanto. Como em 1964.

        Gostatria que um general do Exército se candidatasse a presidente da república, e não essa caricatura que é o Bolsonaro.

        Atenção Generais.

        O Brasil precisa de seus valiosos prestimos, mais uma vez.

         

  4. Caro André, no caso de a

    Caro André, no caso de a plutocracia lograr êxito em alçar o homem do caldeirão ao cargo de presidente do Brasil, ele será apenas um laranja dos que efetivamente mandarão no país. A globo e os demais grupos mafiosos é que vão regular a temperatura do caldeirão social. O narigudo, quando muito, vai “comunicar” as decisões. 

  5. O que seria um político

    O que seria um político tradicional ? Um tipo coronel nordestino que há décadas permeiam a política nacional ou um ex guerrilheiro ou ex sindicalista. Qual ” genotipo ou fenótipo ” para poder alçar a soberba de crer ser um político para o autor? Pensava que os direitos políticos era,  além do voto, ter a garantia que todos podem participar diretamente da política como políticos. Enfim, quem sou eu para querer me intrometer em um assunto que somente os ” escolhidos ” podem opinar e subjugar. Quantos políticos tradicionais conhecemos são incapazes de convergir a vontade em um ato? Quantos senadores com vários mandatos foram incapazes de propor e aprovar um projeto se quer. Políticos gostam é do poder, quem quer fazer o bem cria uma ONG.

    • Grandes politicos

      Grandes politicos tradicionais na Historia Republicana : Pinheiro Machado,  Arthur Bernardes, Getulio Vargas, Benedito Valadares. Flores da Cunha, Israel Pinheiro, Francisco Negrão de Lima, Juscelino Kubtschek, Jose Maria Alkmin, Nereu Ramos, Tancredo Neves, Roberto Campos, Roberto Magalhães, Ulysses Guimarães, Renato Archer, Fernando Lyra,

      Antonio Carlos Magalhães, Petronio Portella, Adhemar de Barros, Carlos Lacrda, Amaral Peixoto, Leonel Brizola, Virgilio Tavora.

      Magalhães Pinto,  Bias Fortes, Oswaldo Aranha, Jose Americo de Almeida, Argemiro de Figueiredo, Orestes Quercia.

      Hoje o quadro é realmente mais pobre e quanto temos um inedito avanço do Poder Judiciario sobre os  eleitos está da Chefia do Poder Legislativo um Presidente do Senado de diminuta estatura politica para efrentar o tsunami.

      Cada Pais e cada época produz os politicos que correspondem aos tempos, nos EUA de hoje o quadro é desolador, a politica lá tambem chegou a seu ponto mais baixo na escala historica, Trump é a sintese dessa decadencia.

    • Grandes politicos

      Grandes politicos tradicionais na Historia Republicana : Pinheiro Machado,  Arthur Bernardes, Getulio Vargas, Benedito Valadares. Flores da Cunha, Israel Pinheiro, Francisco Negrão de Lima, Juscelino Kubtschek, Jose Maria Alkmin, Nereu Ramos, Tancredo Neves, Roberto Campos, Roberto Magalhães, Ulysses Guimarães, Renato Archer, Fernando Lyra,

      Antonio Carlos Magalhães, Petronio Portella, Adhemar de Barros, Carlos Lacrda, Amaral Peixoto, Leonel Brizola, Virgilio Tavora.

      Magalhães Pinto,  Bias Fortes, Oswaldo Aranha, Jose Americo de Almeida, Argemiro de Figueiredo, Orestes Quercia.

      Hoje o quadro é realmente mais pobre e quanto temos um inedito avanço do Poder Judiciario sobre os  eleitos está da Chefia do Poder Legislativo um Presidente do Senado de diminuta estatura politica para efrentar o tsunami.

      Cada Pais e cada época produz os politicos que correspondem aos tempos, nos EUA de hoje o quadro é desolador, a politica lá tambem chegou a seu ponto mais baixo na escala historica, Trump é a sintese dessa decadencia.

  6. Trump é um fenômeno dentro
    Trump é um fenômeno dentro dessa lógica, um oportunista inescrupuloso que foi levando todo mundo na conversa não economizando nas promessas. A diferença está na solidez das instituições americanas e no fato de não estarem passando por crise política como a nossa. Com três meses de governo teve podados todos os seus esbirros autoritários. Comparando suas promessas de campanha ao Trump de agora enfrentando o mundo real parece um caso de gêmeo idêntico mas com personalidade invertida.

    • Tem razão.

      No meu também não apareceu. Mas em cima na tela, ao lado direito do título do post, aparece o sinal de compartilhamento. Ao clicar nesse sinal aparecem várias opcões, inclusive whatsapp. Acabei de compartilhar via e-mail. 

        • Estranho.

          No meu no início da tela  aparece numa faixa azul, a letra   X   e logo a seguir: Depois da tormenta ve….e, continuando, o sinal para compartilhar.  E abaixo dessa faixa azul , no centro da tela : GGN  ( nas letras coloridas como conhecemos). Só depóis, abaixo apoarece opostdo AA.

          • O sinal..

            Não é o sinal de whatsapp. Não sei o nome,mas é o sinal que encontramos em vários artigos para compartilhar.

  7. Cenários para a Rede Golpe…

     

    A Rede Golpe tem em sua genética o utilizar-se de sua concessão pública para ser órgão de propaganda oficial.

    Foi assim que, na ditadura militar, ela se desenvolveu e criou tecnologias de manipulação da opinião pública e de engenharia social.

    Trata-se de expertise desenvolvida por décadas, atuando em prol de governos (menos o de Dilma Rousseff, por que a tornerinha secou).

    E ela criou um mecanismo de autosustentação que manipula tanto o povo, quanto os governantes. Obviamente para aumentar os ativos e o poder dos seus donos.

    Trata-se de um perfeito moto contínuo. Não tem erro: ela provoca a crise e ela mesma se oferece para ajudar a sair da crise. No popular, ela bate e assopra. E assopra se a verba jorrar.

    Quais seriam os cenários que seriam ideiais para a Rede Golpe em um horizonte de 5 anos ?

    Planos:

    a) instaurar o caos e a desordem a fim de provocar um golpe e, assim, mostrar suas competências genéticas

    b) alinhar com seus prediletos tucanos (Dória ?)

    c) fazer um experimento com algum meta-candidato-fake para ver se cola.

    d)

     

     

    • Apresentado por Goubery do

      Apresentado por Goubery do Couto e Silva…

      Tenho muita vontade de ainda pender e, caso o candidato da esquerda seja o Lula, voto nele, mas que ficaram várias dúvidas no ar, e a manipulação é para isso mesmo, que deixá-nos cabreiros. Mesmo porque, sindicato no Brasil, tende para a pelegada mesmo…

  8. AA mais uma vez preciso na

    AA mais uma vez preciso na analise que ainda é embasada em conhecimento e experiência. Grande AA!

    Realmente a direita brasileira copia o que de pior o primeiro mundo realizou no fim do século passado. A Itália que deu em Berlusconi não poderia servir de exemplo para ninguém.

    No entanto o Brasil copiou tudo tintim por tintim. Assim como a TV brasileira, que plagiou alguns programas de baixo nível que passa na Itália.

  9. Ministeriáves num hipotético

    Ministeriáves num hipotético governo Huck :

    Fazenda = Ilan Godfajn ou Alexandre Swartzman

    Minas e Energia = David Zylbersztajn (famoso genro de FHC)

    Cultura = José Júnior (Afroreggae)

    Relações Exteriores = Raul Julgmann ou Wllian Waack

    Indústria e Comércio = Algum preposto do Paulo Lehmann ou João Paulo Diniz

    Comunicações = Senor Abravanel (Silvio Santos)

    Comunicação Social = Marcelo Madureira, Caio Blinder ou Marcelo Serrado

    Defesa = Sergio Etchegoyen ou qualquer indicação da U.S Embassy

    Assistência Social = Em aberto ( O próprio Huck se encarregará de assistencialismo em programas televisivos em sábados e domingos)

    Educação = Pro.Sérgio Nogueira (Programa Soletrando)

  10. Nosso(s) Berlusconi(s) sairá

    Nosso(s) Berlusconi(s) sairá daqueles programas de pregração evangélica que passam na televisão. 

    A CIA não implantou aqui um neopentecostalismo redesenhado para ser hegemonizado por psicopatas a toa – o caos terá tons de teocracia.

     

  11. Talvez isso vá depender de
    Talvez isso vá depender de como o PSDB chegará as eleições de 2018, com Serra, Aécio e Alckmin liquidados politicamente (os dois primeiros certamente e o terceiro muito provavelmente), seria muito difícil encaixar esse discurso do não político “salvador da Pátria” em um partido tão envolvido em irregularidades como o PSDB.
    Não descartaria uma migração de tucanos para o Partido Novo, com Doria Jr. sendo seu candidato a presidência.

    • talvez….

      Contarei uma novidade: “A montanha pariu um rato”. Ou serão dois, três ou quatro? Dória, Berlusconi, Hulk….O que vocês esperavam da agilidade e rapidez da montanha da esquerda? O que ela tem parido de diferente pelo Mundo? 

  12. A estratégica é quase
    A estratégica é quase perfeita e a grande imprensa a desenvolve com esmero e falso puritanismo. Coloca-se no mesmo baú de maldades contribuição eleitoral lícita, caixa 2, corrupção e enriquecimento ilícito, tendo o cuidado de marcar bem que “tudo é a mesma coisa”. Esfacelado o mundo político, busca-se o “”homem de bem”, sem mácula e sem passado público o salvador da pátria, que pode ser um “caçador de marajás”, de triste lembrança ou um simpático fazedor do bem alheiro nas telinhas das tardes de sábado. A Itália, pós Operação “,Mãos Limpas”, da qual Moro extraia a essência da sua Lava jato, após triturar o mundo político,  fez surgir uma hidra dos meios de comunicação, Silvio Berlusconi, o corrupto dos corruptos. Vamos embarcar no mesmo enredo, seja com Hulk ou Doria? A conferir.

  13. Angélica, obviamente, seria a

    Angélica, obviamente, seria a primeira dama. Mas e Tiazinha e Feiticeira, estas duas intelectuais alçadas ao estrelato pelo nosso candidato a Berlusconi, que ministérios ocuparão no futuro governo? O fato, todo mundo sabe muito bem, é que celebridades televisivas servem apenas como testas de ferro dos mesmos de sempre. Que o povão caia na lábia deste tipo de gente, até dá pra entender; duro é perceber que gente com “diproma”, formação superior e acesso a informação também caiam nessa.

  14. Celebrites e o paradoxo do poder

    Para quem defende outsiders no mundo do poder político, Ronald Reagan é o caso mais citado como exemplo bem sucedido de um artista que chegou ao poder e saiu do poder, independente de seu ideário. É mesmo? Pode ser, mas o fato é que isso  não é regra.

    O mundo está cheio dessas tentativas de celebridades – artistas famosos, modelos, esportistas consagrados, “pessoas da sociedade”, empresários de capa –  galgarem o poder, em nome do “NOVO” (do “gigante que acordou!” – alguém lembra da peça publicitária do Itaú, em 2013 – vide quem fora o protagonista da propaganda) ou do “PASSADO GLORIOSO”. Exemplos de como foi “exitosa”, uma “parada estrondosa de sucesso”,  a atuação de celebridades no poder: 1) Isabelita, na Argentina (início da década de 1970); 2) Joseph Estrada, o dandy, o Charles Bronson de Manilla, nas Filipinas (final da década de 90). Na Libéria, o herói futebolista, o craque o Milan Geoge Weah tenta há séculos ser presidente, mas de bobo, os liberianos não tem nada. Preferiram, na última eleição, eleger Ellen Johnson-Sirleaf, vinda de Harvand, com passagens profissionais em organismos multilaterais como o Banco Mundial. 

    O fato é que, no geral, celebrities pregando o novo ou o glorioso, não trazem nada. Adentrado ao andar superior, bastou um ano para que brotem os mesmos vícios, as mesmas práticas, talvez até mais piorado, na medida em que, virgens no manejo do poder, agarram-se nas mãos de interesses que venham a lhe pedir ajuda. Fenômeno puro do paradoxo da modernização, onde o “novo”, o “whishful think” atua, na prática real, para atender a interesses de grupos já deveras arraigado no direcionamento do país. 

    • Nem tão outsider assim

      No caso do Reagan, ele fazia parte de uma estrutura política tradicional e com uma ideologia bem definida, na eterna disputa entre democratas e republicanos. Ou seja, ele não era exatamente um outsider na política e também não era um ator tão célebre assim antes de entrar na política.

      Ou seja, isso reforça o argumento de que as celebridades não têm nada a acrescentar na política, além de muito marketing e um discurso vazio.

    • Isabelita (Maria Estela

      Isabelita (Maria Estela Martínez de Perón) não era nenhuma celebrity. Era dançarina de cabaret, Perón conheceu ela no exilio, acabou cuidando dele e casou com o velho general, e foram morar na Espanha, em Puerta de Hierro. Foi introduzida na vida política, representando Perón em uma viagem a Argentina, de onde trouxe de volta a tiracolo José Lopez Rega, personagem nefasto, conhecido como o bruxo (El Brujo), que acabou tendo muita influencia no círculo íntimo de Perón, por conta da sua relação de confidente de Isabelita (nome artístico de María Estela). A fórmula Perón-Perón (Juan Domingo e María Estela) chegou ao poder em 1973, no ano seguinte morre Perón e fica como presidente María Estela, até ser derrocada em 24 de março de 1976 pelos militares. Nada a ver com um Berlusconi, como conta a coluna do Araújo.

       

      • São circunstancias

        São circunstancias completamente diferentes, não tem nenhuma relação com campanha anti-corrupção da Italia ou do Brasil,

        trata-se da continuidade por derivação de legado entre um regime decrepito mas ainda no leme do Estado para uma sucessora desqualificada, tudo isso no contexto da Guerra Fria e de regimes militares em todos os paises fronteiriços da Argentina.

  15. De uma orgia entre o setor

    De uma orgia entre o setor bancário e o de comunição nasceu uma utópica versão da ética, que foi incorporada no corpo de uma marionete com telhado de vidro. O que nos resta é escolher as pedras certeiras para quebrar esse telhado de vidro no início de sua construção e nos livrarmos, o quanto antes, de mais uma epopéica maldição de salvador da pátria.

  16. Prezado Andre sem duvida  o

    Prezado Andre sem duvida  o golpe e a operação de  aniquilamento do PT e da existência de um partido popular  no poder sacrifica o sistema político inteiro alem da economia nacional   com o propósito de criar uma solução da circo funcional aos interesses dos grupos privilegiados e verdadeiramente criminosos.  O domínio dos grandes meios de comunicação e desinformação, os fake news, os deixa confiantes de poder manipular com relativa facilidade a desorientada e enganada população e o voto.  Mas a  analogia com o caso italiano não consiste exclusivamente no êxito, mas na natureza de golpe. Foi um claro golpe também na Itália, com certa regia externa, a corrupção uma secundaria motivação e a via judiciária a moderna forma de realizá-lo:  o resultado  vinte anos de desastre econômico e cultural italiano.  

    Pelo que se  sabe  era o suposto e incompetente  partido de esquerda (PD  devia ser o nome) a opção da oligarquia  local que ficou um pouco decepcionada com a vitoria do outsider Berlusconi e da sua carnavalesca turma.  Não que o desastre teria mudado.

    Provavelmente a goleada da oligarquia golpista dos privilegiados nacionais fica mais fácil e vão eleger diretamente os palhaços a representar e proteger os interesses dos rentistas.

    Mas também não aparece  impossível mostrar a grande maioria da população os interesses em conflitos, sendo que já estão bem queimados depois de acreditar no milagre do golpe que coloca dinheiro só nos bolsos dos privilegiados.

  17. The end

    Necrológio conciso e definitvo que já se encontra antecipadamente cunhado em placa de bronze:

    “Aqui jaz a querida República destruída por procuradores federais e pela imprensa tradicional”

                                                  “Compadecidos corruptores e corruptos”

  18. A política brasileira é é farta de Berlusconis. . .

    A política brasileira é farta de Berlusconis, já tivemos um no estado de São Paulo, Orestes Quércia, que de radialista em Campinas, chegou a senador, governador do estado de São Paulo e tinha sonhos de chegar à presidência, mas não conseguiu, bom de oratória, crítico da ditadura militar, mas ao mesmo tempo nunca o vi defender os pobres e os oprimidos, no Paraná temos Álvaro Dias, que de locutor de rádio na cidade de Londrina chegou a governador, hoje senador, um dos mais velhos do Senado, crítico ferrenho do PT, mas sua imagem no Paraná é de um governador que mandou bater nos professores durante uma manifestação, também é acusado de ter omitido bens à Receita Federal. Se pesquisarem a fundo quase toda cidade média e grande tem locutores de rádio que chegaram a vereadores, deputados, prefeitos, mas nunca vi um com uma liderança verdadeira e sem acusações de malfeitos na vida pública.

    • São situações muito

      São situações muito diferentes. Quercia e Dias começaram por baixo e foram crescendo na politica ao longo de decadas.

      Berlusconi começou por cima e os novos aventureiros querem logo a  Presidencia, como Berlusconi que entrou  na politica como Primeiro Ministro.

    • Esqueceu-de de dizer que o

      Esqueceu-de de dizer que o primeiro começou como radialista, classe média-baixa, foi político a vida toda, no meio do caminho virou também empresário. 

      Morreu em 2010 BILIONARIO. 

      E depois corrupto-mor é o Lula. 

      Ta bom. 

    • Meu caro, vc sabe quantos

      Meu caro, vc sabe quantos anos tem a DEMOCRACIA MODERNA? Não tem cem anos. Antes tivemos 9.900 anos de regimes autocraticos. A Democracia moderna é novissima, cheia de trapaças, engodos, equivocos, imperfeições, falsidades, imenso jogo de interesses, é um dos piores regimes da historia da Humanidade pelos riscos que oferece as populações, está ai  o

      caso TRUMP na maior das democracias, um erro dentro de uma serie de equivocos. Não tem nada  melhor no Seculo XXI do que havia no seculo XX, arrisco a dizer que está MUITO PIOR do que as democracias mais seguras do seculo anterior, onde ao menos havia grandes homens no comando dos maiores Estados, hoje temos anões a pilotar barcos afundando.

  19. Não esqueçamos o partido

    Não esqueçamos o partido PRB(da record e Universal)q ao meu ver foi o q incentivou a Globo em

    buscar protagonismo ainda mais na política e no poder,tudo isto seria evitado se a IDEOLOGIA CORRETA

    do servidor público(para todos)estivesse clara a todos os cidadãos brasileiros(hã!?comentário meio sem

    nexo,mas tem algum fundo de verdade,deixa assim mesmo,saiu agora “na lata”,VIVA O BRASIIILL!!)

  20. A imensa campanha da GLOBO

    A imensa campanha da GLOBO para destruir o atual sistema politico tem como objetivo a construção de uma candidatura de DIREITA em 2018, com total apoio do Judiciario e do Sistema Financeiro. A opção da ESQUERDA é uma candidatura unica

    com um conjunto de forças, contando com a possivel fragmentação da DIREITA porque o butim do Estado brasileiro é apetitoso demais para despertar a ambição de um unico candidato. Apárecerão varias candidaturas de aventureiros, haverá uma fragmentação no campo da direita neoliberal, paraquedistas não faltarão.

    Uma FRENTE POPULAR será a unica alternativa das esquerdas, se esta se fragmentar não haverá nenhuma chance.

    Não está inda claro o mapa eleitoral da ESQUERDA mas a candidatura Ciro Gomes é uma possibilidade, com o apoio do PT.

    Nada ainda esta definido e essa será a grande tarefa das lideranças de esquerda de hoje a 2018, SE não houver antes uma solução extra-constitucional.

  21. Prezado André
    Boa noite
    Sinto

    Prezado André

    Boa noite

    Sinto muito, mas acho que os milicos voltarão e nem eleições haverão em 2018 !!!

    Dia 03 de maio será o teste definitivo do que poderá ocorrer no país se resolverem prender o Lula.

    Tudo caminha para sua prisão!

    Haverá confragação !

    E intervenção !

    Abração !

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome