Derrota na Previdência pode “destroçar de vez” o governo Temer, diz Helena Chagas

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN – A jornalista Helena Chagas avaliou como um erro a decisão de governistas em fechar questão sobre a reforma da Previdência. Segundo ela, usado de mandeira desesperada, a cobrança por fidelidade pardária pode não ser garantia de votos e deixar o governo Temer exposto. Se não conseguir votar o projeto ou for derrotado, mesmo após ter fechado questão, o governo ficará “desmoralizado”. A crise pode “destroçar de vez um governo e sua base.”
 
Por Helena Chagas
 
Em Os Divergentes
 
 
Fechar questão numa votação é sempre uma jogada de risco. Pode ter efeito positivo e deixar à vontade deputados que estavam pressionados pelas bases a votar de uma forma – ganham a desculpa da disciplina partidária para votar do jeito que o governo e o partido querem. Quando usado na base do desespero, porém, o recurso pode ter efeito contrário, expondo dissidências e divisões, e enfraquecendo mais ainda o Planalto e os partidos aliados.É que pode acontecer agora no caso da Previdência.
 
Fechar questão e perder – ou não conseguir votar, que é uma espécie de derrota – é desmoralizante. E pode destroçar de vez um governo e sua base. É uma medida extrema que pode acelerar a percepção de que o rei está nu.
 
Há muitos e muitos anos, nos idos de 1984/85, foi o que aconteceu nos estertores do regime militar, acelerando sua deterioração, quando o então partido do governo, o PDS, fechou questão pelo voto em Paulo Maluf no Colégio Eleitoral que acabou elegendo Tancredo Neves.
 
Naquele jogo de cartas marcadas, o PDS teria maioria numérica para derrotar Tancredo, não fossem as dissidências no próprio partido, formadas pelo grupo que acabou intitulado Frente Liberal – o pai do extinto PFL, hoje DEM -, integrado por José Sarney, Marco Maciel, Guilherme Palmeira e outros. A direção do PDS fechou questão e chegou a recorrer à Justiça argumentando que os votos dados a Tancredo, contrários à orientação partidária, não poderiam sequer ser computados. Coisas da ditadura. Mas perdeu todas no TSE, expôs a deterioração do regime e Tancredo foi eleito pela aliança entre o PMDB e os dissidentes.
 
Guardadas as diferenças de tempo, espaço, objeto e motivação, a consequência de um fracasso na estratégia do fechamento de questão determinada pelo Planalto para a Previdência pode ter um resultado parecido: expor a deterioração política do governo Michel Temer e mostrar que o rei está nu.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora