Duas vitórias importantes do governo

Neste madrugada o governo conseguiu seu primeiro lance positivo em muito tempo. A estratégia montada conquistou o apoio de 60 deputados do PMDB, em torno da promessa de três Ministérios, dentre os quais o da Saúde e provavelmente o da Infraestrutura, que juntará os de Viação e Portos.

O negociador foi o deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ),  presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Embora jovem, está no segundo mandato, Picciani não depende do presidente da Câmara Eduardo Cunha, mas é seu aliado.

Os sinais de que a manobra estava sendo bem sucedida foi o alarido da oposição, “denunciando” a entrega da Saúde ao grupo. É medida complicada. Historicamente, o Ministério da Saúde tem sido blindado nas barganhas políticas. A alegação dos líderes do governo é que se tratava de uma questão de vida ou morte do governo.

Com o acordo, o governo conseguiu manter quase todos os vetos de Dilma ao festival de gastança da Câmara, mostrando mais um acerto do governo, ao decidir enfrentar a votação de surpresa.

Ficou de fora, por enquanto, apenas os reajustes do Judiciário, por falta de quórum. O item mais caro – o Fator Previdenciário – foi mantido.

As articulações tiveram o dedo de Lula. Mas tem crescido a participação de Giles Azevedo, o discreto homem de confiança de Dilma. Giles não é pessoa das grandes articulações. Mas tem duas características importantes para o momento: os parlamentares sabem que os recados dados chegam até Dilma; e reconhecem que Giles é homem sem ambições políticas e sem jogadas duplas.

Foram duas vitórias maiúsculas, comprovando que a estabilização política está ao alcance de Dilma. Basta apenas não errar tanto.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

30 comentários

  1.  
     
    [FORA DE PAUTA(?!)]
    SOBRE

     

     

    [FORA DE PAUTA(?!)]

    SOBRE OS CRIMES E AS ILEGALIDADES COMETIDOS CONTRA O SENHOR JOÃO VACCARI NETO … A condenação do senhor João Vaccari Neto serviu, entre outras patifarias, para cevar o putrefato estômago predador seletivo de reputações e os intestinos miasmáticos do [pseudo]jornalista Alexandre Garcia “dos patrões Marín(hos)” do FIFALÃO &$ da soNEGAção bilionária – e impune!O covarde usou todo o sarcasmo abjeto para continuar o assassínio da reputação do Henrique Pizzolato!Rosna [a $oldo IMUNDO], Garcia!Vomita toda a bilirrubina do ódio figadal, Alexandre Garcia [reles e infame] ex-porta-voz da ditadura militar!”O Henrique Pizzolato será extraditado pela Justiça italiana! O Pizzolato voltará direto para a Papuda, onde ficará preso porque é um fujão!”Sim, “bem assim”, Sem dó nem piedade!Miseravelmente vulgar!Na edição de hoje (22/09/2015) do comentário panfletário-terrorista ‘MAU Dia Brasil’ do rádio! NOTA FÚNEBRE(!):aqui em Feira de Santana, Bahia, o programete fasciterrorista e antinacionalista ‘MAU Dia Brasil’ é retransmitido pela Rádio Princesa FM 96.9 e Rádio Sociedade AM 970.Emissoras da Rede [de Frades] Capuchinhos de Comunicações.Empresas católicas [do lucro!].E, atualmente, também a serviço do ‘golpe jurídico-midiático ainda ora em curso desde o antanho do Mentirão’! Messias Franca de Macedo – matuto ‘bananiense’Feira de Santana, BahiaRepública Desses Bananas ‘Penas Amestradas’ a $oldo IMUNDO, Panfletário-terroristas, Nazifascistas e [mega]Corruptos até a enésima geração 

  2. Derrota

    Trocar ministério por apoio parlamentar pode até ser vitória do governo (não acho que seja, pois sinaliza vitória de achacadores), mas é derrota da Sociedade. Com os custos das campanhas eleitorais inflacionados pelas doações (ou melhor, investimentos) empresariais, os congressistas precisam se incrustar no Executivo porque, sendo nele que o grosso do dinheiro corre, os investimentos feitos nas campanhas eleitorais podem ser recuperados juntamente com gordos dividendos..

  3. Quem acredita na vitória do

    Quem acredita na vitória do governo acredita em qualquer coisa. Quem bancou a rejeição do veto não foi o governo, mas as forças econômicas que mandam no país e veem esses gastos como o estopim de uma quebradeira crônica do Estado e, assim, o aprofundamento da crise econômica, o que lhes traria mais prejuízos. Na hora do “vamos ver”, essa maioria vai dissolver no ar.

  4. A conclusão que fica é que se

    A conclusão que fica é que se o PT quiser fazer um governo que tenha realmente a sua cara (se é que o partido ainda tem cara), terá que eleger muito mais parlamentares do partido e de seus poucos aliados fiéis (como o PC do B). Isso, só será possível se enfrentar a mídia e se mantiver as pontes com suas bases sociais (funcionalismo, CUT, etc.). Fazer a opção por elas ao invés das agências de risco. Ter vacilado em alguns momentos em relação a esses pontos foi o erro mais grave do PT.

  5. Quer dizer que logo após
    Quer dizer que logo após Temer recomendar que negociasse com Cunha, Picianni é o cara?

    Quer dizer que Dilma entregou o SUS para Cunha?
    Que coisa chata heim. Que desagradável.
    Mas passa. Basta soprar.

    • Depois do petrolão, vem aí o

      Depois do petrolão, vem aí o escândalo do AAS infantil.

      E assim vamos demolindo algumas das poucas coisas que conseguiram erguer nos 500 anos dessa penúria: Petrobrás, SUS e Justiça do Trabalho.

  6. Enquanto o filho Piciani

    Enquanto o filho Piciani parece compor com o governo, aqui no RJ, na Assembléia Legislativa, o pai era maior “mafioso”.

    Esse jovem faz parte de familias oligarcas.

    Sinceramente, não levo muita fé em politicos profissionais, trazem ranço dos seus ascendentes.

    Pelo menos foi uma bola dentro do governo.

  7. Vitoria? Talvez

    Ou PMDB preparando o terreno para governar no pós-impeachment.

    É lógico q o PMDB no caso do provável impeachment se concretizar não iria querer governar em terra arrasada.

     

  8. Mais meia hora de crise, e

    Mais meia hora de crise, e esse trio vai começar a trocar dentadura por voto. Já estão entregando o ministério com o dentista dentro!

  9. Em tempo: assisti a sessão do

    Em tempo: assisti a sessão do início ao fim, como fizeram milhares de trabalhadores que estavam em vigília pelo país.

    A falta de quorum para dar a rasteira ao judiciário se deu porque ainda há partidos – ou ao menos parlamentares – defendendo algo além de fisiologismo.

    Quando os servidores perceberam a manobra, articularam pelas redes, avisaram os que estavam saindo, inclusive alguns que haviam firmado compromisso de votar favoravelmente. 

    Alguns parlamentares mais sérios passaram a usar da ferramenta regimental: obstruir a sessão.

    Foi o modo para impedir a manobra golpista do PT. Entregaram um ministério como a Saúde, e perderam junto os dedos.

  10. O PMDB tem bons quadros na

    O PMDB tem bons quadros na área da Saúde no Rio de Janeiro. É daí que veio o ex-Ministro José Gomes Temporão que foi um bom Ministro da Saúde do Lula. Se for por aí a negociação de ministros que aconteceu pode não ter sido assim tão rasteira. Pode até ter sido bem qualificada.

  11. Como dizia o chanceler Bismark…

    Como dizia o chanceler Bismark, pobre povo alemão, se soubessem como são feitas as leis e as salsichas!

    Mas pelo menos conteve a gastança irresponsável da câmara, patrocinada sobretudo pelo PSDB, que o pessoal aqui jura que é de direita.

  12. É, fazer o que? Melhor que o

    É, fazer o que? Melhor que o caos, que é o que os golpistas querem. Lí no Tijolaço que outra concessão, e pior, foi ceder ao Cunha. Diz o Fernando Brito que a presidenta não vai vetar a lei que autoriza doação privada. Segundo Brito isso amplia o poder do Cunha, em seu embate com o MP e o STF.

    PS: Também segundo Brito a lei de Cunha cai assim mesmo, no STF. Vai ficar o desgaste da Dilma ao vetar uma das principais bandeiras dos progressistas.

  13. Enquanto isso no UOL, materia

    Enquanto isso no UOL, materia do jornalista Rernando Rodrigues entrevista Fernando Collor, dizendo que as medidas nao serão aprovadas, e que o impeachment, nao pode ser parado depois de iniciado.Tudo a ver com os Fernandos.  

  14. E Dilma entregou a cabeça do Arthur Chioro

    Médicos progressistas, de esquerda (não, não é o mesmo que cabeça de bacalhau, eles existem, raros mas existem) tinham no Chioro (santista, sanitarista) um alento, uma referência. Guardadas as proporções, comparado assim a um Davi Capistrano. Dá até medo imaginar o nome que o PMDB vai apresentar para substituir o Chioro.

  15. Vitória nos vetos tem assinatura de Dilma

    “O resultado da votação sobre os vetos mostrou que o governo possui um grau razoável de controle sobre sua base no Congresso, desmentindo a visão de fim de feira que tem sido construída por veículos de comunicação que confundem a realidade com seus desejos”, afirma Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília; ele conta que a própria presidente Dilma Rousseff foi ao telefone para discutir o que fazer com os principais líderes do PMDB; “Os votos de ontem foram o indispensável batismo de fogo para a reforma ministerial de um governo que precisa ser reconstruído, para defender um mandato legítimo contra aventureiros e golpistas que só respeitam a democracia quando ela beneficia suas conveniências”, afirma

    http://www.brasil247.com/pt/blog/paulomoreiraleite/198025/Vit%C3%B3ria-nos-vetos-tem-assinatura-de-Dilma.htm

  16. Basta.

    Basta entregar ministérios e orçamento, ora, ora. É isso que está em jogo desde a Nova República, principalmente depois da metade do segundo mandato de Dilma, quando aquela conversa de ministério “técnico” já não enganava mais ninguém com mais de seis anos (com as exceções notórias).

    … “Articulação política”….

    …. “Projeto de país”…

    … “Ideias força”…

    Se não entrar no debate público dizendo que o Congresso que existe é esse e não adianta fingir ou sonhar que bem poderia ser outro, perdeu! E se continuarem insistindo em conversinhas de bastidores vão ser enngolidos por dentro e por fora. Não há mais desculpa pra agir como se não tivesse entendido.

    Com certeza virão os materialistas vulgares dizerem que foi e é um “erro” manter a governabilidade. Mas eles só sabem fazer gol contra mesmo; nada vai mudar isso; que diferença faz? Em vez de atirar na direita eles atiram em quem está mais perto, os “valentes”! Que diferença faz?

    Deixa eles acreditando que com o bloco reacionário recomposto desde 2012/2013, num prolongamento de crise internacional, esgotamento fiscal e uma lava jato servindo sob medida de pretexto o governo teria forças suficientes para “avançar uma agenda contra o capital”, em vez de segurar como puder o que foi conquistado.

    … Aqueles do PSTU chegaram a achar que estava-se em um momento “prerevoluucionááário”…

    Etá na hora, inclusive, de tirar o outro partido do Kassab da gaveta para “recompor” a base. A votação do orçamento ainda virá. Acho que será esta a “batalha final”.

    Enquanto isso as tais “bases” poderiam bem espalhar que “a Dilma foi sequestrada pela direita boçal!” Quem sabe assim ela não aparece em rede nacional de radio e TV, né?

    • Geddel

      Vi no 247 frases do “insuspeito” Geddel Vieira Lima:

      “A Dilma vai vender a alma e setores do PMDB, não vai fazer reforma administrativa significativa e, daqui há alguns dias, o partido continua igual. Me cobrem. Pena, PMDB”.

      O ex-ministro disse ainda que está “envergonhado” por causa de seus correligionários que mantêm apoio à presidente. 

      “Eu já estou ficando com pena da Dilma nessa negociação com essa bancada do PMDB que não vive sem um cargo. Estou envergonhado. Até com gente que… Deixa pra lá”.

      Para fechar a conta, Geddel Vieira Lima critica os peemedebistas ainda pela contradição por causa da defesa incessante que o partido tem feito pela redução do número de ministérios.

      “A Dilma tem que botar a boca no trombone e dizer que quem defendeu redução de ministérios agora está lá se matando e a constrangendo por uma boquinha”.

      E aí, Nassif, pergunto eu, qual o “projeto de país” que está em debate? Qual “erro” e qual “acerto” da “articulação política” do gooverno? Foi a entrada do “fulano de tal”, é?

  17. “Basta apenas não errar

    “Basta apenas não errar tanto”.

    Seria elucidador se  os erros fossem apontados, de preferência, seguidos de algumas sugestões.

    Da forma como se é difundido fica muito fácil, para todas as dificuldades que surgem, o fator foi o erro da Presidenta, se ela agir da mesma forma que os canalhas agiram até hoje, subornando políticos e adversários , é sinal de sapiencia( desde que dê certo é lógico).

    • Até onde sei

      esse blog já apresentou várias críticas a decisões tomadas pela presidência, o autor não viu necessidade de se repetir o que já foi falando muitas vezes

       

       

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome