As não-explicações do Datafolha

Nassif,

O que vc acha do artigo do Paulino hoje na Folha para justificar os resultados (passados e parece futuros…) 

Comentário

O questionamento ao Datafolha começou nas seguintes circunstâncias:

1. Uma pesquisa extemporânea às vésperas da convenção que indicou José Serra, apontando para o crescimento da sua candidatura – contra a tendência observada por todos os institutos (inclusive o Datafolha) até então.

2. O fato de que a pesquisa foi oportuníssima a Serra, por permitir salvar a Convenção.

3. O fato, também, de ter circulado informação de uma pesquisa da Sensus, previamente programada, mas que poderia sair no mesmo dia da convenção, apontando crescimento da candidatura Dilma. E o fato de, junto com os resultados da pesquisa extemporânea do Datafolha, a Folha ter iniciado uma campanha de descrédito contra os institutos que traziam informações diferentes. Campanha ampliada pela decisão da Globo – outra organização claramente alinhada com a candidatura Serra – de só divulgar pesquisas do Ibope e do Datafolha.

4. O fato do Datafolha, dentre os quatro maiores institutos, ser o único que não apontou, em nenhuma pesquisa, vantagem da Dilma.

5. Finalmente, o histórico da Folha de apoio à candidatura Serra e de campanha contra Dilma, recorrendo a informações falsas – ficha de Dilma, por exemplo.

De minha parte, acredito piamente que os problemas do Datafolha são de ordem metodológica. As críticas sérias contra suas pesquisas são de ordem metodológica. Em vez de explicar a metodologia, Paulino saiu-se da maneira mais cômoda: imputou as críticas às torcidas. E levantou acertos de outros tempos para justificar as dúvidas de agora.

Da Folha

MAURO PAULINO

Pesquisas não servem às torcidas

Quem vai a estádio e quem faz pesquisa sabe que torcidas às vezes perdem a razão

AO MOSTRAR, em abril deste ano, que o tamanho da torcida do Corinthians estava, naquele momento, a apenas quatro pontos percentuais da do Flamengo, no limite do empate técnico, o Datafolha foi contestado por centenas de flamenguistas com argumentos frágeis e ameaças de todos os graus. Costumeiramente são esses, das torcidas, os números que geram mais polêmicas e reações genuinamente apaixonadas.

O empate técnico entre Serra e Dilma, apurado pelo instituto há duas semanas, elevou as reações políticas ao mesmo nível de agressividade dos argumentos típicos das arquibancadas. Neste caso, às ameaças e impropérios dos militantes, remunerados ou apaixonados, somam-se falácias técnicas elaboradas por pseudo-especialistas em pesquisa, que propagadas e repetidas à exaustão nos meios eletrônicos, são tomadas por muitos como verossímeis.

Esse processo de coerção não é novo para o Datafolha nem exclusividade dos consultores contratados pelo PT. Nos primeiros dez dias da disputa pelo segundo turno em 2006, enquanto o Datafolha mostrava sozinho que Geraldo Alckmin poderia ter menos votos do que havia obtido no primeiro, o PSDB levantou várias suspeitas embasadas em argumentos “técnicos” contra os métodos do Datafolha. Algumas foram repercutidas pelo próprio candidato do partido à Presidência em debate na TV.

Mais recentemente, na disputa pela Prefeitura do Rio em 2008, a ultrapassagem de Gabeira sobre Crivella, revelada pelo Datafolha antes mesmo das pesquisas internas dos partidos, também foi motivo de suspeitas infundadas sobre o instituto.

Não é, portanto, a primeira vez que o Datafolha destoa de seus concorrentes. Isto não quer dizer que esteja necessariamente certo ou errado em todos os resultados que divulga. É prudente, no entanto, que seus fundamentos metodológicos colocados à prova há 26 anos, sejam levados em conta.

Mas como o eleitor brasileiro deve ler resultados diferentes divulgados pelos institutos de pesquisa? Analisando os números sem viés partidário e informando-se sobre a atuação de cada instituto em eleições anteriores o que lhes confere reputação e credibilidade.

Por mais que alguns pesquisadores tentem fazer parecer o contrário, pesquisas não são preditivas, refletem resultados do momento em que são feitas, embutem erros determinados pelos limites estatísticos e seus resultados podem variar de acordo com os instrumentos utilizados nas entrevistas, como o questionário.

Muitas informações fundamentais para avaliar os números divulgados podem ser obtidas no site do TSE que disponibiliza os registros de cada pesquisa contendo informações específicas e instrumentos de coleta de cada instituto. O Datafolha posta em sua página na internet cruzamentos e bases estatísticas de todas as pesquisas que divulga e defende que essa prática seja obrigatória.

Como os resultados de pesquisas, amplamente divulgados, estão entre os principais fatores de captação de recursos para as campanhas, aposta-se na confusão e na distorção para amenizar ou potencializar possíveis prejuízos. Cabe aos analistas independentes a missão de reconhecer o viés partidário das afirmações propagadas.

Quem frequenta estádios e quem produz pesquisas sabe que torcidas organizadas, por vezes, viram as costas para a partida e mergulham em seus próprios cânticos, perdendo a razão e o próprio jogo.

MAURO PAULINO é diretor-geral do Datafolha

AMANHÃ EM PODER:
Marco Antonio Villa 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome