“Falei com a Gabriela, ela disse que vai sentenciar o caso do sítio”

Em áudio, Dallagnol conta a procuradores pressão feita à juíza substituta de Moro para sentenciar Lula antes que novo juiz assumisse a Vara de Curitiba

Jornal GGN – No dia 10 de janeiro de 2019, o então coordenador da força-tarefa da Lava Jato de Curitiba, Deltan Dallagnol, pressionou a juíza Gabriela Hardt a terminar a sentença contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, antes que um novo juiz assumisse a 13ª Vara Federal de Curitiba. Menos de quatro semanas depois, Hardt condenava Lula.

Posteriormente, a sentença de Hardt no caso do sítio de Atibaia foi acusada de plágio e foi anulada pela 8ª Turma do Tribunal Federal da 4ª Região (TRF-4).

Um dia antes de enviar o áudio sobre a pressão feita à Hardt, Dallagnol se reuniu com o então presidente do TRF-4, o desembargador Thompson Flores, que o comunicou que no dia seguinte, 10 de janeiro de 2019, seria aberto o processo para preenchimento da vaga deixada por Moro.

Naquele dia, Dallagnol contou aos demais procuradores da força-tarefa que se encontrou com a juíza substituta com o objetivo de pressioná-la a sentenciar contra Lula.

“Falei com a Gabriela. A Gabriela, é…, perguntei dos casos né, perguntei primeiro do caso do sítio, se ela ia sentenciar”, introduziu o procurador. A juíza respondeu que a defesa de Lula havia deixado uma pilha de “umas 1.600 páginas” de alegações finais sobre o caso.

No áudio enviado à procuradora Isabel Groba Vieira, da Lava Jato, o então coordenador da força-tarefa indicou que, pelos pedidos dos procuradores, Hardt deixou “mais 500 casos” em segundo plano, para concluir a sentença contra Lula no caso de Atibaia:

“Olha, tô tentando fazer isso aqui, tá todo mundo esperando que eu faça isso, mas tô aqui eu e o Tiago, e fora isso aqui – que é uma sentença – eu tenho mais 500 casos conclusos pra decisão. Que horas eu vou fazer isso aqui? Só se eu vier aqui e trabalhar da meia noite às seis. Tem todas as operações. Tem as prisões que vocês pediram. Tem isso, aquilo”, foi a resposta da juíza ao “pedido” do procurador.

“E aí ela disse que vai sentenciar o caso do sítio, mas o outro ela não tem a menor condição de sentenciar”, completou Dallagnol.

Leia também:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora