Filme da Lava Jato é exemplo de propaganda e manipulação sutil, diz o crítico Pablo Villaça

Jornal GGN – Polícia Federal -A Lei É Para Todos é “um filme muito bom para ser usado como exemplo de como fazer propaganda e manipular o espectador de maneira muito sutil.” É o que avalia o crítico de cinema Pablo Villaça, em uma análise divulgada em seu canal no Youtube, na quarta (30), após a pré-estreia da obra em Curitiba.
 
Segundo Villaça, “qualquer um que tenha o mínimo de honestidade e conheça o básico de linguagem cinematográfica percebe os elementos de propaganda no filme. É um filme político-partidário.”
 
O crítico afirma que o filme pontua positivamente quando expõe, de maneira didática, como a apreensão de um caminhão com palmito deu origem a uma operação do porte da Lava Jato. Porém, da caracterização dos personagens às tentativas de imprimir momentos de ação ao filme, há inúmeros erros e escolhas que tornam o produto final tendencioso. Uma ode aos policiais federais, “obviamente anti-PT”, que finge imparcialidade. 
 
“Não tem problema que se faça no Brasil um filme de propaganda. O que incomoda é que haja a negação de que é uma propaganda e que ela seja caricatural, porque aí ela passa a ser ridícula”, disse Villaça.
 
Para Villaça, um dos piores momentos do filme diz respeito à discussão das “provas” encontradas contra Lula no caso triplex. “Se até então vinha sendo didático, o filme começa a deixar que elementos de evidências que não são evidências sejam apresentados com a mesma força que elementos bem mais sólidos apresentados antes”, disse. “O espectador tá do lado desses caras o filme inteiro. Quando eles dizem algo com contundência, o espectador médio tende a ouvir aquilo e absorver como se verdade fosse, sem questionar.” 
 
O grampo em Dilma e Lula não é tratado como um vazamento por Moro que gerou um dos episódios mais polêmicos na operação. Ao contrário disso, arranca risadas do público pela empolgação que gerou na força-tarefa. “(…) um personagem diz: ‘Tá aí prova, tá aí o que a gente precisava, um complô para atrapalhar a Lava Jato’. Ele faz uma série de ilações que você que acabou de ouvir o áudio, mesmo sem conhecê-lo (na vida real), não vê nada disso. Mas como são protagonistas, você tende a não questionar aquilo.”
 
Segundo Villaça, outra técnica de propaganda utilizada é que os personagens são caricaturas, todos “preto e branco, sem tons de cinza.” Ou você é herói, ou você é vilão. Não tem meio termo. Isso cria no expectador a ideia de que ele precisa ficar do lado dos policiais e o impede de criar qualquer empatia com quem está no lado dos réus.
 
Sergio Moro, portanto, é apresentado como um “homem de família” – aparece mais conversando com filho e esposa em sua casa do que trabalhando no escritório.
 
Lula, por outro lado, é uma “caricatura” do mal. “As decisões de Ary Fontoura [intérprete do ex-presidente] como ator são obvias. Ele enxerga o personagem como um vilão e assim o vive. Todas as inflexões do Ary Fontoura e suas expressões passam para a plateia uma ideia de vilania.”
 
Assista ao vídeo abaixo:
 
https://www.youtube.com/watch?v=5iZo7mRDYKM

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora