GGN

Governo Bolsonaro completa 1000 dias sem nada a comemorar

Jornal GGN – O governo de Jair Bolsonaro chega aos 1000 dias neste domingo com pouca coisa a se celebrar: crise econômica, pandemia de covid-19, problemas institucionais instigados pelo próprio presidente e novos registros de corrupção envolvendo seus familiares.

O presidente tem visto sua popularidade cair a olhos vistos, enquanto quase 600 mil brasileiros perderam suas vidas para a covid-19. Além disso, existem 132 pedidos de impeachment nas mãos do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), e as investigações em curso na CPI Pandemia e no próprio Supremo Tribunal Federal (STF) são mais um motivo de pressão.

Para lidar com isso, Bolsonaro recorre a sucessivos ataques contra governadores, integrantes do Congresso Nacional, do STF, a imprensa, contra o próprio vice-presidente, Hamilton Mourão, e até mesmo contra ex-integrantes de seu governo, como os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e Sergio Moro (Justiça).

Clique aqui e colabore com o jornalismo independente do GGN

O caso mais recente envolveu as manifestações de 07 de Setembro, quando Bolsonaro xingou o ministro Alexandre de Moraes de “canalha” diante de seus apoiadores e ameaçou não cumprir decisões judiciais. O apaziguamento com o STF só foi relativamente obtido com a publicação de uma carta redigida pelo ex-presidente Michel Temer.

O jornal O Globo elaborou um levantamento que revela pelo menos 100 crises registradas ao longo do governo, o que totaliza uma média de três por mês. Ao todo, 19 ministros deixaram o governo, o que corresponde a uma mudança a cada 52 dias.

O caso mais emblemático envolve o Ministério da Saúde. Em meio à pandemia de covid-19, a pasta foi comandada por três gestores diferentes antes da entrada de Marcelo Queiroga, o que atrasou a vacinação em massa da população enquanto o presidente continua a defender o uso de medicamentos comprovadamente ineficazes contra o vírus.

E nada indica que isso terá algum fim no curto prazo. As tensões devem avançar conforme as eleições se aproximam, e um ingrediente extra para a instabilidade é a derrota de Bolsonaro para qualquer candidato que o enfrente em um eventual segundo turno. A tendência é que a radicalização ganhe força, até mesmo para manter sua base de apoiadores próxima.

Leia Também

Cresce a desconfiança nas instituições no Brasil, segundo Datafolha

Com Partido versus Sem Partido, por Fernando Nogueira da Costa

“Precisamos de uma bela foto pra transmitir essa boa mensagem”, diz jornalista da Veja a Bolsonaro

Ocupação da Bolsa: o que deve indignar, protesto pacífico ou a violência da desigualdade?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Sair da versão mobile