Governo cancela de forma definitiva contrato da Covaxin, após CGU confirma que documentos foram montados

GCU confirmou que dois documentos, apresentados pela Precisa Medicamentos na negociação de compra com o Ministério da Saúde, foram adulterados

Agência Senado

Jornal GGN – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quinta-feira, 29, que determinou cancelamento definitivo do contrato de R$ 1,61 bilhão com a Precisa Medicamentos, para a compra de 20 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech.

A ação ocorreu após a Controladoria-Geral da União (GCU) confirmar que dois documentos, apresentados pela intermediadora brasileira, a Precisa, na negociação de compra dos imunizantes com o Ministério da Saúde, foram adulterados. 

De acordo com o ministro da CGU, Wagner Rosário, os documentos adulteradas são uma suposta procuração da Bharat, que afirmou ao governo não ter emitido, além de declaração de inexistência de fatos impeditivos para assinar a compra.

Segundo Rosário, esses papéis já estão em posse da Polícia Federal, que irá apurar quem fez a montagem.

A CGU nega, no entanto, quaisquer outras irregularidades na negociação, como no preço do imunizante, de US$ 15, o mais alto negociado pelo governo, ou nas chamadas “invoices”, documentos apresentados para a importação. 

Com informações da Folha de S. Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome