A Colômbia pós-Uribe

Da Folha/Reuters

Santos é diplomado e já se considera presidente: os desafios colombianos no pós-Uribe.

02/08/2010 – 18h15Juan Manuel Santos é diplomado como presidente da Colômbia

DA REUTERS, EM BOGOTÁ

Juan Manuel Santos, 58, foi diplomado nesta segunda-feira como presidente eleito da Colômbia, cargo que assumirá no próximo sábado (7), com o desafio de reatar relações com a Venezuela e realizar reformas sociais cruciais para o combate à pobreza e o desemprego.

O ex-ministro de Defesa substituirá seu aliado Álvaro Uribe, cuja gestão de oito anos foi marcada pela luta aguerrida contra guerrilheiros e traficantes, algo que Santos promete manter.

Ao receber a credencial por parte das autoridades eleitorais, ele disse já se sente formalmente presidente da Colômbia.

“Um ato simples, mas que me compromete enormemente com a institucionalidade e com o povo colombiano. Recebemos mais de 9 milhões de votos e um mandato muito claro, que nos obriga a cumpri-lo,” afirmou Santos na cerimônia em que recebeu o diploma.

A posse está marcada para o sábado na histórica Praça Bolívar, no centro de Bogotá. As Forças Armadas anunciaram um forte esquema de segurança, com patrulhas aéreas e francoatiradores.

Santos, que foi também ministro da Fazenda e Comércio Exterior, tem apoio de investidores e empresários para manter políticas de livre mercado e de segurança de Uribe.

Eleito com a maior votação da história do país, o político conta também com sólido apoio parlamentar, além de uma oposição reduzida, facilitando a aprovação de reformas importantes, como a ampliação do direito à saúde.

VENEZUELA

Um dos temas prioritários do começo de mandato será o restabelecimento das relações diplomáticas com a Venezuela, rompidas em meio a acusações do governo Uribe de que o presidente socialista Hugo Chávez estaria sendo tolerante com a presença de guerrilheiros colombianos no território venezuelano.

Chávez, principal rival de Uribe e dos EUA na região, já havia rompido relações comerciais com a Colômbia no ano passado, em reação a um novo acordo militar entre Washington e Bogotá.

Desde que foi eleito, Santos tem adotado tom mais amistoso do que Uribe em relação a Chávez. O presidente venezuelano, por sua vez, também se disse confiante a uma reaproximação entre os dois países após a posse do novo presidente colombiano. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome