Kennedy Alencar: “Era falso o argumento de que seria mais difícil investigar a corrupção do PSDB”

Jornal GGN – O jornalista Kennedy Alencar apontou que “era falso o argumento da Lava Jato de que seria mais difícil investigar a corrupção do PSDB do que a do PT”, ao comentar matéria da Folha que estimou que apenas na Prefeitura de São Paulo, sob Gilberto Kassab, o operador dos tucanos teria arrecadado R$ 173 milhões em propinas de obras viárias.

Segundo Alencar, Paulo Preto é “candidato a recordista de desvios na Lava Jato”, tento cobrado comissão de um grupo de empreiteiras em São Paulo entre os anos de 2008 e 2011. “É a mesma lógica aplicada pelas empreiteiras na Petrobras, a de se organizar como cartel.”

A Lava Jato, contudo, “dizia que era mais difícil investigar a corrupção de tucanos porque eles não estavam no governo central. Era o PT que detinha essa posição até a queda de Dilma Rousseff em 2016.”

O resultado da seletividade da operação foi a queda de Dilma e a prisão de Lula. Paulo Preto cumpre preventiva desde o dia 6 de abril – data em que o ex-presidente deveria ter se apresentado à Polícia Federal, segundo ordens de Sergio Moro.

Na Lava Jato paulista, Paulo Preto é investigado por comandar esquema de corrupção na Dersa que teria desviado dinheiro de programas de habitação e de obras viárias.

Leia mais:

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora