Lottenberg: o que não fazer quando se pretende um cargo no governo, por Luis Nassif

Para concordar com Bolsonaro, Lottenberg cria um truque retórico: imagina uma hipótese que ele mesmo sabe ser inviável.

Quando há dúvidas sobre uma indicação política, e você é um dos candidatos, a primeira lição é: não se ofereça. Primeiro, porque quem indica considerará pressão indevida. Segundo porque, não sendo escolhido, passará um carão.

É o caso da entrevista de Cláudio Lottenberg, presidente do Conselho Deliberativo do Hospital Albert Einstein, e oftalmologista, concedida poucos horas atrás a O Globo.

Trechos da entrevista e do abre:

Sobre o convite que não recebeu

  • Não (houve convite). Tenho acompanhado pela imprensa essa movimentação e, nos últimos dias, isso tem chegado a mim como reverberação de pessoas ligadas aos setores privado e público. Não recebi nada formal do presidente Bolsonaro.
  • Elas (as pessoas que o sondaram) entendem que eu reuniria as condições necessárias para desenhar um plano de saúde para o país.
  • Não tive nenhum convite e poderia considerar caso ele viesse. Evidentemente que para uma função dessas, às vezes, não é um convite mas uma convocação pela situação que o país atravessa.

Sobre sua competência

  • Eu me preparei a vida inteira. Administrei hospitais, conheço planos de saúde, fui secretário municipal de Saúde de São Paulo. (Nota: não permaneceu sequer seis meses no cargo, por não aguentar o rojão).
  • Tenho 59 anos de idade. Trabalhei a minha vida inteira. Não preciso pedir para trabalhar em lugar nenhum. Se eu for chamado para ajudar, eu vou considerar se for uma solução de natureza técnica.

Sobre isolamento horizontal

  • O fenômeno de isolamento social está sendo muito discutido porque tem um prejuízo na vida econômica e financeira do país. Então é um desafio enorme encontrar uma alternativa que preserve a vida das pessoas, mas não paralise a atividade econômica.

Para concordar com Bolsonaro, Lottenberg cria um truque retórico: imagina uma hipótese que ele mesmo sabe ser inviável:

  • Uma política de testagem em massa, avaliando a capacidade instalada hospitalar, poderia mostrar um mapa (de isolamento) um pouco diferente daquele que temos hoje. Eventualmente nessas regiões flexibilizar o isolamento.

Ou, então, um isolamento em dois turnos: durante quatro dias a pessoa trabalha (e se contamina); nos seis dias seguidos fica no isolamento. Uma sugestão risível, mesmo dando-se o desconto de que se trata de um oftalmologista.

  • Conversei hoje com um professor de Israel que sugere um isolamento em que as pessoas alternam períodos de isolamento com períodos de trabalho. São quatro dias de trabalho e seis de isolamento. Tenho a impressão que deve existir uma alternativa mais criativa.

Sobre o isolamento vertical defendido por Bolsonaro

  • Acho que existe um caminho por aí porque já existem populações imunizadas. Tem muita gente que foi assintomático, e a maior parte é assim, e são pessoas que já poderiam estar em vida normal. Minha leitura é que temos a oportunidade de ser criativo.

O repórter pergunta se essa recomendação não é inviável, à luz das recomendações da Organização Mundial da Saúde. E Lottenberg sai com a fórmula salvadora:

  • O papel do ministério é levantar números e ficar apresentando diariamente esses números na televisão? O ministério tem que procurar soluções.

E não diz quais soluções.

Ou então

  • Se ficar debatendo isolamento ou não isolamento não vamos chegar lá. Cada secretário de estado tem que ter a sua forma para encarar isso. Eu acredito que há formas mais inteligentes de se fazer o isolamento social.

E não explica como.

Sobre o contato com Bolsonaro

  • Nós conversamos sobre pesquisas da hidroxicloroquina, onde ele mostrou uma atitude educada e jamais impositiva. Acima de tudo curioso, querendo encontrar uma resposta para algo que pudesse trazer segurança para os cidadãos. Não temos que trabalhar para o presidente ou para o governador. Temos que trabalhar pelo bem da saúde dos brasileiros e da economia.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora