Lula ainda não pode comer caviar

Ou: Lula ainda não pode ter um bom aparelho de som

Esta semana a imprensa amplifica o “escândalo” da vez: os direitos adquiridos que Lula, como ex-presidente, e sua família podem usufruir.
A imprensa, de maneira usualmente preconceituosa, cria factóide para poder dizer, de forma torta e desonesta, que Lula tem regalias e beneficia a si mesmo e a sua família de forma ilegal ou condenável.
Já foi escrito em vários blogues, como resposta a onda rasteira da imprensa, um descarado tratamento diferenciado da mídia com Lula em relação aos ex-presidentes que usufruem daquilo que a lei lhes garante, como Sarney, Collor, Itamar e FHC.  Ninguém se lembra de tamanha vigilância com os costumes e usos desses ex-presidentes por parte da imprensa.
Ninguém se lembrará, sem medo de errar, de O Globo, Folha, Estadão, Veja ou Época produzindo ou publicando qualquer matéria ou artigo que condenassem as benesses, diga-se de passagem, legais que estes ex-presidentes tenham ou façam uso até os dias atuais.

Dito isso, o que se pode interpretar é o sentimento de que, após cumprido seu dever, Lula deva retornar ao seu meio social, satisfeito e feliz e que sua presença no “clube dos ex-presidentes” é constrangedora para aqueles que se auto concedem tradição e “pedigree”.  Lula veio do povo, ao povo deve retornar, sem direito a nada…Pensam assim aqueles que fazem uma cobertura escandalosa sobre àquilo que lhe é de direito.

O caviar e o aparelho de som
Nos anos 1990 cansei de ouvir uma historinha, contada diversas vezes, mito ou realidade, não sei, mas que dizia que Lula certa vez em viagem de avião, de primeira classe, ao ser perguntado pelo serviço de bordo se aceitava caviar e após ter aceito, teria sido repreendido pela comissária de bordo que lhe teria dito: “mas o senhor Lula, comendo caviar?”  Lula teria retrucado: “você tem arroz com feijão pra me servir? Todos estão comendo caviar, eu também tenho direito”…Algo, mais ou menos, assim.
Ou quando foi “acusado” em 1989, durante a propaganda eleitoral e repercutido exaustivamente como prova de um “crime” pela imprensa, de posuir um aparelho de som “melhor” do que o de seu adversário, Collor.  Um absurdo um operário ter em sua casa um bom aparelho de som!
É assim que a imprensa o está tratando neste momento: Lula não pode ter direito a estas regalias, se tiver direito que as renegue e se coloque em seu devido lugar.

Leia a íntegra aqui>>>

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome