Macri abre a Argentina para duas bases dos Estados Unidos, por J. Carlos de Assis

Aliança pelo Brasil

Macri abre a Argentina para duas bases dos Estados Unidos

por J. Carlos de Assis

O Brasil sempre se resguardou da presença militar estrangeira em seu território. A Argentina também. Isso preservava o Cone Sul, entre outras coisas, do risco da ingerência externa em sua soberania econômica e política. Esse tempo acabou. O presidente argentino Mauricio Macri, como resultado da visita de Barak Obama a Buenos Aires em maio, acaba de abrir as fronteiras de seu país à entrada dos Estados Unidos mediante a instalação de duas bases norte-americanas, uma em Ushuaia, Terro do Fogo, e outra na Tríplice Fronteira.

A base em Ushuaia é uma projeção próxima e direta sobre a Antártica, a maior reserva gelada de água doce do mundo, além de conter importantes minerais estratégicos. A base na Tríplice Fronteira é uma projeção sobre o aquífero Guarani, a terceira maior reserva de água doce do mundo. Obviamente, os interesses “científicos” dos EUA em instalar essas bases se efetiva na realidade no campo geopolítico. Eles correram para fazer o acordo com Macri tão logo tomou posse porque, assim como no caso brasileira, não querem correr risco de recuo.

É espantoso que justamente um governo argentino tome essa iniciativa em favor da ingerência norte-americana no Cone Sul quando foram os EUA, na única guerra em que a Argentina se envolveu do século XX para cá, a Guerra das Malvinas, que colocaram toda a sua infraestrutura de informação a favor do inimigo que saiu vitoriosos, a Inglaterra. Talvez Macri, por ser relativamente jovem, tenha se esquecido disso. Duvido, porém, que o subconsciente coletivo do povo argentino também tenha se esquecido.

O rescaldo macabro da Guerra das Malvinas foi a instalação permanente de uma base militar inglesa nas ilhas Geórgias, militarizando, inclusive do ponto de vista nuclear, o Atlântico Sul. Agora Macri, pouco depois de eleito, corre para fazer esses acordos militares com os EUA. A Guerra das Malvinas os argentinos perderam; não tinham como resistir à imposição inglesa. Agora, porém, não há nenhuma pressão insuportável para aceitar bases militares. É uma combinação de ideologia subserviente com ilusão de ganhos econômicos.

O governo Macri nos expõe à presença militar norte-americana de uma forma que cria desconforto em todo o Cone Sul. É fundamental que o Ministério da Defesa do Brasil, através do Itamarati, exija explicações do governo argentino sobre essa dupla iniciativa acobertada de atividade científica. A Argentina deverá escolher entre sua aliança estratégica com o Brasil, que lhe tem garantido sobrevivência econômica, e a condição de subordinada aos interesses de Washington. Se colocar os pesos na balança, verá que a aliança com o Brasil interessa mais. A não ser que confunda Brasil com José Serra!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

31 comentários

  1. Os hermanos estão tentando

    Os hermanos estão tentando ser os queridinhos dos falcões do norte.Eles deveriam se lembrar da “imparcialidade” dessa gente na guerra das Malvinas.Isso não foi um fato issolado. Se tal desentendimento vier a ocorrer novamente os interesses geopolíticos e econômicos prevalecerão novamente e,assim como outrora,nenhum exocet poderá ser negociado com os hermanos que,como na guerra passada,deverão contar apenas com seus traques e meia dúzia de moleques sem treinamento ,forçados a guerrear em nome de uma pátria que,bem sabem eles,já não lhes pertence.

    Quanto ao Brasil,golpeado que fo pelas forças reacionárias,comandada pelos lacaios dos falcões do norte,a perspectiva não é diferente e,não me surpreenderia se mesmo os projetos de aquisição e produção dos caças suecos viessem a ser “auditados” ,assim como ocorre com o desmosnte disfarçado dos projetos de estaleiro e construção de submarinos,com a destruição da empreiteira encarregada dos serviços e a prisão,por uma fofoca,do almirante encarregado deste projeto.

    Assim,o destino do país,com os golpistas no poder,será o mesmo dos nossos hermanos 

  2. É né?

    Na Colômbia bases americanas em nome de uma guerra contra o narcotráfico que nunca termina, o que permite aos americanos não somente desenvolver técnicas de combate na selva amazônica, mas também desenvolverem armas para esse tipo de luta (no netflix tem documentário sobre isso se não me engano).

    Descobre o présal e cria-se uma força naval para patrulhar a região.

    Agora o aecim argentino mostra mais do que nunca sua cara e abre as pernas para bases em pontos estratégicos (será que o serriliks não foi lá discutir como podia ajudar nessa logística?).

    Patrocinio de golpes na america do sul e caribe a rodo pelos caciques americanos via instituições privadas (certamente daqueles 400 que mandam efetivamente na polític americana, seja qual partido for).

    Aí voce assiste o documentário no Micahel Moore e numa entrevista no final uma das águias americanas fala sem meias palavras: se algum país não quiser colaborar para a manutenção do nível de vida do americano (via petroleo, água e outros recursos naturais necessários – é o que subentende-se) NÓS INVADIMOS E PRONTO.

    É né? Fazer o que né?

    Talvez chupar que a laranja não é nada doce……….

    Ah, o mais importante: só não enxerga quem não quer ou…………..

  3. A notícia acendeu um alerta,

    A notícia acendeu um alerta, sem medo que possa parecer teoria da conspiração. O que estamos vivendo está mais surreal do que qualquer ficção. Com a tese de que temos um golpe dentro do golpe (O Cafezinho publica hoje as gravações de Machado com Renam, onde fala disso), desde já ligo a súbita viagem de Serra à Argentina para montar mais um ponto estratégico dos EUA que assegure a duração de qualquer golpe na AL.  O Chile já começou com os ataques orquestrados ao governo de Bachelet. Deve ser a operação ‘Dominó’ em andamento (a última que lembrei chamava-se Condor). E Serra está dentro, não tenho a menor dúvida.

  4. Coisas do interinO

    Nassif: a base da Tríplice Fronteira já tinha sido descartada pelo governo argentino anterior. Na verdade, tratava-se de uma espécie de suborno que o governo norteamericano havia oferecido ao “governador” daquela província portenha. Ouvi dizer que nessa viagem do Serra a Buenos Aires ficou sacramentado o ato e acertado que os atuais governos brasileiros e argentinos vão pedir outra base, agora no Paraguai, que vem sendo cobiçado pelos ianques desde aquele golpe. Os semelhantes se acertam.

  5. Isso só confirma a “retomada”

    Isso só confirma a “retomada” dos EUA na implantação de suas DITADURA CAPITALISTAS. Acho que não tem volta. Se reclamar é só olhar o Oriente Médio e o GENOCÍDIO de milhões de Árabes.

    • E os EUA sabem ganhar

      E os EUA sabem ganhar dinheiro de alguma outra forma? É só ver a História, quando foi que esse país absteve-se de semear discórdia e desavenças quando a questão era lucrarem com isso? Não passam de filhos bastardos da fidalguia britânica, sabe aquela cujo cinema produz pérolas do colonialismo como “A Ponte do Rio Kwai” ou “Dr. Jivago”? A turma que vendia heroína a chineses?

  6. Resposta do Itamarati de Serra

    “É fundamental que o Ministério da Defesa do Brasil, através do Itamarati, exija explicações do governo argentino sobre essa dupla iniciativa acobertada de atividade científica.”….tá bom, o Serra vai exigir explicações sim, mas sobre como os argentinos pensaram em entregar seu território isso primeiro do que ele entregar o do Brasil.

    • Tem razão. Se fosse no Brasil

      Tem razão. Se fosse no Brasil primeiro a instalação o Serra poderia usar seu uniforme de fuzileiro naval dos EUA. Afinal, deve ter sido isso que ele foi fazer nos EUA depois da queda de Allende. Diploma, ele não tem, fala como se não conhecesse nenhum assunto sério para um aspirante a estadista, mas de dossiês, de entrega e golpe, isso ele entende.

  7. No ultimo dia  5 de abril foi

    No ultimo dia  5 de abril foi inaugurada a instalação de oito predios na base de Fort Aguayo, no Chile, construidos com financiamento do Sorthern Command dos EUA, para treinamento de forças policiais para controle de conflitos urbanos.

    A primeira turma é de 300 oficiais de policia, a cerimonia teve a presença do Comandante do Southern Command, Douglas Frazier. Essas instalações foram acertadas em 10 de setembro de 2011 entre o governo do Chile e o Departamento de Estado e se destina a treinamento de oiciais de policia de varios paises da região.

    Com Fort Aguayo são 22 as bases americanas na America Latina, todas subordinadas ao Southern Command, em Mayport, Florida, comando esse que inclui tambem a 4ª Frota Naval no Atlantico Sul.

    • 22 Bases?

      Caramba!

      Você teria um post mostrando essas bases e alguns detalhes adicionais?

      Na América do Sul, quando vi a notícia, me lembrei do acordo que parece ter com o Paraguai e que alguns comentárias falam ter sido um importante elemento para o golpe naquele país quando da ameaça de não renovação do acordo.

       

    • Boas informações, André.

      No meu modesto refletir, vejo que o planejamento inclui várias frentes, especialmente os “golpes” que vêm ocorrendo contra governos estabelecidos na América Latina.

      Os áudios de Jucá e Renan provam que houve um esforço no sentido de derrubar Dilma, mas também são uma forma de desviar o foco, e dar a impressão que tudo está ocorrendo somente por conta de práticas de corruptinhos brasileiros.

      Obviamente que não podemos nos iludir. Não se derruba um governo de tal complexidade apenas para esconder corrupção.

      Qualquer “força econômica” norte americana, com destaque às petroleiras e bancos, é capaz de engolir toda essa ninharia que se discute na tal operação lava jato.

      Certamente não é à toa que o governo de Israel insistiu tanto na indicação de Dani Dayan para a embaixada, e que esse fato tenha causado um grande desgaste. Assim como não é à toa que aquele cidadão foi, descaradamente debochando, assumir funções em Nova York. E nunca é demais lembrar que Dayan é cidadão argentino, mas que também é um servidor das causas “israel-USA”.

      Ainda é bom recordar que Obama esteve recentemente na Argentina, congratulando-se com o tal “aécio argentino”, e que nada disso caiu bem para o povo argentino, que, a exemplo de nós brasileiros, estão sendo ludibriados e roubados pelo dinossauro do norte.

      Pobre de nós, Brasil, Argentina, Chile, Venezuela, Bolívia, Hondura, Paraguai, Uruguai, etc.

       

    • MOUT

           Caro AA, 

           O MOUT ( Military Operations Urbain Terrain ) de Fort Aguayo é de origem uma instalação destinada ao treinamento/estandarização de elementos destinados a Forças de Paz da ONU, dentro do programa GPOI ( Global Peace Operations Initiative ), o curso a ser ministrado nesta instalação é o PKO – A ( Peacekeeping Operations – America ), que anteriormente eram realizados, em suas 3 fases ( junior, leader e senior ), em varios locais, como Santo Domingo, Santiago, Howard AFB (Panamá ), Rio de Janeiro ( Vila Militar )

             O MOUT Aguayo terá correspondencia e apoio mutuo, direto, com o outro centro latino americano de excelencia no treinamento de missões de paz, o CECOPAB – Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil.

              Quanto a “bases” americanas, a definição delas varia muito, o conceito utilizado na “guerra fria ” que ainda permeia a imaginação da maioria das pessoas é ultrapassado e faz tempo, o que existe na América Latina, pelo SOUTHCOM como “BASE”, ou uma MOB ( Main Operation Base ) é a Howard no Panamá.

               Já outro tipo de instalação, a FOL ( Forward Operating Local ) possuem pouco pessoal americano fixo, mas sempre  logisticamente abastecidas, incluindo equipamentos pesados disponiveis, servindo principalmente para apoio na rotação de tropas, na América Latina oficialmente existem 3 FOLs. ( Curaçao, Aruba e Honduras ).

               O tipo mais comum no Southcom é a CSL ( Cooperative Security Location ), sempre operada em conjunto com o Estado hospedeiro, tem pouco pessoal americano fixo, as vezes, dependendo da necessidade nenhum ( só o adido fixo da embaixada ), mas mantem disponivel toda a estrutura basica logistica presente, pouco ou nenhum equipamento pesado, sendo caso América latina, mais focada em trafico de drogas, já na Africa em contraterrorismo.

                A 4a Frota, atualmente sem navios, está programada para assumir maiores responsabilidades, incluindo unidades fixas ( sem porta aviões ), visando “aliviar” a 6a Frota ( Europa e Africa ) de suas incursões AFRICOM, principalmente após a inauguração da Base naval chinesa de Walvis Bay ( Namibia ) e do porto logistico chinês na Nigéria, o Atlantico Sul ficou, digamos, mais interessante, tanto que acredita-se que o próximo Exercicio Obangame Express, do qual o Brasil participa, junto com a US Navy e outras marinhas NATO, será coordenado de Miami, ou melhor ainda – pela ótica americana – caso o Brasil aceite, de Salvador ou Rio de Janeiro.

       

  8. Não adianta. A AL é o quintal

    Não adianta. A AL é o quintal dos EUA mesmo. Um país com a importância da Argentina entrega a sua soberania.

    Já sabem o que espera com esses neoliberais no poder, né? Subserviência e entreguismo.

  9. Sádico

    As direitas argentinas, com desprezo, olham por cima da fronteira para o Brasil e pensam:

    Antes do fim de junho chegará a sua vez.

    -Quanta audácia desses brasileiros bolivarianos, pré sal, banco brics, 7a economia….agora vão ver o que é bom para tosse!

    • macri abre…

      Que vergonha para a Argentina, pela ingerência, pela Guerra das Malvinas, pelo genocídio arquitetado pela CIA durante a ditadura militar, mas que vergonha também para o Brasil, por ter abandonado a fase gloriosa da diplomacia do governo Lula com Celso Amorim e Samuel P. Guimarães e ter permitido ao país, o retorno à condição de nanico diplomático, abrindo espaço dos seus interesses para EUA ou China. 

  10. E o Serra foi fazer o que na

    E o Serra foi fazer o que na Argentina? Ver como conseguir colocar bases militares americanas aqui também e saber quanto pode ganhar na entrega do território brasileiro aos americanos?

    Quanta indignidade desses palhaços corruptos e traidores da soberania que vão tomar o poder na America Latina. Bandidos filhos da puta.

  11. Macri abre a Argentina para duas bases dos Estados Unidos, por J

                       Terra não se dá, para uma potência estrangeira nem mesmo para plantar arroz, tampouco para uma base militar.

    Uma história antiga talvez ajude a inspirar a verdade: Na China antiga no final da dianstia Ch’in, Mo Tun, dos Hsing Nu, consolidara seu poder. Foi entaão que os Hu Orientais, que eram fortes, lhe enviaram embaixadores dizendo:  “Desejamos que nos seja oferecido o cavalo-de-mi-li, de Tou Ma”. Mo Tun escutou os seus conselheiros, que unanimente exclamaram: “O cavalo-de-mi-li? A coisa mais preciosa da nossa terra! Não o deis!” Mo Tun replicou: “Por que regatear um cavalo com o vizinho?”. E ofereceu-lhes o cavalo.

                      Pouco depois, os Hu Orientais mandaram novos enviados, dizendo: “Desejamos que nos seja oferecida uma das princesas do cã”. Mo Tun pediu a opinião dos seus ministros, que, irados, declararam: “Os Hu Orientais são injustos! Agora já pedem uma princesa. Imploramos-vos que os ataqueis”. Mo Tun ripostou: “Como poderemos nós regatear uma jovem com um vizinho?”. E deixou que a mulher fosse.

                       Curto espaço decorreu e já os Hu Orientais tornavam dizendo: “Há um milhar de li  de terras vossas de que não vos servis. Queremo-las”.

                       Mo Tun conversou com seus aconselhadores. Uns achavam razoável ceder àquele trato, outros eram contrários a tal. Mo Tun encolerizou-se e gritou-lhes: “Terras são a base do Estado . Como é que podem ser dadas?”.

                       Fazendo decapitar todos os que haviam recomendado a sua oferta, Mo Tun saltou para seu cavalo, bradando que quem o não seguisse perderia também a cabeça e atacou de surpresa os Hu Orientais. Estes, que o tinham em baixa conta, não se haviam preparado e foram aniquilados. Mo Tun virou então para oeste e venceu os Yue Ti. A sul anexou Lou Fan e, finalmente, invadiu Yen, recuperando desta maneira todas terras ancestrais dos Hsing Nu anteriormente tomadas pelo general Meng T’ien, dos Ch’in.

                       Dar terras, à qualquer potência estrangeira, é uma TRAIÇÃO EM ULTIMO GRÁU.

     

  12. Cerco ao Aquífero Guarani

    Ante a iminente escassez de água doce no mundo, urge ao “mais fortes (EUA)” o cerco ao Aquífero Guarani. Mas, desta vez, as armas não garantirão o uso da água. Ou agimos civilizadamente, distribuindo a água doce/alimentos a todos, ou morreremos todos, selvagemente, contaminando a própria água. Do caos à ordem, por mera questão de sobrevivência. E,  pela sobrevivência, os EUA tentam correr na frente. Tem base? Tem, 02 recentes na Argentina.

  13. Tríplice fronteira.

    Na Av. Assis Brasil, Zona Norte de Porto Alegre está em construção um gigantesco prédio do consulado estadunidense…Por que tão grande? E o que tem Porto Alegre para merecer esta “Catedral”?

  14. È a III Guerra que se

    È a III Guerra que se aproxima, os EUA estão apenas reforçando a retaguarda, daqui a alguns dias o nosso governo golpista irá liberar bases para os americanos, provalmente no Nordeste (Natal), Baia de Santos (pré-sal) e Amazônica. Ocidente X Rússia, China e Irã.

  15. Bajada del Agrio e Glonass

         Acordo realizado por Cris Kichner, confirmado por Macri, as obras da Deep Space Station de Bajada del Agrio ( Provincia de Neuquen ) continuam a todo vapor , e após concluida solucionará um problema quanto a exploração do espaço e controle de lançamentos feitos pela CHINA .

          A China tambem, como os Estados Unidos, afirma desde o inicio do Acordo, que seus propósitos são apenas cientificos, apesar de ter sido assinado apenas por militares, e a empresa de engenharia ser um apendice do Exército chinês, e Macri , semana passada quando perguntado, confirmou que existem clausulas secretas neste Acordo.

          Não é a primeira estação estrangeira montada na Argentina, os europeus ( ESA/OCCAR/NATO ), operam uma exclusiva em Malargue ( Provincia de Mendoza ), tambem com alegados objetivos puramente cientificos.

          O maior concorrente do sistema americano GPS é o russo GLONASS, que é operado pela Russia Aerospace Defence Forces, que sempre teve um problema para sua total capacitação e operacionalidade plena quanto a região do Atlantico Sul/Costa Ocidental africana devido a falta de “antenas/estações” de calibragem e controle, mas a partir de 21/04/2016 resolveu este problema com a inauguração e entrada em operação, da Estação Glonass de Brasilia ( Campus da UNB ).

           A próxima estação Glonass está sendo montada em Santa Maria ( RS ).

  16. No Rio Pinheiros

         Não sei se nas ” 22 Bases ” militares norteamericanas na América latina, conforme AA escreve abaixo, encontra-se computada a instalação de São Paulo , que na relação do DoD consta como uma “US military installation overseas” do USMC ( Marines ) subordinada a 4a Frota, o nome é :

          United States Naval Support Detachment – Sao Paulo, Rua Henri Dunant, 500 Chacara Santo Antonio ( em frente ao Rio Pinheiros), inaugurada em 4/07/2011, com a notavel presença do Senador Eduardo Suplicy ( PT – SP ).

          E não adianta reclamar, não foi Temer, sequer FHC, muito menos Sarney, mas o governo de Luis Inacio Lula da Silva, no qual foi reestabelecido o  nivel de intercambio militar com os Estados Unidos.

     

     

  17. É incrível ver as reações das

    É incrível ver as reações das pessoas. Então a maioria considera um absurdo que os EUA instalem duas bases militares na Argentina, mas ninguém questionou quando em 2012 a presidente Cristina Kirchner autorizou à China a construção de uma base militar na Patagônia.

    Onde está a coerência?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome