Início A Grande Crise Moro agora dá palestra em banco que toca privatização da Petrobras, por...

Moro agora dá palestra em banco que toca privatização da Petrobras, por Hugo Santos

Está tudo aí. Estavam todos lá. Só faltou o Deltan. Talvez um representante do Supremo. Quem sabe o chairman, In Fux We Trust.

Sergio Moro (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil).

do Come Ananás

Moro agora dá palestra em banco que toca privatização da Petrobras

por Hugo Santos

Vai fazer um aninho: no dia 9 de fevereiro de 2020, José Olympio Pereira, CEO da operação do Credit Suisse no Brasil, e Ilan Goldfajn, presidente do conselho brasileiro do banco de investimento helvético, foram até a Bovespa junto com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, para “tocar o sino” da oferta das ações com direito a voto que o BNDES tinha da estatal. Foram vendê-las pessoalmente. Todas elas.

No primeiro ano do governo Bolsonaro, Paulo Guedes já tinha avisado que a equipe econômica estava disposta a, nas palavras usadas na época pelo jornal O Globo, “fazer o programa de privatizações deslanchar por meio da venda de ações”.

Naquela oferta de ações de fevereiro de 2020, naquela etapa já vencida da política de “desinvestimento” e privatização do sistema Petrobras na esteira da terraplanagem feita pela Lava Jato, todas as ações da estatal com direito a voto que o BNDES tinha foram vendidas por R$ 22 bilhões. Foi a maior oferta de ações realizada no Brasil em 10 anos. O Credit Suisse, “coordenador líder” da oferta, embolsou uma comissão de cerca de R$ 44 milhões (0,2% da operação). Antes, em julho de 2019, o Credit Suisse já tinha coordenado a privatização da BR Distribuidora, também via venda de ações.

Quase um ano depois, e uma semana atrás, no último 28 de janeiro, Sergio Moro (“Director, Alvarez & Marsal in Brazil”) palestrou sobre “luta contra a corrupção e governança corporativa no Brasil” na 2021 Latin America Investment Conference: a New Decade, a New World, evento online organizado pelo Credit Suisse.

O “coordenador líder”, desculpe, o moderador da apresentação de Moro foi José Olympio Pereira. Quem antecedeu Moro na programação do seminário foi Roberto Castello Branco. Ilan Goldfajn moderou um dueto de Michel Temer e Fernando Henrique Cardoso sobre “Política e Instituições no Brasil”, no dia 27, e introduziu a palestra de Paulo Guedes, no dia 26, data de abertura do seminário do Credit Suisse por Jair Messias Bolsonaro.

Está tudo aí. Estavam todos lá. Só faltou o Deltan. Talvez um representante do Supremo. Quem sabe o chairman, In Fux We Trust. Não seja por isso: em julho de 2019 a Vaza Jato revelou que Dallagnol e Fux estrelaram dois dos encontros secretos que a XP Investimentos promovia em São Paulo com CEOs e tesoureiros de grandes bancos brasileiros e internacionais, com garantia de não sair nem uma notinha na imprensa sobre o que era dito nos colóquios.

No dia 17 de maio de 2018, No Telegram, Deltan Dallagnol perguntou à Débora, da XP, quais exatamente seriam os bancos do encontro secreto, no que a Débora respondeu: “JP Morgan, Morgan Stanley, Goldman Sachs, Credit Suisse…”. Estavam todos lá. Está tudo aí.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Quer dizer, o José Dirceu foi condenado por serviços prestados à empreiteira, mas o pessoal do bem pode participar do butim do Brasil sem serem incomodados.

  2. Não vi no texto a presença do representante do dono das ações, o BNDES(par).
    Só um ex…
    É isso mesmo?
    Ou o imenso (até quando?) patrimônio público do país continuará a ser vendido por corretores que sequer representam os donos: os contribuintes…que pagaram por décadas por estes imensos investimentos.
    Em linguagem chula:
    O “corno” do povo!
    Tão prostituído e cafetizado por estes proxenetas infames, que por eles são solenemente ignorados e desprezados, na maior desfaçatez!
    Tão enganado, desinformado e manipulado, que ainda ELEGE (e APOIA) esta corja que nos desrepresenta em proveito próprio, indicando, nomeando e operando negócios inomináveis. Na cara de todos!
    Como uma (população) prostituída que defende seus cafetões.
    E acredita que o “maior problema” do país, a corrupção (que sempre existiu), é o que afinal será redentoramente “solucionado”.
    Ninguém pode defender corrupção seja ela qual for. Mas há formas piores e mais nefastas de corrupção, como esta aí, “legalizada” por leis feitas por e para seus executores, operadores, beneficiários e usufrutuários.
    Que triste visão essa não?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome