O desabafo de Almir Gabriel

Do Blog da Repórter

Conversa com Almir

Não basta desembarcar. Tem de sair atirando. Vejam o que o Almir Gabriel pensa do partido que ajudou a fundar há 22 anos:

Minutos depois de protocolar a carta de desfiliação no PSDB, Almir Gabriel recebeu a reportagem do Diário em seu apartamento, em Belém, para uma rápida entrevista em que falou sobre como se sente ao deixar o partido que ajudou a fundar, fez críticas ao PSDB e falou da relação com o PMDB.

Como o senhor está se sentindo ao deixar o partido após 22 anos?
Saio voluntariamente. Acho que do ponto de vista político o PSDB seguiu descaminhos, no que foi seguido pelo PSDB estadual. Um exemplo é a escolha do candidato à presidência da República (o ex-governador de São Paulo José Serra). Minha opinião é que o PSDB está se estadualizando. Está virando o partido de São Paulo. Há um ano que defendo a candidatura do (governador mineiro) Aécio Neves. Temos que tirar da USP (Universidade de São Paulo) a condição de indicar os presidentes do Brasil. E foi o Serra que escolheu o Jatene (Simão Jatene, candidato tucano ao governo), o que constitui para a história do PSDB do Pará uma intromissão indevida.

O senhor se sente alvo de ingratidão do PSDB?
Negativo. Isso é política. Política é poder. Como para mim não é só poder, mas também a capacidade de realizar as coisas que o povo aspira, então não vejo assim.

O senhor se sente descartado pelo partido?
Eu acho estranho é que o PSDB que eu conheci e que ajudei a fundar agora tem escolhas discriminatórias sobre idades, saúde. É uma coisa estranhíssima. Eu sou considerado como a Valéria (se refere à ex-vice governadora Valéria Pires Franco do DEM) mão de obra desprezível dentro do Estado do Pará.

As pessoas comentam muito o fato e o senhor ter falado durante muito tempo mal do presidente do PMDB do Pará Jader Barbalho e agora estarem no mesmo palanque. Como responde a isso?
E uma interpretação tola. Nunca falei do Jader. Quero que me mostrem uma gravação em que fale dele. Nós fomos adversários políticos e nunca inimigos. Nós queremos cuidar do bem do Pará e esse cuidado passa pela eleição do Juvenil. Não vou votar? Não vou escolher? Porque não posso dizer para todo mundo em quem eu vou votar?

Se o deputado Juvenil não for para o segundo turno, quem o senhor vai apoiar?
Ele vai para o segundo turno e vai tirar sabe quem? O Jatene.

Leia matéria completa aqui

http://blogdareporter.blogspot.com/2010/08/conversa-com-almir.html

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome