O pacote dá um fôlego relativo a Dilma

Poucas vezes viu-se um jogo político tão intrincado quanto o atual.

De um lado, tem-se uma presidente no corner, mas dependendo apenas dos seus pontos para continuar no jogo.

Seu vice-presidente, Michel Temer, controla majoritariamente o maior partido da base de apoio, o PMDB. E não parece disposto a embarcar na aventura do impeachment. Na outra ponta, o desafeto Eduardo Cunha está com os dias contados, marcado pela Operação Lava Jato.

De outro lado, tem-se uma oposição incapaz de articular uma alternativa de poder. E sua principal arma – os grandes grupos de mídia – cansados da guerra e enfrentando problemas complexos de sobrevivência.

A rigor, bastaria a presidente começar a governar para esvaziar todas as bandeiras de impeachment.

***

Divulgado na segunda-feira, com todas suas inconsistências o pacote econômico permite à presidente se reposicionar.

É um pacote cauteloso, que não embarca na tentação de propor saídas definitivas e comprometer conquistas sociais da Constituição de 1988, a pretexto de combater uma crise fiscal grave, porém conjuntural.

A atual crise tem dois fatores deflagradores: o festival de isenções concedido por Dilma nos dois últimos anos e a crise da economia, agravada pela crise internacional.

Recorre aos seguintes expedientes:

Postergação de despesas –  enquadram-se aí o adiamento da data base do funcionalismo, a suspensão de concursos, o replanejamento do reintegra.

Medidas definitivas – o fim do abono-permanência (pelo qual o aposentado do serviço público poderia permanecer na ativa, com 11% de abono sobre os proventos), o aumento da alíquota de juros sobre o capital e redução das transferências para o Sistema S.

Volta ao passado – o fim do subsídio de Pis/Cofins para a indústria química e retorno do subsídio agrícola para os níveis de quatro anos atrás.

Remanejamentos – substituição dos gastos orçamentários por recursos de outras fontes. É o caso do FGTS e das emendas orçamentárias para o PAC e para a saúde, e também do sistema S para os programas de inovação.

O objetivo é trazer as despesas correntes de volta aos níveis pré-festival de isenções e postergar despesas aguardando a recuperação da economia.

***

Há muitos pontos passíveis de crítica, como a manutenção de uma taxa Selic insuportavelmente elevada, o poucos sacrifício exigido do setor financeiro

Mesmo assim, o pacote poupa ganhos sociais e cria uma agenda em torno da qual poderá haver uma recomposição da base de apoio político.

O desafio é o segundo tempo do jogo: Dilma apresentar o que pretende de seu segundo governo.

***

A provável vitória sobre o impeachment é fruto do amadurecimento institucional brasileiro e do acomodamento do PMDB de Temer e Renan em uma posição até agora confortável.

É muito pouco.

O que se passa na cabeça de Dilma é de uma simplificação que assusta: é tratar de segurar o fôlego e resistir até o momento em que haja mudanças na conjuntura internacional e a economia comece a se recuperar.

Não existe geração espontânea na economia.

Ou Dilma cria em breve uma agenda positiva e começa a governar, ou mesmo o mais empedernido democrata começará a acreditar como inevitável pagar para ver.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora