Os black blocs e a democracia, por Wanderley Guilherme dos Santos

Sugerido por Celso Orrico

Do O Cafezinho

 
por Miguel do Rosário
 
No artigo desta semana, o professor Wanderley Guilherme discorre sobre o dilema enfrentado pelos governos para lidar com as depredações causadas pelos “black blocs e assemelhados”.
 
Ele observa que a urbanização acelerada criou um hiato doloroso entre o que prometem governos e o que efetivamente conseguem cumprir.
 
“O transporte de verduras e legumes de nossa dinâmica agricultura pelas modernas estradas já construídas ou em vias de inauguração é, seguramente, mais bem cuidado do que o de homens e mulheres, a força de trabalho nacional, que são amontoados aos empurrões em trens, ônibus e vans.”
 
Em virtude desses problemas angustiantes, o professor entende que o surgimento de um anarquismo de feição violenta “é explicável”, mas de forma alguma justificável.

 
Ele conclui, como de praxe, com uma defesa firme do regime democrático, que não é “suicida”. Não se pode usar as liberdades do sistema para depredá-lo e destruí-lo. À violência anárquica ou mesmo fascista defendida ou aceita (ingenuamente ou não) por alguns movimentos e intelectuais, o professor opõe a violência democrática, única imantada pela lei e pelo sufrágio universal.
 
“Se esses tatibitates se acham relevantes porque estariam mostrando à sociedade brasileira uma das variantes da violência anárquica, é hora de que sintam de corpo presente o gosto da violência democrática. Prisão para eles, com ou sem resistência.”
 
Cafezinho com Wanderley Guilherme
 
A democracia não é suicida
 
Wanderley Guilherme dos Santos, cientista político, para O Cafezinho
 
A partir das passeatas e quebra-quebras de junho, os governos estaduais e os poderes federais voltaram a colocar o problema dos conflitos metropolitanos no quadro mais geral de uma sociedade que se urbaniza com velocidade recorde, sem que os serviços públicos e privados de massa tenham atendido, em quantidade e qualidade, às necessidades daí derivadas. Do ponto de vista das empresas do mercado, as multidões se despersonalizam, perdem humanidade, e passam à contabilidade como números sem rosto, tal qual cabeças de gado. O transporte de verduras e legumes de nossa dinâmica agricultura pelas modernas estradas já construídas ou em vias de inauguração é, seguramente, mais bem cuidado do que o de homens e mulheres, a força de trabalho nacional, que são amontoados aos empurrões em trens, ônibus e vans.
 
Estatísticas sanitárias e de habitação servem para emoldurar a rotineira paisagem de desconforto e carências que caracteriza a vida dessa população, dentro e fora de casa. Se isto não justifica a prática de atos criminosos, os inegáveis esforços do governo federal na execução do que prometeu não devem silenciar a magnitude dos problemas herdados de um estado oligárquico, destituído de instrumentos de implementação eficiente e eficaz dos programas que cria. O Brasil paga vultosa promissória evidenciada pelo hiato entre o muito que se faz e o tanto que se precisa fazer enquanto se criam as instituições capazes de tornar realidade as boas intenções de qualquer governo. Aí esta a recente criação da PPSal, motivo de gritos espumantes dos conservadores, para atender a um problema que um Estado elitista jamais enfrentaria: como garantir o cumprimento da legislação especial das reservas do pré-sal, particularmente no que se refere aos destinos dos recursos originados pelo petróleo sejam efetivamente dirigidos à educação, à saúde e ao fundo social. Esse problema não ocorreria ao governo de Campos Salles nem ao de seu admirador contemporâneo, Fernando Henrique Cardoso.
 
Isto posto, vale comentar as crônicas que romantizam o “anarquismo de feição violenta” de black blocs e assemelhados. Não vejo e nunca vi encanto algum no anarquismo. Se os primeiros embates de junho criavam uma compreensível confusão entre os que aderiam de boa fé a uma tática radical em vista de solucionar um problema, hoje não há dúvida alguma de que os “manifestantes” e “ativistas”, como os chamam as suaves apresentadoras da TV Globo, espécie de duas novas ações produtivas a serem incorporadas ao catálogo das profissões do Ministério do Trabalho, mascarados e apetrechados para a depredação e a agressão, não passam de catapora social. Quando entrevistados não conseguem produzir duas frases sucessivas com sujeito, verbo e predicado. Nem anarquistas são, mas simples desajustados, fenômeno corriqueiro em sociedades de urbanização acelerada.
 
Se o fenômeno é explicável, não é justificável. E nem cabe recorrer à legislação de proteção aos pobres e sacrificados membros da classe trabalhadora para isentar os autores da estúpida destruição de patrimônio público, quando não a petulância de pretender invadir e impedir os trabalhos de instituições fundamentais da democracia. A democracia não é um regime suicida. Se esses tatibitates se acham relevantes porque estariam mostrando à sociedade brasileira uma das variantes da violência anárquica, é hora de que sintam de corpo presente o gosto da violência democrática. Prisão para eles, com ou sem resistência.
 
PS: Está em pauta para votação na Câmara dos Deputados o projeto de lei 4471/12 terminando com os “autos de resistência” e de “resistência seguida de morte” pelos quais autoridades públicas davam cobertura legal às reiteradas práticas de violência policial. Como de hábito, as vítimas preferenciais do arbítrio eram os pobres, negros com freqüência. Prevista para esta terça-feira, 22/10, os informativos disponíveis ainda não registravam ontem, quarta-feira, 23/10, se houvera a votação.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. “O transporte de verduras e

    “O transporte de verduras e legumes ………… é, seguramente, mais bem cuidado do que o de homens e mulheres, ..”

    vale dizer: o governo federal deu um tiro no peh – incentivou a aquisiçao de carros sem ter se preocupado com a mobilidade social.

    esse pessoal eh inteligente mesmo .. mas mesmo assim o governo sai ganhando com tanto IPVA arrecadado.

    e a ironia eh q o dinheiro publico eh aplicado em transito e nao em saude e educaçao.  esse pessoal eh inteligente mesmo …..

  2. Concordo, professor, mas…

    Concordo, professor, mas… Tanta coisa dentro do Estado também não é justificavel. E chega uma hora que, instrumentalizado ou não, a guilhotina começa a cortar as cabeças dos que comeram brioches sem se importar com a agonia dos que vivem a miséria cotidiana. 

    Eh facil ser contra a reação pela violência, olhando de dentro do nosso conforto envidraçado. 

  3. O Wanderley rasgou o diploma

    O Wanderley rasgou o diploma ao chamar de violência democrática aquilo que é simplesmente violência estatal.

    Mudou o nome pra ficar mais bonito, mas é a mesma coisa.

    Eu fico bobo como tem gente que de tão conservador é capaz de escrever um texto para defender que vidraças não sejam quebradas.

  4. Professor Wanderley

    Professor, o transporte coletivo é desumano em qualquer parte do mundo, basta ver os encarregados de fechar as portas dos metros de Tóquio socando os japinhas lá para dentro. Alí, o máximo de civilização é o uso de luvas brancas. Um carro para cada brasileiro, vias largas e o fim do transporte público que é coisa da primeira metade do século 20.  

  5. Deve estar brincando…

    Wanderley ou está brincando ou está ficando conservador…

     

    É simples meu senhor: não é violência democrática pois uma plutocracia não é democracia!

     

    No máximo a violência estatal é violência plutocrática. Mas aí nem precisa de nome diferente pois é a velha violência do governo da elite em defesa de seus patrões.

     

    Mas tudo bem, pois em defesa da democracia nossos atuais governantes também foram presos e sofreram a violência de pessoas que apesar de defenderem uma ditadura pensavam estar defendendo a democracia contra a ameaça de uma ditadura comunista.

     

    Mas nossos atuais governantes se comprometeram e não conseguem avançar mais na direção que o Brasil precisa.

     

    Talvez nossos governantes futuros estejam hoje na cadeia presos por pessoas que defendem a plutocracia pensando estar defendendo a nossa falsa democracia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome