os Brasis: territórios ocupados, por arxk

Por arkx

“Este é o estatuto da lei, que o Senhor ordenou, dizendo: Dize aos filhos de Israel que te tragam uma novilha ruiva, que não tenha defeito, e sobre a qual não tenha sido posto jugo.”

Números 19:2

há uma guerra. mas não uma guerra no mundo. e sim uma guerra de mundos. uma guerra contra a multilateralidade e a multipolaridade. a guerra do mundo unipolar contra todos os demais mundos. nesta guerra mundial híbrida em curso, a batalha do Brasil ganha dimensões épicas.

para onde se olhar na cena do crime do golpeachment, estarão por toda a parte as impressões digitais da máquina de guerra Anglo-SioNazi.

desde a revelação por Snowden da espionagem da NSA com alvo na Petrobrás e na própria Presidência da República, passando pela recepção com honras de Chefe de Estado do muy amigo Eduardo Cunha no Knesset, até o batismo de Jair Messias Bolsonaro nas águas do rio Jordão, conduzido pelo pastor Everaldo, líder do PSC, no mesmo dia do afastamento de Dilma Roussef.

todo o processo do golpe é o decorrer de uma campanha de desestabilização promovida pelos Anglo-SioNazi contra os Brasis. até chegarmos ao atual presidente do BC brasileiro, nascido em Israel e onde viveu até os 10 anos de idade, e do Ministro da Fazenda Henrique Meirelles com sua cidadania norte-americana.

os Anglo-SioNazi nutrem uma profunda repugnância pela soberania popular e pelo multiculturalismo. não é sem motivos que seu enclave territorial, apesar do marketing enganoso de ser a “única democracia no Oriente Médio”, não possui Constituição tampouco tem fronteiras definidas.

sob o paradigma da Palestina Ocupada, os Anglo-SioNazi concebem o mundo como uma vasta “terra sem povo”, a ser colonizada pela implantação de condomínios fechados, protegidos por muros e check-points, enquanto os nativos são confinados em campos de concentração e áreas de extermínio.

os Anglo-SioNazi professam o capitalismo como religião, crêem piamente no lucro como a função social do mercado e nos juros como o meio supremo de realização individual. sendo inimigos mortais de um mundo multipolar, para impedir sua concretização não hesitariam em apertar o botão do holocausto termonuclear.

jamais poderiam admitir o Brasil como um dos pilares fundamentais do BRICS, para sustentar a construção de relações internacionais baseadas no ganha-ganha. daí investirem contra o país, arrasando com sua capacidade técnica e industrial, para restar preservados apenas os setores exportadores de commodities e de exploração de recursos naturais estratégicos.

a maior das armas de extermínio em massa em poder dos Anglo-SioNazi, mais de uma vez utilizada na desintegração da economia global, é conhecida como The Fed. embora seu maciço poder de destruição, toda sua letalidade advém de um princípio bastante simples: “suas decisões não têm que ser ratificadas pelo Presidente ou por nenhum outro membro do Poder Executivo ou do Legislativo.”

especialistas em psi-ops, uma de suas mais célebres operações foi nem tanto a demolição controlada que derrubou ao ground zero arranha-céus gêmeos de centenas de metros de altura, e muito mais a transmissão ao vivo do evento, como um estrondoso ato inaugural da Novus Ordo Seclorum.

sempre envoltos em diversas hipóteses conspiratórias, é certo porém não terem origem semita, e sim numa 13ª tribo Khazar perdida na Eurásia Central.

consideram a singularidade científica, a eclosão da inteligência artificial, como a chegada do tão esperado Messias, para proceder o upload dos avatares do povo eleito a uma Jerusalém reconstruída na terra prometida da realidade virtual. para além da Internet das Coisas, uma Web of Life do puro fluxo incorpóreo e desterritorializado do Kapital.

os Anglo-SioNazi jamais poderiam tolerar o bem sucedido protagonismo brasileiro durante a política externa de Lula, principalmente após patrocinar o acordo nuclear com o Irã. as declarações de Dilma Roussef contra o genocídio do povo Palestino, somadas a sua investida contra o bezerro de ouro da SELIC e a criação de um BNDES dos BRICS, colocaram a [email protected] brasileira no topo da lista dos alvos prioritários a serem “removidos”.

pela Doutrina do Choque ascende o Capitalismo de Desastre, fazendo da arquitetura do caos e da engenharia do ódio armas políticas para desagregar a sociedade numa luta interna suicida entre facões. a terceirização da guerra de um contra todos (o mundo unipolar contra todos os demais mundos) para uma guerra de todos contra todos.

hoje os Brasis se tornaram territórios ocupados.

como Palestinos, estamos segregados em campos de refugiados dentro de nosso próprio país; como na Síria, nossa infraestrutura está sendo reduzida à escombros, regredindo à idade da pedra; como no Iraque, corremos risco de ruptura da unidade territorial; como no Afeganistão, através da indústria das guerras, se estabelece o ambiente de negócios para florescer a expansão do narco-business; como em todo Oriente Médio, disseminou-se nos Brasis a cultura do ódio e o culto à intolerância.

“Eu gostaria de te contar uma revelação que eu tive durante o meu tempo aqui. Ela me ocorreu quando eu tentei classificar sua espécie e me dei conta de que vocês não são mamíferos. Todos os mamíferos do planeta instintivamente entram em equilíbrio com o meio ambiente. Mas os humanos não. Vocês vão para uma área e se multiplicam e se multiplicam, até que todos os recursos naturais sejam consumidos. A única forma de sobreviverem é indo para uma outra área. Há um outro organismo neste planeta que segue o mesmo padrão. Você sabe qual é? Um vírus. Os seres humanos são uma doença. Um câncer neste planeta. Vocês são uma praga. E nós somos a cura”. “Matrix” – Agente Smith 

vídeo: “INFERNO”, Yael Bartana

0gif-tarja-organize.jpg

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora